Município de Neuss destaca um Português

 

José Gomes Rodrigues, assistente social, foi agraciado com o Prémio Municipal de Integração pela sua extraordinária dedicação em benefício da população de Neuss, durante 35 anos. Apresento aqui um bocado de história migrante documentada e narrada pelo próprio homenageado:

 

“Falar de si mesmo é ser-se suspeito, assim define a sabedoria popular sobre o que aqui irei relatar. Perdoem a minha ousadia, mas faço-o, obedecendo ao desejo de alguns amigos e instituições que solicitaram a descrição e o desenrolar dum acontecimento agradável de que fui alvo. As entidades alemãs desta cidade de Neuss, responsáveis pela inserção social dos imigrantes, decidiram agraciar individualidades e associações que se tenham notabilizado de diversas formas na integração desta população específica.

 

No próprio dia em que viajava a Portugal para participar no acostumado encontro anual de ex-colegas de estudos, recebo uma carta do Presidente da Câmara desta cidade solicitando a minha presença urgente na semana seguinte, dia 14 de Maio numa das novas salas de recepção oficial da Câmara. Teria sido uma das pessoas propostas, segundo o teor do convite, para a atribuição do prémio de integração da cidade  (Integrationsförderpreis).

 

Esquivar-me, seria a melhor alternativa, mas, segundo o coordenador da efeméride, a minha presença era irrefutável. Após o regresso da cidade de Viriato e vestido a rigor, de fato bem polido e engomado, de gravata a condizer com as riscas verdes da camisa, lá me apresentei no bem delineado anfiteatro, há pouco inaugurado.  A minha esposa e companheira fiel de longa data, acompanhou-me, não fosse o fato ainda engelhar ou os passos me conduzirem para outro local sem tanta praxe.

 

A sala estava repleta. Muitos dos presentes eram-me familiares, pois tínhamos cooperado e partilhado experiências e vivencias do ofício ao longo destes 33 anos de serviço. O meu trabalho estava, há anos, orientado na integração de estrangeiros ou, melhor dito, concidadãos oriundos de diversas culturas e do mundo. Estes totalizam, nesta cidade, dormitório da metrópole de Düsseldorf, mais de 15% dos habitantes o que perfaz numa população de 151.000 habitantes, 20 mil com cidadãos possuidores dos de passaportes de mais  de 90 nacionalidades

 

Representantes das mais diversas associações, organizações e instituições que se dedicam à promoção sócio-cultural destes concidadãos não faltaram ao evento. O diversificado colorido partidário da cidade, os representantes das Igrejas e de outras religiões, coroaram, com a sua presença, a ocorrência. Uma orquestra da câmara emoldurou o evento.

 

Foram galardoados comigo, com um lindo certificado-diploma, devidamente autenticado com as insígnias da cidade e a assinatura do Presidente da Câmara, outras individualidades e grupos que se tinham notabilizado pelo esforço abnegado em prol da integração da população migrante. Ao ouvir o meu nome, entre os agraciados, alegrei-me, levantei-me do meu lugar e, após uma pequena apresentação oral sobre a minha ação profissional rebatido com algumas palmas por parte da assembléia presente.

 

Ao ser-me entregue este galardão pelas mãos do Presidente Conselho de Integração da cidade, em representação do Presidente da Câmara e, perante este importante auditório, revi, como uma película a cores,  toda a minha vida profissional durante os 35 anos dedicados à emigração. Mergulhei nas minhas singulares raízes. Pensei nas gentes calejadas e bem temperadas pelo abrasador sol dos áridos campos da minha aldeia, Vila Nova do Campo, que marcaram o meu caráter e a minha maneira de atuar. Os diversos professores, os muitos colegas de escola e de seminário, os amigos que, durante tantos anos, comigo caminharam, estiveram presentes como atores neste rápido filme. Sou, nada mais e nada menos, o fruto das muitas encruzilhadas.

 

Agradeci o gesto tão simpático das autoridades civis e dediquei-o a todos com quem convivi e servi no meu caminho profissional e que foram os sujeitos e os obreiros desta pequena festa de reconhecimento publico. A minha família teve também, nesta efeméride, um lugar de relevo, não fosse a paciência e a necessária compreensão que sempre demonstraram.

 

Não sendo eu a pessoa indicada para nomear as razoes que levaram a esta nomeação, deixo aqui a tradução do alemão da proposta escrita apresentada pela responsável dos serviços de Integração sócio-cultural  da Caritas, instutuicao que servi:

 

“Desde 1977 até Dezembro de 2010, o José Gomes Rodrigues foi Assistente    Social, no departamento de Integração da Caritas. Antes desta data, tinha      exercido funções pedagógicas como professor da escola complementar de    Língua e Cultura Portuguesa das crianças e jovens nas cidades de Dortmund,           Mulheim/Ruhr, Duisburg e Bochum.

 

            Dedicou-se exemplarmente e durante a maior parte do seu tempo de serviço     à Integração dos concidadãos com passaporte estrangeiro. Iniciou, deu forma           e levou a cabo um grande número de projetos de inserção social. Duma forma           exemplar, é de mencionar a fundação dum projeto piloto de teatro        intercultural, em colaboração com a escola superior de teatro, a OFF-Theater     da Renania do Norte e Vestfália. Ele mesmo manifestou-se talentoso como      ator em palco. Esta iniciativa obteve tanto êxito, que lhe valeram três honrosos prêmios. Transformou-se, desde então, num campo de trabalho e      um método pedagógico frutífero e  prioritário na Integração intercultural dos             concidadãos             estrangeiros que ganhou raízes.

 

            O diálogo entre as diversas religiões presentes na cidade constituiu também      um dos seus campos de atuação tendo, com as suas diversas iniciativas,           aproximado os indivíduos na sua diversidade biográfica, cultural e religiosa.        Provocou o conhecimento recíproco, o respeito e a aceitação mútua entre as diversas religiões de maior presença nesta sociedade: o cristianismo e o             Islão, entre outras. O interesse e tenacidade que demonstrava no seu atuar        era de tal ordem que ultrapassava o seu horário regular de trabalho.

 

            Apesar de desligado atualmente destas funções, por escolha própria, e por        idade, continua a dedicar-se como voluntário e mostrando muito interesse      nestes projetos de inserção”. Até aqui a responsável pelos serviços!

 

Termino este trabalho descrevendo o testemunho de alguém que deixou escrito no facebook.

“O José Rodrigues vai ser, na próxima segunda-feira, homenageado pela          Câmara da cidade de Neuss, na Alemanha, com o prémio de integração           „Integrationsförderpreis „ Esta condecoração serve para reconhecer o grande contributo deste português na área das integrações dos povos e das culturas         nesta cidade germânica, na Renânia do Norte e Vestefália. Destaca-se que      José Rodrigues foi ao longo dos anos Assistente Social da Caritas.       Ultimamente, deslocou-se por alguns meses a Moçambique, onde está            envolvido em projetos de promoção social. Sem a mínima dúvida, José             Rodrigues, é na atualidade uma das personalidades da Comunidade     Portuguesa na Alemanha que mais simbolizam um espírito puro de       humanidade. Uma das suas áreas profissionais preferidas foi o diálogo      intercultural a nível religioso. O nosso parabéns e nosso reconhecimento!“

Perdoe-me quem me achar ainda suspeito, mas a minha intenção foi e continua a ser simplesmente a de elevar a comunidade portuguesa e de valorizar as nossas raízes.

Continuo, e sem estar preso a horários a disponibilizar os meus serviços como solidariedade humana e crista. O voluntariado dá-me asas para sonhar num mundo mais justo, onde e ser cristão se traduz, antes de mais, numa maior responsabilidade na edificação da sociedade, nos moldes da fé que professo.

Procuro libertar-me do peso dogmático e dum certo espiritualismo passivo, que me possam afastar do bater do coração do homem da rua que é meu próximo. O seu passaporte ou a crença religiosa que possam professar tem pouco ou nenhum peso nas minhas decisões.”

 

www.antonio-justo.eu

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

2 comentários em “Município de Neuss destaca um Português”

  1. Obrigado Antonio Justo por ser justo ao publicar este reconhecimento dessa cidade alemã para com este cidadão português que ja ha muitos anos , pelo seu trabalho e dedicação aos outros, atingiu o estatuto de Homem Universal. O Zé Rodrigues , sempre com um ar despassarado e naïf, não suporta e nunca suportara os excluidos das sociedades ricas e os pobres do dito do terceiro mundo. Andei com ele uma semana na Alemanha e assisti à representação do tal famoso teatro intercultural. A sala a barrotar com gente de todos os cantos do mundo, o Zé conhecia e falava com cada uma das pessoas. Era impressionante o seu contato e a vontade de ajudar a todos. “O Zé porque é que não te candidatas a autarca ?” perguntava-lhe eu a brincar.
    “és parvo Heitor” respondia o Zé. Não sabia uma unica palavra de alemão, mas compreendi todo o teatro,là estavam os excluidos e a luta pelos seus direitos e pela possibilidade de integração na sociedade onde vivem. No dia seguinte levou-me aos escritorios de uma grande personalidade da cidade, para quê ? Queria que eu fosse com ele a pedir uma bomba de tirar àgua das entranhas la para um lugar de Moçambique, onde talvez Deus tinha passado, mas os homens do Poder tinham esquecido essas populações. Qual foi o meu espanto, um mês depois estava a bater à minha porta de Paris para darmos uma saltada às paroquias dos portugueses com o seu Amigo Missionario vindo de Moçambique, para “surriparmos” uns “euritos” para
    as 8000 crianças que frequentam as escolas daquelas terras abandonadas. O meu Amigo Zé é assim, nunca tem vergonha pedir para os mais pobres…Pedir para ele ?
    Livra-me Deus! Tem uma barriga tão grande e jà não precisa. Diz ele a rir.
    Como dois vagabundos ,pelas ruas de Berlim e em Neuss, olhavamos o espectaculo do Mundo e alimentavamos a esperança de um mundo melhor… Andar com o Zé , é viver esta sensação.
    Tenho honra de ser seu Amigo e para mim, são estes os Portugueses de êxito das nossas Comunidades.
    Convivium Lusophone JHeitor

  2. Prezado e ilustre
    João Antonio Rebelo Heitor, editor-livreiro em Paris
    Muito obrigado pelo seu depoimento que também confirma a ideia que tenho do amigo Rodrigues que conheci mais de perto quando participei activamente num colóquio organizado por ele sobre Bilinguismo.
    Um grande abraço para si e muito êxito nas obras que tem em mão.
    Gostaria de um dia poder publicar algo através do senhor!
    Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *