EMBAIXADAS UCRANIANAS TRANSFORMADAS EM AGÊNCIAS DE PROPAGANDA?

Fomento do divisionismo entre ucranianos e agitação contra o PCP

A embaixada Ucraniana discrimina os próprios cidadãos procurando distingui-los em ucranianos e russos quando a interculturalidade se encontra na Ucrânia de mistura. Uns e outros são vítimas da violência e da guerra.

Também em Portugal, a Embaixada Ucraniana está a revelar-se como divisionista, de espírito nacionalista pidesco ao avisar publicamente que há associações pró-russas como se o seu povo fosse homogéneo quando 20% dos cidadãos ucranianos são de tradição russa (dos 45 milhões de ucranianos 32 milhões têm ucraniano como língua materna). Será que querem perseguir os próprios cidadãos como é praxe ucraniana?  A comunidade ucraniana com um grande património russo comum que antes era unida e se distinguia em Portugal pelo trabalho, inteligência e interculturalidade, vê-se agora metida numa campanha política de divisão. A Embaixada não olha a meios para tal e com o apoio de uma associação, consegue intrometer-se até nas questões internas do país como revela o caso de Setúbal e o contencioso contra o partido comunista.

Numa sociedade portuguesa já tensa, devido à política de informação sobre a guerra, está-se a conseguir ucranizar ainda mais a discussão e os sentimentos portugueses também em torno do PCP; escondem assim as suas verdadeiras intenções de difamar parte dos cidadãos ucranianos em Portugal! Aproveitam-se da atmosfera xenofónica espalhada por toda a Europa para fomentar o espírito de intransigência na sociedade portuguesa não só contra o povo russo, mas também intolerância entre os partidos.

Agora a associação do seu agrado “Associação de Refugiados Ucranianos (UAPT) vem dizer que não compreende a razão por que “as organizações não filtram as pessoas que lá trabalham» e, por outro, «como é que Portugal, um país democrático, continua a ter um partido como o PCP». De lembrar que Selensky, no final de 2021 condecorou um dos líderes do batalhão neonazi Azov, e posteriormente proibiu a actividade de 11 partidos políticos, incluindo o maior partido da oposição, acusados de serem pró-russos.

A sua embaixatriz em Portugal imiscui-se em assuntos de administração interna como se deu no problemático caso de Setúbal e de uma associação de ucranianos afecta à Embaixada que vem reclamar que o PCP deveria ser ilegalizado como tinham ilegalizado o comunismo em 2014 aquando do derrube do governo de então e do começa da guerra civil.

Na manifestação do 25 de Abril a embaixatriz alinhou ao lado do partido Iniciativa Liberal, mostrando-se partidária.

Dá a impressão que querem para Portugal as mesmas relações que reinam na Ucrânia.

Uma batata quente e melindrosa por esclarecer será o envolvimento da embaixada no recrutamento de membros nazis portugueses para o exército ucraniano!

Muito questionável é o facto de parte da sociedade portuguesa, em vez de defender a liberdade de o PCP (1) se posicionar, preferir ver o partido alinhado acriticamente à caravana da propaganda de que Selensky é expressão, isto independentemente da empatia que merece o povo sofredor na Ucrânia.

A Embaixada está interessada em apoiar especialmente uma associação nacionalista de pensamento único, o qual alastra cada vez mais pela Europa! A embaixada tenta dividir cidadãos contra cidadãos, à imagem do que aconteceu desde 2013 na Ucrânia. Querem fazer passar a ideia que a luta na Ucrânia é contra o comunismo.

Domina um espírito agressivo assistindo-se a um espírito ademocrático de intolerância como se pode observar em atitudes extremistas contra o PCP e contra o Chega! O espírito dos que agora atacam o PCP é o mesmo dos que antes atacavam o CDS e jubilaram quando este deixou de estar na AR.

A embaixatriz ucraniana (Inna Ohnivets) parece ser do mesmo cariz do seu colega embaixador na Alemanha (Melnyk) que diz “Todos os russos são inimigos”. Divide os ucranianos residentes em Portugal e não respeita a democracia nem hábitos portugueses dispensando-se de cumprir a boa tradição diplomática! Não se pode compreender como gente surgida à sombra de oligarcas ucranianos, como foi o  caso do atual presidente da Ucrânia, se arrogue o direito de atacar partidos da democracia portuguesa e de lhe dar lições.

O governo da Ucrânia tem-se comportado em suas embaixadas com desprezo e falta de diplomacia como se fossem os senhores da Europa exigindo o direito a armas e ajuda para as vítimas, como se as duas coisas não se contradissessem.

Uma preocupação ideológica nacionalista quer afirmar-se com base em ideologias de outros grupos… Abusam de uma imprensa receptiva a tudo o que é contra a Rússia (2) para espalharem insegurança entre a população. O oportunismo está a ganhar foros de cidadania!

Em declarações à SIC Notícias, Pavlo Sadokha referiu que o Alto Comissário para as Migrações ignorou os pedidos da associação para que deixasse de reconhecer como ucranianas organizações pró-russas. Deixo em nota as palavras do Major-general Raul da Cunha (3).

Esta tática divisionista revela-se certamente como uma eficiente estratégia de polémica porque será bem acatada numa sociedade portuguesa demasiadamente virada para a discussão partidária!

É preciso estar-se atentos para que representações diplomáticas e associações não se tornem em agências do nacionalismo seja de quem for (4).

A pretexto de Putin perseguem-se ucranianos russos também em Portugal

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo, https://antonio-justo.eu/?p=7417

(1) Os comunistas defendem, em comunicado, que as declarações do líder da associação Refugiados Ucranianos constituem um “nítido e intolerável carácter censório e persecutório que visa todos os democratas e que exige um posicionamento inequívoco dos órgãos de soberania”.   https://www.publico.pt/2022/05/03/politica/noticia/pcp-exige-posicionamento-orgaos-soberania-devido-posicoes-partido-2004761?fbclid=IwAR2g05KjKDYwdNLjV4hcZEY39Zc4xUNgCql_-0aUuGxY4bPTEMfY_7PhKdk

(2) https://www.publico.pt/2022/04/30/sociedade/noticia/ha-varias-associacoes-proputin-acolher-refugiados-acusa-representante-ucranianos-portugal-2004408; https://cnnportugal.iol.pt/russia/embaixada/embaixadora-da-ucrania-teme-pela-seguranca-dos-refugiados-ucranianos-em-portugal-e-alertou-governo-sobre-infiltrados-pro-russos-em-organizacoes-que-os-acolhem/20220408/624f8b2d0cf2f9a86e9d4002

(3) Palavras do Major-general Raul da Cunha :

“Graças ao nosso governo e a muitos dos meus compatriotas, um fascista ucraniano (ao que parece dirigente de uma associação de refugiados ucranianos) permite-se vir dar ordens ao governo e autarcas portugueses, insultar os partidos políticos portugueses que não são do seu agrado e vomitar o seu ódio ao sistema e vivência democrática no nosso País.

Não percebo porque é que este malfeitor, que abusa da nossa hospitalidade, não é imediatamente expulso de Portugal, ou será que, tal como o hábito de haver dois pesos e duas medidas, que foi implantado no mundo ocidental, só nos indignamos quando os abusadores da nossa tolerância são do Senegal?

E, que dizer das reiteradas manifestações de ingerência da embaixadora da Ucrânia e que constituem uma intolerável afronta ao regime democrático em Portugal? Porque está o nosso PR a permitir os repetidos abusos daquela fulana? Haja quem tenha a dignidade de lhe fazer sentir que o seu comportamento é inaceitável.

Para aqueles que ainda têm dúvidas sobre o carácter fascizante do regime ucraniano e o seu total desrespeito pela democracia e liberdade, estas atitudes, evidenciadas em Portugal, mostram bem o que este miserável regime está a concretizar na Ucrânia, contra o seu próprio povo.

Infelizmente, alguns portugueses, de menor ou falso patriotismo, já se deixaram contaminar e já viraram “bufos” ou denunciantes (e até torcionários seriam) dos portugueses que não se deixaram enganar por aqueles fascistas.”

(4) Cheguei há anos a dar emprego a ucranianos que não se punham o problema da sua interculturalidade e eram amigos uns dos outros. Agora que a Embaixada se mete a interferir pretende-se criar a discórdia entre eles para chegarmos às mesmas condições que têm dominado na Ucrânia desde 2014. Antidemocráticos.  Ignoram a representação complementar dos interesses do povo em democracia?

 

 

 

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

24 comentários em “EMBAIXADAS UCRANIANAS TRANSFORMADAS EM AGÊNCIAS DE PROPAGANDA?”

  1. Na Ucrânia é que era praxe perseguir cidadãos?! Hmmm, na Rússia então a praxe vai mais longe e vão logo para prisões m/ campos de trabalho. Bolas, que campanha interessante. Divulgam-se uns factos, omitindo-se outros. Isto tem um nome.

  2. Carla Moita, para que mentes abertas não estejam quase exclusivamente expostas aos factos de interesses de um só lado, procuro precisamente apresentar também factos não para manipular mas para equilibrar um pouco os extremos que são a posição pró USA e a posiç1bo pró-russa! Já acompanho isto desde 2008 e em especial a partir de 2013 e por isso pude ver o desenvolver da guerra civil na Ucrânia e também a acção importante assumida pelo grupo Nazi (internacional) na guerra civil ucraniana! Mas alguns só acordaram para a realidade a partir da intervenção directa russa (isto já interessava informar até à exaustão, enquanto os precedentes importava encobrir)! (Certamente também poderia escrever um texto sobre a acção do batalhão Azov e também do alistamento de nazis portugueses no exêrcito ucraniano!) O meu empenho não é na defesa deste ou daquele mas no interesse de procurar com outras informações contribuir para que a sociedade civil não se torne tão extremista e blauäugig e considerar outros aspectos para se atrever a pensar por cabeça própria! Pelo que tenho escrito ultimamente, para algumas opiniões isso cheitrará a comunismo ou socialismo embora eu seja crítico também em relaç1bo a ele ou a outras coisas que passem apenas pelo crivo do sentimento quando deveriam passar também pelo crivo da razão. Naturalmente que os meus interesses, já por razões de socialização, se situam em favor da cultura ocidental mas a minha capacidade mental tem dificuldade em optar por partidarismos crassos.. Penso que já seria tempo, não para os mais distraídos, mas por alguns que pretenem estar atentos, de fazerem uma análise à informação a que temos estado a ser submetidos; certamente que chegarão à conclusão que a informação nos tem estado a preparar para sermos adeptos de uma guerra total! Eu procuro reflectir no que respeita à nossa acção porque pretendemos ser livres! Sei que na parte russa pessoas que pretendm manifestar-se independentes como eu terão muito maior resistência que eu na nossa!

  3. Paulino Balão Fernandes , totalmente de acordo! Quando vemos que até tanta gente académica em vez de fazer valer um pouco o espírito racional crítico ainda deita fogo na fervura, como se fossem todos já militarizados! Amanhã, dia oito é um dia especial para o Rússia pelo facto de comemorar a victória sobre Hitler! Esperemos que Putin aproveite esse dia para finalizar a intervenção na Ucrânia e não o use para declarar mesmo a guerra! Temos tudo preparado para uma guerra mundial com a NATO já metida (embora não oficialmente) na Ucrânia! Penso que o dia 8 se assemelha um pouco ao dia 23 de Fevereiro! O pessoal ocidentaltem sido preparado por políticos e Média até para apoiar uma guerra com armas atomares! Pobre Europa, mera servidora de estratégias militares a ser totalmente envolvida na aliança da NATO conduzida pelos USA.

  4. Mas António Cunha Duarte Justo, outros também acompanham desde 2014 e mesmo assim a visão não é a sua. A Rússia é INVASORA!!!! Desde 2014! Quer explicar de perto a ação do grupo nazi na Ucrânia? Pois esse grupo em nada difere de outros que se têm formado por essa Europa fora! Bem fortes aqui na Alemanha e nem por isso, foi motivo a que outros país invadissem a Alemanha. Não pode haver desculpas, nem existem visões para atrocidades cometidas e as campanhas de desinformação acontecem na Rússia!!!!

  5. Carla Moita, eu não sou pelas atrocidades americanas/ucranianas nem pela russas; procuro informar-me para poder entender o que lá se tem passado; procurar entender não quer dizer aprovar mas tentar obter uma visão mais justa que é alérgica aos agressores mais ou menos visíveis! Com a ideia de que a Rússia é invasora conseguiu a NATO fazer de grande parte da população adeptos do militarismo da NATO sem haver uma alma penada sequer que apnte para os interesses de uma Europa inteira: interesses que se fossem assumidos por políticos europeus responsáveis não seguiria a doutrina pós-guerra dos americanos de impedir que a Europa tratasse dos seus próprios interesses numa de parceria com a Rússia! Eu falei já há anos dos interesses anglosaxónicos que são infeizmente filhoe pródigos da Europa e estão a contribuir para que a Europa se destrua para eles poderem fazer o que bem pretende,! Carla não seria bom generalizares confundindo acç1bo política nazi com acção militar. Em vez de falar aqui vou ver se faço um texto sobre Azov e movimentos nazis militares para enviar para a imprensa como costuma fazer com os meus textos. Infelizmente, aqui no ocidente pensamos que somos livres pelo facto de lermos quase as mesmas coisas em diferentes jornais! Quem não procura ver e compreender o que acontece nas várias partes e sob várias prespectivas é certamente um “bem-aventurado” mas deveria perceber que a bem-aventurança da sua opinião certa se deve à informação crivada por outros! O mundo dominado por poderosos torna-se ainda mais ameaçador quando os seus seguidores nem sequer dúvidas se põem.A grande maioria dos espectadores não acompanham os acontecimentos dese 2012. Para isso seria preciso espírito crítico para perceber do sentido e o porquê das informações transmitidas e não de outras; muito bebem as notícias como outros vinho! Só que os espectadores não notam as consequências que as notícias deixam neles enquanto que quem bebe vinho nota…

  6. Das ist noch schlimmer mit Nationalismus und Nazismus in der Ukraine als auf dem Balkan. Und so ein Land mit faschistischer Regierung soll in die EU ????Und so eine Regierung wird von westlichen Staaten unterstützt ??? Somit stehen die Tür für diese inhumane Nazzi-Ideologie in Europa breit offen. Ist das die Zukunft ?? Die ukrainischen Flüchtlinge hier erzählen von der schrecklichen Angst vor Nazzi-Gespenstern, die in ihrem Land umgeht.

  7. Ksenija Duhovic-Filipovic, nach dem Putsch gegen die russlandfreundliche ukrainische Regierung (2014), bei dem sich die NATO-Anhänger durchsetzten, kam es zu heftigen Kämpfen in den Gebieten mit eher russischer Kultur. Das Asow-Bataillon war stark involviert, wie jetzt in Mariupol, und dieser Gruppe von Söldnern und Nazis gelang es, die Russen zu besiegen. Von da an breitete sich der Bürgerkrieg aus und mit ihm wuchs der westliche Einfluss auf die Regierung! Über die Aktionen von Extremisten und Nazis in euren Ländern und auf dem Balkan ist wenig oder gar nichts bekannt!

  8. António Cunha Duarte Justo Allerdings, António, ich werde nie in die Ukraine reisen!

  9. Ksenija Duhovic-Filipovic, es wäre interessant, wenn Du hier etwas von dem schreiben würdest, was Du über die Geschehnisse im Osten weißt und gewusst hast. Als jemand, der von dort kommt, hast du eine gewisse Autorität zu sprechen!

  10. Carla Moita naô limpe uma maô com outra isso reposra de pessoa sem argumentos

  11. Gorvachov sonhava com a “Casa da Europa” mas os USA trocaram-lhe as voltas mantendo a aliança militar (NATO) para apostar na agressão. Os políticos europeus atraiçoaram a Europa que teria tido ocasião de com a Rússia se desenvolver à margem da política anglosaxónica agressiva! Voltar à URRS é a propaganda que os parceiros da NATO procuram impingir no povo! Essa corresponderia à estratégia militarista da NATO para justificar mais armamento!

  12. Agora compreende-se que defendam os ucranianos, porque a soberana Ucrânia está a ser atacada pelo regime russo.

  13. Isto é ainda pior com nacionalismo e nazismo na Ucrânia do que nos Balcãs. E o tal país com governo fascista deveria entrar na UE ???? E tal governo é apoiado pelos estados ocidentais??? Assim, a porta para esta ideologia nazi desumana na Europa está completamente aberta. Este é o futuro?? Os refugiados ucranianos aqui falam do medo horrível dos fantasmas nazis no seu país.

  14. Ksenija Duhovic-Filipovic Após o golpe contra o governo ucraniano pró-russo (2014), no qual prevaleceram os apoiantes da OTAN, houve lutas ferozes nas áreas com mais cultura russa. O Batalhão Azov esteve fortemente envolvido, como agora em Mariupol, e este grupo de mercenários e nazis conseguiu derrotar os russos. A partir daí a guerra civil espalhou-se e com ela a influência ocidental sobre o governo cresceu! Pouco ou nada se sabe sobre as acções dos extremistas e dos nazis nos vossos países e nos Balcãs!

  15. Olha o AZOV – Soldado
    Pode ser uma imagem de 1 pessoa, tatuagem e texto que diz “MBA главное упра борьбе c oprai преступно коррупи”

  16. @TAG, isso é absurdo. Os refugiados aqui dizem o contrário, mas nada sobre os nazis. De nazis só diz algo aqui. Os refugiados falam de tortura, morte, dias sem comida. Sem água, de soldados russos cruéis bombardeando dia e noite. Acolhi refugiados, o meu vizinho fez, os colegas fizeram e ajudo a recolher para refugiados desde o início E ensino refugiados ucranianos. Estás mesmo a tentar dizer-me o que estes refugiados estão a dizer???!!! Certamente não dos nazis. É por isso que não entendo todas essas ideias quando as pessoas em 1o. Pessoa contando histórias insuportáveis. É um mistério para mim. E que você torna isso público… um enigma!

  17. António Cunha Duarte Justo No entanto, António, nunca viajarei para a Ucrânia!

  18. Ksenija Duhovic-Filipovic é uma pena, Ksenija, porque orientas tantas visitas a outros países e o contacto com o povo é diferente do que o que os políticos querem fazer dele.
    Seria interessante se escrevesses aqui algo do que sabes e experimentaste no que está a acontecer no Oriente. Como alguém que vem de lá, tens uma certa autoridade para falar!

  19. Carla Moita mas, Madame, nem tudo é conhecido. Conheci alguns no sábado passado, da Ucrânia Ocidental, que falaram sobre o medo dos Nazzis. Quer acredite ou não. Enigmas? A sério?

  20. É realmente sintomático o que se passa em muitos comentários a textos que coloco no FB sem se entrar propriamente no assunto do texto. Em vez de se interferir argumentando-se pessoal e directamente ao texto passa-se logo a repetir o que o mainstream segue quando seria de esperar não actos de confessos mas argumentações a favor ou contra! Assim poderíamos aprender mais uns dos outros!A narrativa informativa relativa ao conflito entre ocidente e Rússia na Ucrânia, faz-me lembrara a narrativa a que Portugal foi submetido com o regime de Abril! De um lado o lobo Putim e do outro o Cordeiro Ocidente; de um lado o Lobo Salazar e do outro o cordeiro socialismo de Abril!
    Confesso que não me posso identificar com uma narrativa nem com a outra! Por isso elaboro textos que poderiam apontar para uma realidade mais complexa e intrincada do que parece. Não quero com isto ser advogado do Belzebu de um lado nem do lúcifer do outro; estou consciente porém que quem se ocupa dos seus afazeres fica com cheiro a enxofre!
    Procuro contribuir, com os meus textos, para um pouco de equilíbrio na balança da informação. O soberano é o cidadão que decide e as informações de um lado ou do outro só podem ajudar. A propósito, a TV, etc, certamente não deu relevo ao que o papa disse (e que apresentei com o título POSSÍVEL VIAGEM DO PAPA A MOSCOVO – A NATO FEZ COM QUE O KREMLIN REAGISSE MAL E DESENCADEASSE O CONFLITO); não convinha porque iria contra a corrente (mainstream) e contribuiria para que o cidadão passasse a andar menos fardado!! Apesar disto, tudo o que é dito em comentários tem não só o sentido de se contribuir para uma discussão como também de revelar a própria posição. Muito obrigados a todos os comentadores/as porque de uma maneira ou de outra nos ajudam a todos.
    Por regra não respondo a postagens que não sejam pessoais. Obrigado a todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.