PORTUGUÊS DE MUNIQUE É O ROSTO DA SEGURANÇA – AMOK EM MUNIQUE – 1° ATENTADO ISLAMISTA EM ASNBACH

Por António Justo

 

O exemplo de um português a fazer carreira no Público alemão

Marcus da Glória Martins, luso-germano, porta-voz da polícia de Munique, foi considerado nos Media alemães, o rosto da segurança e da serenidade, na sexta-feira (22.07.16), dia em que o alvoroço se espalhava nas ruas de Munique e a insegurança se ia alastrando nas almas de uma Alemanha amedrontada pelo atentado (amok).

Enquanto o medo da morte corria pelas estradas de Munique e o caos se empilhava na estação do comboio, por toda a parte se via a polícia, sem pânico, empenhada na defesa do cidadão.

Neste cenário viu-se o rosto sereno e ouviu-se, a voz calma e suave do luso-descendente nas TVs a transmitir um sentimento de segurança.

O porta-voz Martins, pacato, concreto e soberano, respondia aos repórteres apontando só para os factos, objectando contra certos boatos rápidos que se espalhavam como o vento através do Facebook, Twitters  e dos Media interessados na informação apressada. Apesar de tudo, o luso-alemão, espontâneo e eloquente, não fugia às perguntas dos jornalistas, num momento difícil: o medo de que tudo poderia acontecer.

No Facebook, Marcus Martins, com a virtude da humildade e a consciência comunitária que fizeram  Portugal grande, respondeu com simplicidade, à chuva de louvores que recebia: ”Não se trata da minha pessoa. Sim, é verdade que fui o rosto. Mas o desempenho não me cabe a mim “.

O lusodescendente tem dois filhos e trabalha desde há 23 anos na polícia. Escolheu a profissão motivado pelo dinheiro mas depressa começou a ter alegria na profissão que exerce. Foi louvado também em todo o mundo pelo seu twitar durante o atentado no centro comercial Olimpia de Munique e no McDonald’s ao lado.

Glória Martins, pode ser um estímulo para muitos portugueses fazerem carreira na administração alemã e nos partidos políticos alemães!

 

O Amok de Munique

O massacre (Amok = “matar com fúria cega”, com acessos de loucura) foi preparado e executado por um germano-iraniano de 18 anos que matou 8 jovens, uma senhora e se suicidou, por fim. Executou o seu plano nas pegadas de Breivik que, cinco anos antes a 22 de julho, tinha feito 76 mortos na Noruega.

Filhos da loucura, alimentados por doutrinas loucas, matam inocentes semeando a dor nos corações de imensa gente.

Os assassinos (Amok) são pessoas que, geralmente, sofrem da falta de reconhecimento familiar e social. Ruminam a existência em torno da pergunta “Quem sou? Quem precisa de mim”. Muitos jovens não encontram resposta a estas perguntas e ao passarem por situações de estresse e de atitudes injustas, devido ao seu estado inseguro e depressivo, reagem à humilhação com a vingança. Em psicologia também uma criança que se tenha sentido o ídolo da família mas não tenha aprendido a tratar com as dificuldades também pode chegar ao suicídio.

A criminóloga Britta Bannenberg é de opinião que “os criminosos (amok) ampliam a sua auto-imagem narcisista e desvalorizam os seus semelhantes”.

Nota-se nas redes sociais e nos Media muita gente perdida à procura da culpa esquecendo que ela se encontra também debaixo da pele de cada um. A satisfação da culpa encontrada comunga muitas vezes da mesma agressão escondida, embora educada. A culpa é a dívida do remorso que aumenta a impaciência e com ela a infracção.

 

Em Ansbach  o 1° atentado suicida islâmico na Alemanha?

À beira do festival de Verão em Ansbach, na Baviera, no Domingo (24.07) deu-se a primeira tentativa de atentado suicida islâmico na Alemanha. Desta vez o criminoso é um refugiado sírio de 27 anos que vivia há dois anos na Alemanha. Não pôde entrar no areal do concerto com a sua mochila, por não ter bilhete de entrada, o que poupou a vida a muita gente. O terrorista activou o explosivos matando-se a si e ferindo 15 pessoas, três delas em estado grave.

No dizer do ministro do interior da Baviera o suicida anunciou o atentado num vídeo em nome de Alá e “Não há dúvida que se trata de um ataque terrorista de fundo islâmico e de convicção islâmica do criminoso” ; este tinha contacto com os salafistas.

O ministro do interior mostrou-se muito preocupado porque estas e outras podem levar as massas a colocar refugiados no rol de suspeita generalizada. A população cada vez tem mais medo de a política importar os problemas do Médio Oriente. A frustração contra o “estabelecimento” político cresce.

Um atentado na Alemanha tem mais consequências do que noutro país porque os partidos têm bastante “respeito” ao povo – sabem que do seu comportamento depende os votos nas eleições!

A Alemanha vive no problema entre as garantias constitucionais, leis vigentes e as exigências de um povo amedrontado que em grande parte vê a cultura de boas-vindas fracassada. Por isso cada vez se exige mais emprego de pessoal pelas instituições do Estado e um reexame de muitos casos de exilados. Os esforços da Alemanha neste sentido já se encontram desgastados, dado na Alemanha também haver muitos alemães a viver na pobreza e estes comparam-se muitas vezes com os refugiados! Não chega ter um Estado rico, é preciso ter um povo pelo menos remediado!

Este é o terceiro atentado na Alemanha numa semana; o primeiro foi em Würzburg onde um refugiado de 17 anos do Afeganistão feriu, num comboio, cinco pessoas com um machado; ele queria “matar os incrédulos „. Segundo o MMerkur.de, inquéritos mostram que, da população muçulmana jovem na Alemanha , um em cada cinco defende a aplicação  da violência na imposição do Islão.

As flores colocadas em homenagem às vítimas murcharão como as culpas atribuídas a isto ou àquilo até que surjam novas flores a testemunhar o odor da vida.

A sociedade assistirá cada vez mais a horas da violência, do medo e das lágrimas. Horas destas são gritos à vida, à misericórdia e ao amor

 

António da Cunha Duarte Justo

 

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Cultura, Migração, Política, Religião. ligação permanente.

Uma resposta a PORTUGUÊS DE MUNIQUE É O ROSTO DA SEGURANÇA – AMOK EM MUNIQUE – 1° ATENTADO ISLAMISTA EM ASNBACH

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *