REPENSANDO A EUROPA SOBERANA EM DÍVIDAS SOBERANAS

O velho Modelo acabou – Países lusófonos como Chance

A situação europeia

A EU que temos é de há anos atrás e como tal já não existe. Temos a zona euro com uma economia que nos divide; temos a Ucrânia, os refugiados e a boa vizinhança com a Rússia perturbada; temos o Reino Unido fora, Ronald Trump a exigir o empenho dos europeus na NATO e a querer mudança de sentido na economia; temos também os países do Norte que com a saída do RU sentem o eixo de influência a deslocar-se para o sul; temos parte do povo, desiludida de uma EU de sobremaneira interessada nos magnates da economia, da administração e da ideologia, a revoltar-se contra a classe política e temos também um bom grupo de pessoas de estomago bem recheado em funções de partido ou do Estado interessado em manter o status quo que lhe confere regalias.

A situação portuguesa

Portugal encontra-se tradicionalmente numa fase de esgotamento prolongado. É um país irrelevante a nível de economia na EU. Embora tenha boas infraestruturas de autoestradas e internet é um país sem eficiência económica, e de mãos atadas por depender das políticas da EU feitas para macrosistemas sem que Portugal possa utilizar a moeda nem a banca como regularizadores da economia interna. Uma política europeia feita para “latifundiários” económicos nunca poderá servir um país como Portugal todo ele feito de minifúndios. Embora com um clima que dá saúde e conter um povo flexível aberto a tudo não consegue tornar-se competitivo. A transacção do Banif para o Santander custou 3,3 mil milhões de euros ao Estado português. Éste foi mais um passo da Europa em direcção à Espanha contra Lisboa.

A desregulação migratória desfavorece ainda mais Portugal, que se encontra numa zona mundialmente rica, a precisar de imigração de alta qualificação, mas a quem Portugal contraditoriamente cede especialistas, servindo os Estados mais ricos do seu bloco económico. O país não se preocupa em criar lugares de empregos para a massa cinzenta que produz e emigra para engrandecer e rejuvenescer povos mais ricos. Um país que não guia a economia é desviado para ela.

Primeiro o estômago e depois a festa

Os países da margem ausentaram-se do processo europeu que é fundamentalmente económico e estratégico. Contentaram-se com as ajudas de fundos perdidos, os empréstimos da miséria e com lugares bem pagos, para os boys das corporações, na administração e na política europeia. Estes com os seus lacaios são os que mais protestam, contra os perdedores da EU que os contestam; são por isso, apelidados de populistas como se uma democracia não fosse formada por grupos de interesses rivais e só fosse constituída por donos e balbuciadores de améns.

A política da mentira comprova-se

O Estado português perdeu a batuta da orquestra nacional, deixando-se levar pela da macroeconomia fomentada pela UE; esta, como funciona só fomenta os latifundiários. A classe política continua uma política da mentira em relação aos portugueses e de hipocrisia em relação à EU. Temos partidos e um parlamento que vão ocupando o tempo da opinião pública e o Estado com medidas de assuntos partidários e ideológicos; para desviarem o povo da realidade negra, armam cenas e gestos dirigidos à conversa fiada e à emoção, quando o que Portugal precisa é alimento para o estômago e para a razão.

Na EU não é suficiente um projecto para contentar a todos. Também não é de contentar sermos uma União Europeia de estados com populações muito desiguais, e com igualdade apenas a nível de aparelhos de Estados e de altos funcionários; de facto importante seria ter populações menos desiguais e com uma igualdade em que as desigualdades dos funcionários do Estado estejam em proporção com a igualdade do povo.

A EU precisaria de uma redefinição de estratégia geopolítica que englobe a Rússia como sua parte integrante.

Também Portugal precisaria, além de uma mudança de mentalidade política uma redefinição de estratégia geopolítica, mas cujo centro de gravidade deveria ser os países lusófonos; de resto temos como vizinhos a Espanha e o Atlântico.

Seria catastrófico para Portugal continuar a seguir a ideologia funcional instalada no Estado com a República e continuar a meter a cabeça debaixo do tapete para não ter de enfrentar os desafios que acontecem ao seu redor. A lusofonia será a melhor resposta à globalização num Portugal a funcionar como ponte de continentes e culturas.

Imigrantes do Brasil e dos PALOPs poderiam compensar a sangria da emigração nacional. Empresas interlusófonas poderiam formar-se de maneira a poderem aguentar a concorrência de potências fortes

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do espírito no Tempo

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Esta entrada foi publicada em Economia, Migração, Política. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *