DA PROCLAMAÇÃO DA “REPÚBLICA EUROPEIA” – REFLEXÃO

Países envergonhados dos seus “Feitos de Guerra” como Nação querem impor a Países europeus a Vergonha por serem Estados-Nação

Por António Justo

Grupos de artistas de várias cidades europeias, que vão de Salónica a Dublim e de Helsínquia ao Porto, proclamaram simbolicamente a “República Europeia”, a 10.11.2018 às 16 horas.

Muitos teatros e outras instituições participaram no evento em mais de 150 cidades europeias onde foi lido um manifesto. O projeto inclui eventos, entrevistas, debates e intervenções artísticas; nele se envolvem mais de 100 instituições e organizações.

100 anos após o fim da Primeira Guerra Mundial, no âmbito do “Projecto Europeu Varanda” os artistas pretendem que se transfira „a soberania dos estados-nação para os cidadãos “, quer-se „tomar o nosso futuro em nossas próprias mãos” e que se organize uma Europa das Regiões, mas no sentido de se desestabilizarem as nações, muito embora numa “democracia transnacional”.

Esta é mais uma Peça de Teatro exibida em Teatros europeus – apenas útil para se repensar a Ribalta de Bruxelas

Quem teve a ideia da “República europeia” foi o politólogo e publicista Ulrike Guérot e o escritor Robert Menasse; este escreveu o manifesto! Pretendem, por um lado, “superar o vocabulário centrado na EU e, por outro, obstar às tendências nacionalistas crescentes”. Apostam em um Plano B para a Europa: a República Europeia. Conscientes de que “o nosso continente pode evoluir para um lugar pós-nacional”.

A vertente europeia nórdica (Alemanha), dos “envergonhados” da Nação, pretende continuar a moldar determinantemente a ideologia da Europa e do mundo!

Na Homepage República Europeia, apregoa-se que o bem comum, res publica, serve como princípio orientador de uma futura ordem europeia.

Querem abrir um debate sobre a EU que vá para além do discurso público atual e que ponha em questão e negue a ainda existente “soberania (residual) dos estados-nação”.

Dão a impressão de terem sido danificados pelas grandes guerras, ao partirem da experiência da Alemanha e da Áustria e em vez de assumirem a realidade da sua destruição passaram à ideologização da própria situação (envergonhados da nacionalidade) pensando que o falhanço das suas nações pode ser agora reparado com a luta contra identidades baseadas em Estado-nação.

O pior “nacionalismo” encontra-se no querer (Frankfurter Schule, etc.) levar todos os europeus a pensar que a Europa e a sua cultura são as responsáveis pelo que os países iniciadores das duas guerras mundiais fizeram! Este enredo é usado pela ideologia marxista e aproveitada pelo neoliberalismo para prosseguir a velha luta contra as bases da cultura ocidental, luta esta que assenta no combate a Deus, pátria e família, simbolizados no conceito de nação.

O manifesto tem ideias aproveitáveis, mas, na sua intenção intrínseca, esconde um espírito revolucionário nostálgico a atuar em palco. É mais uma iniciativa que indirectamente serve o burocratismo à la troika (soviética) que, por outro lado, se aproveita de um globalismo sem raízes nem rosto bem como da plutocracia. Mais uma luta pela activação do espírito revolucionário e pela conquista do poder nas instituições da EU, tudo isto, em nome de uma democracia do abstracto (cifrada num regionalismo reduzido a números entre 8 e 15 milhões de cidadãos por grupo (1), certamente a substituir as nações). Além dos interesses que a iniciativa alberga, tem a vantagem de fazer pensar e também o risco de fomentar a moda da “maria vai com as outras”! De facto, “o que está em voga tem um poder extraordinário sobre o pensar das pessoas simples que tudo aceitam sem refletir nas consequências” dizia-me uma ilustre leitora portuguesa que conhece bem a onda que nos leva.

Numa EU em que alguns povos ainda não conseguiram a consciência de nação (problema também de muitos Estados africanos!) quer-se acabar com as nações, com as nações de povos que têm uma certa unidade cultural; da constatação da evidência de a EU não dominar a crise e do facto de uma nação não poder controlar a EU e de Bruxelas ter dificuldade em controlar os Estados-Nação, não pode levar à conclusão que a solução seria a abolição das nações.

Uma identidade de caracter internacional deve assentar num caracter orgânico, reconhecendo que todo o cidadão faz parte de um povo, de uma cultura constituída de identidades individuais, familiares, étnicas, nacionais. Como se pode ser sério ao querer-se, em nome de um cidadão abstracto, querido meramente indivíduo, acabar com os seus factores de identidade familiar, étnica, nacional e religiosa?

É uma utopia, certamente! Mais uma acção PR resultante do impasse em que se encontra a EU do Brexit, dos burocratas, de uma politica de imigração apressada e de um envergonhado nacionalismo! A iniciativa peca, também ela, por se encontrar longe do povo, demasiado concepcional sem uma ideia de representações orgânicas do povo.

O projecto vem, pelo contrário, fomentar radicalmente o burocratismo e as ideologias de que sofre a EU; falta-lhe a capacidade de enquadrar uma Europa de povos-nações e de culturas, além de desconhecerem verdadeiramente a realidade nacional e pré nacional em que se encontra grande parte da humanidade; seria mais óbvio renovar e transformar as instituições da EU no sentido dos seus povos. Criar-se um seguro de desemprego europeu, como quer Olaf Scholz, ministro alemão das finanças seria um bom passo no sentido do cidadão-povo; também a criação na EU de um orçamento separado e um ministro das finanças da UE sob o controlo parlamentar, como propõe Macron, poderiam constituir medidas que desviariam muitos ventos que sopram contra as velas da EU.

Defender a utopia de se terem cidadãos sem estruturas fortes (neste caso sem o Estado-nação) parece encontrar-se na linha directa de uma agenda global turbo-capitalista e antiocidental na sequência de uma filosofia neoliberal totalizante, na linha de um pós-modernismo que quer acabar com a História, com a cultura e com o Homem, dela surgido.  A filosofia inerente ao grupo alinha-se na estratégia da agenda globalizadora a que assiste um certo radicalismo anti-cultura, como se observa em muitos grupos Gender.

Ao ler o Manifesto, gostei do seu realismo ao colocarem as suas exigências na categoria de utopia! Também gostei de um certo interesse pelo cidadão, mas pecam por querem um cidadão que não cheire a povo e que seja só embrulhado pelas fraldas de ideologias.

Com o argumento do desenvolvimento, fomenta-se o tribalismo e, de maneira ingénua, adopata-se, indirectamente, um socialismo árabe, como se o regresso à Idade Média e o aproveitamento da propaganda feito por alguns contra os Estados-nações fosse a solução e o suficiente para ignorar a realidade mundial das nações. A ideologia do internacionalismo socialista foi agregada ao globalismo do capitalismo liberalista e à materialização cultural. Isto complica, cada vez mais, um discurso livre e desempenado!

Até a ONU corresponde à realidade das nações, embora a sua agenda subtérrea seja superar-se a elas e deste modo facilitar mais o dirigismo que interessa ao turbo-capitalismo e ao marxismo radical cultural.

Sou pelo regionalismo e pelos biótopos culturais e deste modo pela democratização da governação e da economia; querer acabar com os biótopos Estados nações é um serviço em prol de oligarquias económicas e ideológicas que prescindem do Homem para o tornar máquina num sistema tecnológico em que uns poucos de técnicos, com seus programas e configurações, regulam o funcionamento do povo à margem do cidadão.

Os criadores do “European Balcony Project” têm muita razão quando advogam que o populismo não destrói a UE, mas a UE produz populismo, mas perdem a razão ao quererem combater o vício do nacionalismo com uma agenda anti-cultura ocidental. Não só os nacionalistas prejudicam o estado de direito, mas também o fazem muitos ativistas nas suas cruzadas contra Deus, a pátria e a família.

© António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

  • ) O Manifesto visa agora identificar as cidades e regiões em grupos administrativos de 8 a 15 milhões de habitantes e tornar os seus representantes numa instituição para substituir o Conselho Europeu, e assim destruir o poder nacional. Querer-se obstar-se ao nacionalismo mediante a criação de uma organização meramente burocrática é desrespeitar os diferentes factores de identidade e querer formatizar a sociedade no sentido da agenda do turbo-capitalismo e da ideologia radical marxista. Naturalmente que o desalfandegamento dos produtos africanos deve tornar-se prioridade na EU. Tudo isto não deixará de ser música atordoadora bem-sonante enquanto a oligarquia e os movimentos “revolucionários” mais activos continuarem a desproteger a própria cultura.

Social:

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Cultura, Economia, Migração, Política, Religião, sociedade. ligação permanente.

5 respostas a DA PROCLAMAÇÃO DA “REPÚBLICA EUROPEIA” – REFLEXÃO

  1. Francisco H. Da Silva diz:

    Estou inteiramente de acordo consigo meu caro António Cunha Duarte Justo. Somos provavelmente o Estado-nação mais antigo da Europa (assim o dizem alguns reputados historiadores) e temos consciência disso. Não podemos entrar em zonas cinzentas e embarcarmos em equívocos e situações ambíguas. A nação portuguesa existe há quase 9 séculos. Se muitos povos da UE não tem a mesma consciência de nação, de cultura comum, de língua própria, de história colectiva comunitária, de identidade definida e destino comum são questões que me (nos) ultrapassam e que esses povos terão de resolver e se não sabem fazê-lo que se fundam numa outra entidade abstracta, artiicial ou o que quer que seja. Nós sabemos muito bem o que somos e para onde vamos. Não podemos ir em modismos e, pior do que isso, cairmos no relativismo e nos ensinamentos da nefasta Escola de Frankfurt e de António Gramsci. O marxismo cultural tem ser combatido e temos de estar na linha da frente. A cultura ocidental assenta nos diferentes contributos ofertados pelas nações que a integram.
    Francisco H. Da Silva

  2. Exactamente, prezado embaixador! O problema é que os multiplicadores da campanha anticultura ocidental são pessoas que apostam no marxismo e no socialismo árabe e têm os seus lobies em Bruxelas e até nalguns departamentos da ONU! Os mesmos que saudaram os invasores franceses aquando da invasão de Portugal são aqueles que na continuação de uma tradição depois tornada republicana torta hoje se proclamam como os defensores do progresso!

  3. Bento Caeiro diz:

    Por uma forma ou outra, são movimentos que apenas visam um fim, a globalização e os fim das nações – Projecto muito a gosto dos plutocratas globalistas que não gostam nem querem soberanias a estorvar as suas movimentações e planos. Mesmo não o enunciando, até poderá ser gente bem intencionada, acabam por se tornar em idiotas-úteis.
    Bento Caeiro
    FB

  4. Miguel Da Cunha Teixeira diz:

    Portugal não tem de fazer o que a ONU quer e manda. A ONU quer destruir as Pátrias, a nossa Pátria, a nossa terra e NÓS vamos fazer-lhe a vontade?! NUNCA!
    O MRP não quer um ou dois deputados, quer a maioria. Se eu trabalho a pensar em Portugal, trabalhai e fazei chegar a todo o lado a urgência de uma maioria. A cousa é demasiado séria para brincadeiras, Portugueses! Passai a palavra : Movimento Reformador Português.
    É seguir a Bandeira! É seguir o futuro! É seguir a pombinha! POR PORTUGAL
    Miguel Da Cunha Teixeira
    FB

  5. A UE e a política em geral, especialmente a de esquerda, sentem-se obrigados ao socialismo árabe. Em Portugal já reduziram o ensino sobre Camões por ser, no seu entender, demasiado patriota!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *