“A LIBERDADE ESTÁ NO HIJAB” APREGOA O CONSELHO DA EUROPA!

A União Europeia implementa símbolos de submissão!

Esta campanha institucional do Conselho da Europa a favor do lenço islâmico (Hijab) foi mais uma tentativa de vender o símbolo da submissão da mulher como indicativo de liberdade (“A beleza está na diversidade como a liberdade está no hijab”) e ao mesmo tempo de promover a cultura tradicional islâmica no meio ocidental!

A ideia não veio do presidente turco, Erdogan; o mais grave e sintomático é que ela partiu de genuínos representantes da União Europeia que parecem dispostos a apostar na “emancipação” de tudo e de todos até conseguirem a particularização de todos e deste modo serem mais facilmente dominados porque reduzidos ao género neutro! Vivemos num tempo de palavras mágicas que a tudo obrigam e até a razão subjugam!

Nada acontece por acaso! Ou será que Bruxelas perdeu a cabeça?

O bom senso levou Estrasburgo a parar a controversa campanha e a apagar os tweets referentes a ela (1).

Em termos culturais, este permanece um aviso sério sobre o que move os nossos deuses do olimpo europeu nos corredores de Bruxelas e de Estrasburgo!

Seria totalmente impensável que o Conselho da Europa tomasse a iniciativa de fizer uma tal propaganda em favor de símbolos cristãos (2)!

Que tolerância é esta que para defender o islão toma ao mesmo tempo medidas para desmontar valores cristãos! Surpreendente é a atitude descarada que já usam de, para valorizarem uma cultura, se sintam na necessidade de desvalorizarem a outra!

Chegamos ao cúmulo dos representantes de uma democracia, porque depravada, se sentirem já à-vontade para aplainarem o caminho da teocracia islâmica (Muitas portadoras do lenço islâmico são símbolo de um islão gueto, mais radical! Que as mulheres tenham a liberdade de usarem ou não o véu é uma evidência do seu direito privado, mas que instituições como a EU defendam hábitos impostos pelo domínio cultural e pelos seus homens é indigno de uma Europa com tal nome)! De facto, algo de comum têm: oligarquia e teocracia não andam muito longe uma da outra!…

Políticos europeus não tomam a sério os temores dos cidadãos nativos e em contrapartida empenham-se em fortalecer os interesses muçulmanos e deste modo fomentam uma política multicultural que se revela nefasta para uma sociedade que se deveria basear na solidariedade e na interculturalidade.

Em vez de criarem medidas de precaução e inserção fazem propaganda pela estratégia de afirmação do gueto islâmico. Pensam que, deste modo, dominarão o sentir ocidental e, para os seus intuitos de poder,  lhes bastará conseguirem criar uma relação de superioridade mais fácil com súbditos contribuintes, com grupos dispersados e cidadãos à deriva; com isto colocam a democracia em jogo porque quando se derem conta, as próprias regras democráticas ajudam os novos cidadãos a afirmar-se de maneira legitimada e incondicional!

O cartaz de reclame da Conselho apresentava uma fotomontagem de uma jovem mulher sorridente usando um lenço de cabeça cor-de-rosa com uma capa larga num quadro e dizeres como: “A beleza está na diversidade como a liberdade está no hijab”!

A propósito da liberdade do lenço: em 2018 a advogada Nasrin Sotoudeh foi condenada a 148 chicotadas e 38 anos de prisão no Irão porque apoiava mulheres que protestavam contra a imposição do véu na cabeça (HNA, 17.12.2021). Infelizmente, permanece em aberto a questão de quanta liberdade e quanta coerção e opressão estão associadas ao véu de cabeça.

No Islão, os testemunhos dos homens têm mais peso do que os das mulheres, e as mulheres não estão autorizadas a ter mais do que um marido, embora os representantes do Islão afirmem que homens e mulheres têm direitos iguais no Islão.

Uma religião que difama pessoas de outros credos como infiéis é intolerante e injusta. A verdadeira mulher muçulmana não sai de casa, e se sair, deve sair de maneira não atractiva. Isto também significa que os homens são geralmente, quase por natureza, agressores sexuais e as mulheres devem prevenir isto. Na Jordânia, as pessoas são liberais em relação ao véu da cabeça. No Irão e na Arábia Saudita, as mulheres estão a tentar livrar-se da cobertura obrigatória… Aqui a religião é usada para opressão das mulheres e subjugação a interesses. Sura 24:31 e 33, versículo 59 refere que o peito deve ser coberto… e “as esposas dos crentes, elas devem puxar para baixo algo da sua cobertura sobre si mesmas”. Portanto, é mais provável que sejam reconhecidos e não sejam molestados”. A sura fala sobre as mulheres casadas que cubram os seus seios e não fala do lenço de cabeça…

Os nossos políticos andam inquietos e parecem não estarem dispostos a esperar que os costumes surjam e se imponham de baixo para cima!

António CD Justo

Pegadas do Tempo

(1) Segundo o Stutgarter Zeitung, 3.11.2021, um porta-voz da Comissão da UE, distanciou-se cuidadosamente da campanha e, como é óbvio, os responsáveis não querem enterrar completamente a campanha. Todo o projecto será examinado e depois será tomada uma decisão sobre as próximas etapas:

(2) Medidas para banir a palavra Natal: https://antonio-justo.eu/?p=6911  e Ridicularização de símbolos cristãos (entre eles o símbolo da família): https://antonio-justo.eu/?p=6946     O Papa Francisco criticou as directrizes da Comissária para a Igualdade para uma comunicação mais inclusiva na UE, dizendo que são “anacronismos”. “Pense-se na ditadura nazi e nas comunistas”, atirou. https://observador.pt/2021/12/08/papa-compara-a-uma-ditadura-tentativa-de-comissaria-para-a-igualdade-alterar-termo-o-natal-para-festividades/

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

9 comentários em ““A LIBERDADE ESTÁ NO HIJAB” APREGOA O CONSELHO DA EUROPA!”

  1. Uma vergonha e uma falta de respeito pelas mulheres que nos países muçulmanas lutam contra estas imposições que nada têm a ver com religião.

  2. Mais uma prova de como a (des)união europeia não passa de um saco de gatos comandada por gente com o QI de um chiuaua.
    Como é que as mesmas pessoas que defendem os lobbies feministas e lgbt+xpto e ao mesmo tempo um dos símbolos da submissão feminina ao Islão?
    Mas ainda há quem acredite neste pseudo-projecto liderado por esta gente?
    FB

  3. Ricardo Grosso, Europa comunista, o texto acima reflete bem essa ideologia.. ser tolerante com religião que nem toleram valores ocidentais católicos, quando mais com os cristãos

  4. Rui Rodrigues, o próprio Corão aponta os cristãos e judeus como inimigos e exorta à morte dos “infiéis”.
    Sendo que no islão há mais fiéis a defender a interpretação literal do texto corânico (a tenebrosa shari’a), do que há no cristianismo ou no judaísmo fiéis a defender interpretações literais do texto bíblico.

  5. António Cunha Duarte Justo, a Europa está sob domínio de gente arguida de suspeita e condenada à estupidez.

  6. Agradeço este artigo e dou-lhe os PARABÉNS porque tem a CORAGEM de levantar a voz
    Esperamos tempos
    Melhores
    Há muitos jovens, e, não só, que comungam as mesmas ideias
    Coragem SANTO NATAL

  7. O hábito do véu ainda é o menos, porque me lembro de usar véu para ir à Igreja e também as mulheres usavam lenço na cabeça habitualmente. Eram os costumes da época. Respeitamos. A opressão é que não faz sentido, se defendemos a liberdade e o respeito de uns pelos outros.

  8. As mulheres do campo usavam os lenços para se protegerem do sol, poeiras etc. e certamente em alguns regiões na sequência ainda da tradição árabe. Para irem à igreja usavam as rendas (lembro-me ainda na região de Arouca)! O Hijab é usado, como posso verificar aqui na Alemanha como gesto político-religioso principalmente por pessoas frequentadoras de mesquitas muito conservadoras ou radicais e é usado como afirmação do islão arcaico e como meio de afirmar o guetto! Sei bem do que falo porque leccionei filosofia aplicada a alunas muçulmanas e que confessavam abertamente o que as movia! Conheci também uma vizinha que arrazoava ter de cobrir todo o corpo porque as partes do corpo descobertas seriam tisnadas na outra vida. O uso do lenço numa e noutra cultura não são comparáveis!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.