“CAMINHO SINODAL” ALEMÃO FORA DO CAMINHO?

Os Críticos do Caminho Alemão mobilizaram o Papa

A declaração do Vaticano, de 21 de julho, avisa que a Igreja na Alemanha não pode adoptar novas formas de governo ou mudar a doutrina e a moral, porque isso constituiria uma ameaça à unidade da Igreja.

O Caminho Alemão, lançado em 2019, procura reformas da Igreja Católica no uso do poder, na moral sexual, na posição das mulheres e no celibato obrigatório para os padres, quer a bênção dos casais homossexuais, o diaconado para as mulheres e quer também ter uma palavra a dizer na nomeação dos bispos.

O Papa já tinha dito que na Alemanha já temos uma Igreja Protestante, “não precisamos de duas”. O Vaticano não quer ver reservado um caminho especial para os alemães; estes devem contribuir com as suas próprias ideias. Os alemães estão demasiadamente preocupados com as estruturas e não o suficiente com a proclamação activa da fé. A crise da Igreja é uma crise de fé e não apenas uma crise de credibilidade.

O documento condiciona mudanças só a partir de uma aceitação da igreja universal (Sínodo da sinodalidade): “Não seria admissível introduzir novas estruturas ou doutrinas oficiais nas dioceses antes de ter sido alcançado um acordo a nível da Igreja universal” …. Este parágrafo apesar da sua intenção conciliadora causará bastante discussão atendendo à qualidade da Igreja como Depósito da Fé ((Dei Verbum 7 e não submetida a acordos) e por outro lado corresponde aos artigos 91 e 92 do Catecismo da Igreja Católica (baseada no sacerdócio comum do povo de Deus).

Segue a tradução da Declaração da Santa Sé:

“A fim de salvaguardar a liberdade do Povo de Deus e o exercício do ministério episcopal, parece ser necessário esclarecer: A “Via Sinodal” na Alemanha não tem autoridade para obrigar os bispos e os fiéis a adoptar novas formas de governo e novas orientações de doutrina e moral.

Não seria admissível introduzir novas estruturas ou doutrinas oficiais nas dioceses antes de ter sido alcançado um acordo a nível da Igreja universal, o que constituiria uma violação da comunhão eclesial e uma ameaça à unidade da Igreja. Neste sentido, o Santo Padre recordou na sua carta ao povo peregrino de Deus na Alemanha: “A Igreja universal vive nas e das Igrejas particulares, tal como as Igrejas particulares vivem e florescem na e da Igreja universal; se fossem separadas da Igreja universal, enfraqueceriam, pereceriam e morreriam. Daí a necessidade de manter sempre viva e eficaz a comunhão com todo o corpo da Igreja”[1]. Portanto, espera-se que as propostas do Caminho das Igrejas Particulares na Alemanha fluam para o caminho sinodal a ser seguido pela Igreja universal, para enriquecimento mútuo e um testemunho dessa unidade com que o corpo da Igreja manifesta a sua fidelidade a Cristo Senhor.” Texto original em nota (1)

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo, https://antonio-justo.eu/?p=7732

(1) Texto original: https://press-vatican-va.translate.goog/content/salastampa/it/bollettino/pubblico/2022/07/21/0550/01133.html?_x_tr_sl=de&_x_tr_tl=es&_x_tr_hl=es&_x_tr_pto=wapp

A respeito do tema:

Caminho sinodal alemão um desfio: https://www.gentedeopiniao.com.br/opiniao/caminho-sinodal-na-alemanha-um-desafio-a-outras-vias-sinodais-energia-nuclear-guerra-fria

As cinco tentações do Caminho sinodal alemão: https://antonio-justo.eu/?p=7135

Matriz política masculina: https://bomdia.be/matriz-politica-masculina-nao-pode-ser-norma-para-a-instituicao-eclesial/

Nem sacerdotes casados nem diaconisas: https://bomdia.eu/nem-sacerdotes-casados-nem-diaconisas/

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

7 comentários em ““CAMINHO SINODAL” ALEMÃO FORA DO CAMINHO?”

  1. Honestamente, a igreja de momento não está preparada para avançar tanto, pois, a intolerância sob a capa de uma suposta “moralidade cristã” é um desafio mais premente a ser combatido e depois existe sempre o pormenor da fé, ela não é igual em todo e qualquer homem e para que fosse exigiria uma profunda conciliação empática apesar das diferenças.

  2. Nelson Luis Carvalho Fernandes , exactamente. Num momento em que as oligarquias internacionais se debatem pelo poder torna-se difícil também para a Igreja alinhar-se ou deixar de se alinhar de um sistema político-social em crise devido à luta de oligarquias que tendem a enfraquecer os sistemas democráticos!

  3. Por isso é que acho que de momento o principal papel ou digamos “função” é o “combate” desse enfraquecimento democrático, que se vê pela proliferação de discursos de ódio e intolerância que se propagam, na suposta cobertura (do vale tudo) da “liberdade de expressão”.

  4. Acho que nessa questão, está muito daquilo que vulgarmente chama-se de fazer “pactos com o diabo”, partindo da suposição que o podemos controlar. Ai a machadada é na haste. Se a machadada for no tronco será mais radical, mas teremos de ter o cuidado de não sermos e não cairmos na radicalidade que pretendemos combater e nesse caso tem de se afirma e defender que na democracia de facto, não vale tudo.

  5. Foi muiot feliz e sábia a conclusão do Papa dizer que na Alemanha já há uma Igreja Protestante, não precisamos de duas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *