REVOLUÇÃO DO 25 DE ABRIL: UMA HISTÓRIA MAL CONTADA


O Povo Português não gera Revoluções

António Justo

As revoluções portuguesas são comoa ponte de Lisboa. Antes do golpe de estado chamava-se “Ponte Salazar” depois passou a chamar-se“Ponte 25 de Abril”. Apenas mudam a fachada e a lata. O povo, tal como o rio Tejo, cansado de inúmeras voltas e de tantos despejos, sempre pacífico e adaptado, tem permanecido igual a si mesmo, ao longo da História: vagaroso mas internacional(1).


De época para época, alguns insatisfeitos do sistema, os filhos dos senhores do regime, provocam um golpe de estado, apoderam-se dele e mudam-lhe o nome. Povo e golpistas conhecem-se de ginjeira: aquilo a que dão o nome de revoluções, pouco mais se trata do que da troca de nomes, dum acerto de contas e de acomodação à história dos vizinhos; o mérito do acontecimento está em dar ocasião à necessidade do povo festejar e aplaudir ou, quando muito, resolver alguns deveres de casa esquecidos. Os actores sabem que a injustiça não é boa mas a justiça seria incómoda. Optam então pela vida dos dos “brandos costumes” sem a preocupação de fazer justiça.


Arranjam um nome monstro para justificarem as suas acções e branquearem as suas intenções. No caso do 25 de Abril, um grupo de cretinos (2) aplicou ao regime autoritário de Salazar o nome explosivo de fascismo, metendo-o (internacionalizando-o) assim no mesmo rol de Franco, Mussolini, Hitler e Pinochet. Então, a nação inteira passou a dar-se conta do monstro e resolveu dar caça ao fantasma. Este vai recebendo cada vez mais atributos até que passa de lobo a Minotauro. A partir deste momento o povo perde a ideia passando a viver do medo do labirinto. Entretanto vão surgindo alguns lobitos e o povo vai distraindo o medo no “Jogo ao Lobo”!


O país da Europa com as maiores desigualdades sociais entretém-se em argumentações opiniosas deixando as coisas importantes para os nomes engordados em nome das classes desfavorecidas. Já habituado à humilhação e à atitude governativa arrogante e distante, o povo servil, filho da “revolução da liberdade” até aceita a censura em nome da democracia. O estado português já há séculos não tem povo, chega-lhe a população. A população já há séculos que abdicou de o pretender ser, contentando-se em viver na sombra da Face Oculta do Estado. Deixou o palco da nação aos dançarinos do poder!


O 25 de Abril passou – A Revolução está por fazer

Golpistas abusam do Nome Revolução

Com o golpe de estado de Abril, o regime autoritário é acabado no meio da guerra colonial. O povo português, o que quer é esquecer a guerra e os políticos o que querem é a confusão para se poderem organizar e não terem de assumir responsabilidade pela traição dos interesses da nação, dos retornados e do povo nativo. Segundo o reconhecido historiador José Saraiva, o abandono das províncias ultramarinas constituiu “a página mais negra da História de Portugal”. Disto não se fala; reduz-se a história a folclore e a governação ao jogo do rato e do gato…


O 25 de Abril assenta em pés de barro. Fez um golpe de Estado e deu-lhe o nome de revolução. Os seus actores não pensavam em revolução. Foram surpreendidos pelos acontecimentos que eles próprios provocaram e alguns, entre eles, (especialmente Otelo S. de Carvalho) serviram-se do comunismo/socialismo para legitimarem e darem uma projecção histórica ao movimento dos oficiais descontentes. O 25 de Abril foi um golpe de Estado que surgiu de motivos pessoais e antipatrióticos de alguns, mas nunca uma revolução. O novo regime começou mal e com actos inglórios tal como acontecera na implantação da república. Mas disto não deve rezar a História, o povo precisa de festa e os governantes de distarcção. Não importa viver, interessa é ir-se vivendo!


O programa MFA (Movimento das Forças Armadas) pretendia Democracia, Descolonização e Desenvolvimento. Os primeiros dois anos foram uma confusão maluca. Tudo era facho e qualquer jovem adolescente se armava em guarda de comícios, por vezes até de metralhadora na mão. Recordo que quem tinha um emprego bom, ou uma casa digna, logo era apelidado de “facho”, pelo povo gozador, num misto de atmosfera de inveja e admiração. Depois com a nova constituição tudo ficou camarada e irmão: camarada de facho na mão!


Os partidos, sem mérito, passam a viver do prazer de terem organizado as suas fileiras. Desfavorecem a politização do povo para fomentarem o partidarismo e um discurso público dirigido à conservação do poder.


Entretanto, o povo sente-se humilhado e deprimido; o seu sentimento de identidade definha, sendo compensado apenas no sentimento duma grandeza promissora dos irmãos da lusofonia e da madrasta União Europeia. O sentimento de identidade nacional baseado no cristianismo, na cultura nacional e na ideia das grandezas dos descobrimentos não agradam às novas elites internacionalistas. A má experiência do povo com a própria elite, sem sentimento de nação nem de povo, leva-o a sentir-se apenas como inquilino anónimo de alguns senhores da praça pública, dos canonizados da democracia. Sente-se filho de pai incógnito!


Portugal continua preso numa mentalidade de arrendatário de ideologias e senhorios mercenários que o povo tem de acatar para ir vivendo! Portugal, apesar de golpes de estado e de pseudo-revoluções, continua a sofrer na pele a experiência de outrora: a experiência dos ingleses senhores das quintas do vinho do porto que viviam na Inglaterra e tinham em Portugal os seus feitores portugueses a cuidar dos seus interesses. O Estado português tornou-se numa feitoria de alguns mercenários. Daqui vem a sabedoria portuguesa que, muitas vezes, diz: “ isto é para inglês ver”.


As nossas elites intelectuais não são em nada inferiores às europeias. O problema está no seu individualismo e na sua falta de consciência de povo, e de espírito colectivo! As elites políticas vivem do nome, interessando-se, a nível de país, apenas por terem Lisboa, como sala de visitas de Portugal onde elas podem receber vaidosamente os amigos. Colaboram com um internacionalismo interessado em destruir as nações para depois poderem surgir como salvadores e implantar um governo mundial de burocratas e tecnocratas contra os biótopos nacionais.

.

O povo, antigamente, sofria sob a bandeira do trono e do altar; hoje sofre sob a lama das massas a toque de caixa partidária que segue o ritmo das multinacionais.


A grande diferença: Hoje o povo não se pode queixar, porque os seus opressores vêm do seu meio e parte deles são eleitos democraticamente.



Já Ovídeo escrevia nas Metamorfoses: “O destino conduz os de boa vontade e arrasta os de má vontade”. Com a celebração do 35° aniversário do golpe, já seria tempo de Portugal ir à cata dos de boa vontade!…


O aniversário do golpe de estado poderá deixar de ser um pretexto para se tornar numa oportunidade. Urge descobrir a nação e ter a vontade de se assumir como povo. O grande povo e a nação valente que “deu novos mundos ao mundo” tem-se manifestado incapaz de se descobrir a si.


Um Estado é como uma planta. Se adoece, os parasitas cobrem-na facilmente. O país tem-se modernizado; não tem inimigos nem ódios mas encontra-se apático e doente. Depois do golpe de Estado, o fanatismo republicano e o oportunismo continua a tradição da “apagada e vil tristeza” dum conservadorismo míope e dum progressismo cego! Os cães de guarda do Estado contentam-se em morder e em ladrar alto e o rebanho atemorizado lá se vai movendo no respeito à própria lã que vê nos dentes deles!


Acabe-se com o louvor do golpe e dos golpistas. Não notaram ainda que a revolução se encontra, desde há séculos, por fazer! Para nos levarmos a sério teremos de descobrir primeiro o povo e a nação. Então seremos capazes de enfrentar as desgraças históricas, sejam elas progressistas ou conservadoras. Há que aceitá-las, para nos podermos mudar e assim mudar o rumo português para o bem-estar de todos, nacionais e estrangeiros. Para isso precisam-se mulheres e homens adultos! “O povo unido jamais será vencido”, cantam as sereias, na certeza de que ele se embala na música e não se descubre como povo! Não vale a pena o queixume. Quem se queixa é pobre ou não pode! Trata-se de mudar mudando-se! A nação precisa de todos.


António da Cunha Duarte Justo


(1) Salvaguardem-se as diferenças regionais da população. Esta é muito diferenciada e rica, tal como os seus rios e a sua paisagem!

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Arte, Educação, Escola, Política, Religião. ligação permanente.

7 respostas a REVOLUÇÃO DO 25 DE ABRIL: UMA HISTÓRIA MAL CONTADA

  1. Margarida diz:

    António da Cunha Duarte Justo,

    Parece-me que a sua tese é radical de mais e redutora, mas os resultados, ao fim de 36 anos, não são bons. O povo(não tem povo?) tem um baixo conceito de cidadania e por isso reage pouco.Cala.

    Margarida
    in Diálogos Lusófonos

  2. Anónimo diz:

    REVOLUÇÃO DO 25 DE ABRIL: UMA HISTÓRIA MAL CONTADA

    A revolução de Abril existiu
    Foi através dela que se instituiu a democracia representativa , e quer se queira quer não ela ainda cá está.
    Pois, há muita coisa mausinha… mas não confundamos. Não é a mesma coisa que ditadura.
    Também, que eu saiba, acabou a turtura; e a censura existe, mas há mais meios de a contornar. A liberdade de imprensa existe. Naturalmente, há tentativas para a controlar. Mas até a onda de críticas que se gera à volta dessas tentativas é salutar. E, vamos lá, a Manuela Moura Guedes não está presa.

    Portanto , quem lutou pela instituição de uma democracia representativa venceu. Parece-me que isto é insto é insufismável.

    Chega? não chega. Falta desenvolver o outro sustentáculo da democracia, a Democracia Participativa. Que implica uma revolução muito mais profunda, estrutural, cultural.
    in Diálogos Lusófonos

  3. REVOLUÇÃO DO 25 DE ABRIL: UMA HISTÓRIA MAL CONTADA
    Não se trata de radicalismos nem de comodismos, trata-se apenas duma perspectiva entre muitas outras que até eu mesmo poderia escrever e assinar e não de um dogma. Trata-se de pensar. Para isso é preciso ler em todos os livros para se permanecer no livro aberto da vida que é aperspectivo! Não se nega o valor que o desenvolvimento traz nem os valores da democracia. Quanto a dar o nome de revoluç1bo ou de golpe de estado ao 25 de Abril é uma questão em aberto e a nível dos peritos e de elementos do próprio MFA.
    Atenciosamente
    António justo
    in Diálogos Lusófonos

  4. Anónimo diz:

    Como todas as revoluções, esta também teve os seus defeitos.

    Mas no essencial valeu a pena. Deixamos de ser um país colonialista e viramo-nos mais para o nosso canto a Europa. Portugal saíu da ecuridão de 48 anos de atrazo, miséria e semo escravidão. Portugal desenvolveu-se. Hoje é respeitado em todo o mundo. Somos uma democracia bem implantada, apesar da minoria dos saudosistas que por aqui se escondem, sem voz, dizerem o contrário,

    Viva a democracia, Viva a républica viva o 25 de abril, que acabou com a ditadura.
    2010-04-22 R
    In PortugalClub

  5. Berta Brás diz:

    Excelente análise que, como todas, por muito isentas que pretendam ser, encontram uma massa multiforme como destinatário, não causando nunca o efeito que o bom-senso e a ponderação pediriam. Há, entre os destinatários, quem se agarre aos mitos que muitas vezes a inveja, a mesquinhez ajudaram a criar, há quem viva na indiferença de uma vida sem ideais nem ideias, há os que desistem, há os que se vão mantendo numa dignidade sem ilusões…

    E há os irresponsáveis, e há os espertalhões, os tais parasitas, os adaptados a todas as situações, os que se sabem insinuar… E os do fado triste, e aqueles que julgam que são eles que mais ordenam, porque houve quem lhes dissesse isso. A cantar. Berta Brás
    2010-04-22
    In PortugalClub

  6. Prezada Berta Brás,
    Alegar-me muito o seu comentário. Deveras profundo!
    A diversidade dos destinatários complica tudo!E no mundo inflaccionário de desiformação à caça de opiniões sem fundamento tudo se complica. Importante é fazermos o que fazemos com boa vontade e boa intenção para pessoas de boa vontade!
    Tenho lido alguns artigos seus com muito interesse. Por eles vejo que não se encontra atada ao padrão de pensamento medíocre que uma sociedade pretensamente democrata e progressista tenta fazer crer.
    Importante é servir o povo e o bem!
    Atenciosamente
    António da Cunha Duarte Justo

  7. Berta Brás diz:

    António Justo
    Só hoje li o seu comentário, desinformada como estou a respeito destas navegações… aéreas. Agradeço-lhe as palavras, vejo pela foto que é jovem ainda, e o meu sonho é que muitos mais jovens pensassem com tanto bom senso como o seu. E que se informassem bem, antes de propalar as cantilenas dos interessados na desconstrução, que só aparentemente lhes vai aproveitando, embarcados que estamos todos no barco do desastre, que chocou contra a “nau sofreguidão”, que o Padre Vieira apelidou de “Cobiça”… Oxalá as suas palavras sejam frutuosas, nesta pobre Nação que deixamos aos jovens. Rota.
    Um abraço. Berta Brás

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *