O PROCESSO DE DIVÓRCIO DA GRÃ-BRETANHA COM A UNIÃO EUROPEIA DURARÁ PELO MENOS 2 ANOS

Cameron semeou Democracia e agora colhe os seus Frutos

Por António Justo

“Castigue-se o desertor”, gritam os europeístas! “Parabéns ao desertor” gritam os nacionalistas!

A União Europeia e a Grã-Bretanha recebem agora a factura da arrogância da sua classe política. Cameron semeou democracia e agora ela ondula pela Europa à maneira das searas em dias de ventania. Os adeptos do politicamente correcto procuram, com a sua música acompanhante, desviar a bola para canto difamando a voz do povo como sendo desafinação de populistas.

Bruxelas avisou Londres para apresentar já a declaração de saída e assim não “tomar todo o continente como refém”, e assim não prejudicar ainda mais a UE e não contagiar outros membros que já flertam com a ideia da saída. A negociação do acordo encontra-se sujeita a vários entraves pelo facto do Brexit ter de ser ratificado pelas Câmaras britânicas. O requerimento de aplicação do artigo 50 da EU que dará início ao processo de saída, se não acontecer algum improviso até lá, será certamente iniciado em Novembro-Dezembro, a não ser que os interesses dos conservadores europeus sejam vencidos pelos interesses da esquerda.

Cameron para defender os interesses do partido conservador e os interesses económicos da Grã-Bretanha pretende só abandonar o governo em Outubro. Pretende assim que o processo de divórcio só seja solicitado depois de haver novo chefe de governo. O processo de divórcio durará 2 anos como prevê o artigo 50, a não ser que algum país não esteja de acordo e então o prazo seria prolongado, como opinam os especialistas. Ângela Merkel já deu sinal de compreender a intenção de Cameron em querer adiar o início do processo de divórcio; políticos de outros partidos alemães não acham oportuna a posição de Merkel. Os britânicos, encontrem-se em que posição se encontrarem, conseguirão sempre condições especiais para o seu país, tal como faziam já na EU e ao longo da história com Portugal. É um povo fino e pragmático!

O Busílis da questão

A França e outras forças reformistas não poderão deixar adiar muito o processo; doutro modo a resistência popular interna e contra a UE aumentará. É o que se diz pela europa fora: o desertor tem de ser castigado para se estatuir um exemplo para outros países que seriam tentados a imitá-lo.

A Alemanha estará interessada na realização de um acordo de comércio livre entre a UE a GB antes do divórcio se realizar definitivamente. Com o Brexit as economias de muitos países ressentir-se-ão e as consequências serão incalculáveis. As Finanças internacionais e os operadores mundiais começam a duvidar da Europa como lugar estável de investimento. A UE perde peso e a instabilidade, devido a um conglomerado de factores acentuar-se-á. O movimento europeu, de forças a operar em sentido contrário à filosofia da globalização, reage agora no sentido do protecionismo nacional contra um centralismo só orientado pelas leis de um mercado livre que não respeitava identidades nacionais, nem povo, nem sequer a sua cultura com os seus lugares sagrados  de refúgio.

A GB continuará a ser a Capital das finanças do mundo, tem bomba atómica, tem assento no Conselho de Segurança da ONU e tudo isto toca com muitos interesses comuns!

Estudos prevêem que o Pfund desvalorizará até 20%. A GB perde a vantagem competitiva que lhe advinha pelo facto de pertencer à UE. O centro financeiro Frankfurt ganha mais relevância.

Com a saída da Grã-Bretanha, a UE passará a investir mais no armamento para com o tempo criar um exército europeu. O exército alemão, na intenção de políticos, já pensa em abrir as suas portas a candidatos da UE.

O busílis da questão vem ainda do facto de 62% dos escoceses terem votado pela permanência da GB na EU. Deste modo o referendo de 2014 sobre a independência da Escócia em que 55% tinham determinado a permanência na Grã-Bretanha, passa a ser maculatura, legitimando um novo referendo sobre a independência da Escócia, como pretende o seu governo. Para alguns, isto poderia motivar as instituições britânicas a não ratificarem o referendo. Nesse caso seria pior a emenda que o soneto. A Áustria já avisou que quer uma UE reformista e sem a Turquia. A França, a Chéquia, os Países Baixos têm fortes movimentos cívicos que ameaçam com a saída da UE. Em Portugal também surgem vozes da esquerda radical nesse sentido mas isso não passa de conversa fiada, própria para entreter a as emoções da sociedade portuguesa.

A UE mesmo com a saída da Grã-Bretanha continua a ser o bloco económico mais forte do mundo. Numa era de concorrência entre civilizações e grandes economias o vento delas não sopra em favor dos biótopos culturais nem das nações. Geralmente segue-se a regra de primeiramente encher o estômago e só depois a moral.

Há ainda um outro problema que a UE terá de levar a reboque por mais tempo! São os milhares de empregados britânicos nas instituições da UE. Bruxelas já disse: “Eles são funcionários da UE.  Eles trabalham para a Europa”. Quem terá de pagar depois as suas deliciosas pensões terá de ser ainda negociado.

António da Cunha Duarte Justo

O PROCESSO DE DIVÓRCIO DA GRÃ-BRETANHA COM A UNIÃO EUROPEIA DURARÁ PELO MENOS 2 ANOS

Para compensar a frustração!

PORTUGAL GANHOU – COM UMA ACTUAÇÃO TÁTICA DE MESTRIA – SERIA DE PROPOR O TREINADOR FERNANDO SANTOS PARA PRIMEIRO-MINISTRO!…

Portugal 1 Croácia 0

Hoje Portugal mostrou que não só tem bons jogadores mas que também tem uma boa comunidade de jogadores.

O grande arquitecto da partida de hoje foi Fernando Santos. Portugal ganhou o jogo devido à sua nova tática de jogo que desorientou jogadores croatas.

Ronaldo, Quaresma, Pepe e Renato congregaram as forças da equipa e deste modo conseguiram furar a forte defesa croata!

 

Fernando Santos, com a nova tática mereceria ser primeiro-ministro. Então todo o Portugal estaria em forma.

Social:

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

2 comentários em “O PROCESSO DE DIVÓRCIO DA GRÃ-BRETANHA COM A UNIÃO EUROPEIA DURARÁ PELO MENOS 2 ANOS”

  1. Li com muito interesse os teus comentários sobre o Brexit e consequências.

    Surpreendeu-me ler que na opinião de alguns políticos, o Exército alemão já pensa aceitar candidatos não alemães.
    Será que não tem candidatos suficientes entre a juventude alemã?

  2. O problema da Alemanha não será tanto da falta de recrutas. O anúncio público de aceitação de candidatos não alemães para o exército alemão traz água no bico! Muitas vezes começa-se por se dar uma informação para testar a opinião pública. Esta informação foi dada e pelo que pude observar não sofreu críticas relevantes na imprensa, o que me leva a concluir que o teste passou na sociedade alemã. Quanto ao segundo passo de formação de um exército europeu, já não haverá grande obstáculo porque a Alemanha já poderá terá dado o exemplo com a europeização do próprio exército.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *