INCIDENTE DIPLOMÁTICO ENTRE OS USA E O RU

O Embaixador do Reino Unido nos USA demitiu-se por ter apelidado Trump de “Incapaz” e Trump o ter cognominado de “Idiota Inchado”

António Justo

Em tempos em que os interesses são cada vez mais diversificados e concorrentes entre si e em que a informação se encontra cada vez mais democratizada, o embaixador Kim Darroch, cometeu um grande erro diplomático ao escrever tal coisa. Declarar, como revela o jornal Mail on Sunday, que o presidente dos USA é um “incapaz” e que irradia insegurança e age de forma desajeitada, teria que ter como lógica consequência demitir-se. O embaixador, como inteligente diplomata, deveria não só ter em conta a possível situação nos USA, mas também o caos político no Reino Unido. Trump, que não tem papas na língua nem medo do público reagiu atribuindo ao embaixador as “insígnias” de “tipo estúpido” e “idiota inchado”, tendo como fim do teatro a auto-demissão do diplomata.

Ao que chegam as boas maneiras e a cortesia nas nossas cortes! Vai-se tendo a impressão que a ordinarice é cada vez mais geral e como tal mais democratizada!!!

Um embaixador tem o compromisso de informar o seu governo , por vias do sigilo diplomático, sobre a realidade do país onde se encontra e sobre as inter-relações internacionais dentro dele.

O país que o envia precisa de informações acreditadas pelo embaixador (uma espécie de espionagem diplomática legal) mas estas informações não são públicas nem para publicar, pelo que o embaixador podia partir do princípio do segredo da sua opinião/informação. No caso, o governo britânico foi infiel com o seu embaixador, ao ter havido a possibilidade de uma opinião secreta se tornar pública. Certamente que o governo também o poderia fazer por razões de Estado, o que não acredito atendendo à parceria dos USA e UK. A publicação da opinião foi feita certamente por pessoas dentro do sistema que queriam provocar celeuma.
Por isso o embaixador, ao demitir-se, para evitar maiores danos, fê-lo certamente por hombridade e por consciência do dever para com o seu Estado. O seu governo é que demonstra falhas e oportunismos que se servem de documentos secretos para fazerem o seu negócio. O embaixador não publicou a sua opinião. Um tal embaixador merece o respeito de todos!

Mas permanece o aviso da sabedoria popular: “Quem fala o que quer, ouve o que não quer”…

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

 

 

Pegadas do Tempo

Social:

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

17 comentários em “INCIDENTE DIPLOMÁTICO ENTRE OS USA E O RU”

  1. Opinião anonima – o diplomata foi cinsero,apenas cinsero e isso,diante da hipocrisia que reina,ainda é uma qualidade.O resto são protocolos que as sociedades criaram para viver seus status.
    Gabriel Cipriano
    FB

  2. A sinceridade do embaixador não está aqui em questão, o que está aqui em questão é a confidencialidade diplomática. De resto, um tal contratempo diplomático até ajuda o cidadão a imaginar o que se passa por trás dos bastidores!

  3. Discordo, Justo.A única razão pela qual o embaixador se calaria, seria o medo e,como se vê ele manteve a sua
    posição.
    Rosa De Castro Barros
    FB

  4. Não, Rosa! Aqui trata-se de uma personalidade pública com opinião oficial e não apenas de uma opinião privada qualquer! Não comento que o que fez foi bom ou mau. O que quis apresentar foi um embaixador ser vítima de uma opinião transmitida ao seu governo e que este que tinha o dever de lhe garantir a liberdade de expressão mediante o sigilo o atraiçoou. O problema situa-se no âmbito da sua opinião ter sido publicada e de quem está por trás disso. Essa é a questão!

  5. Esse malabarismo, no fundo só incentiva a moral dupla que impede o triunfo da verdade.No momento em que o disse, acabou o sigilo.
    Rosa De Castro Barros

  6. Um embaixador tem o compromisso de informar o seu governo , por vias do sigilo diplomático, sobre a realidade do país onde se encontra e sobre as inter-relações internacionais dentro dele.
    O país que o envia precisa de informações acreditadas pelo embaixador (uma espécie de espionagem diplomática legal) mas estas informações não são públicas nem para publicar, pelo que o embaixador podia partir do princípio do segredo da sua opinião/informação. No caso, o governo britânico foi infiel com o seu embaixador, ao ter havido a possibilidade de uma opinião secreta se tornar pública. Certamente que o governo também o poderia fazer por razões de Estado, o que não acredito atendendo à parceria dos USA e UK. A publicação da opinião foi feita certamente por pessoas dentro do sistema que queriam provocar celeuma.
    Por isso o embaixador, ao demitir-se, para evitar maiores danos, fê-lo certamente por hombridade e por consciência do dever para com o seu Estado. O seu governo é que demonstra falhas e oportunismos que se servem de documentos secretos para fazerem o seu negócio. O embaixador não publicou a sua opinião. Um tal embaixador merece o respeito de todos!

  7. A grande mídia, no reino unido está em guerra com o mundo ocidental. A grande midia no Reino Unido e na América são anti trump e anti cristãos e tudo fazem denegrir a imagem de trump.
    Pedro Martinho

  8. Concordo em absoluto com António Justo.
    Trump respondeu com a mesma moeda, e bem.
    Domingos Barradas
    FB

  9. Mal iria a Democracia se nao se pudesse dizer as Verdades e o Ingles a meu ver tem toda a razao, porque o Americano é um Detonador prestes a fazer explodir a aparente acalmia que ainda vai reinando à excepcao dos habituais conflitos que subsistem !
    Jose Dos Santos Silva
    FB

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *