NA FÁBRICA DAS DÍVIDAS E DA CULTURA CORPORATIVA

O Estado Purgatório Frisador de uma Igualdade que promete o Paraíso

Por António Justo
Passamos de uma economia, em que trabalho e produto se regulavam através da troca com dinheiro (capital), para a nova economia, a economia financeira do endividamento. O sociólogo e filósofo Maurizio Lazzarato, autor de “La fabrique de l’homme endetté”, analisa com perícia a crise do endividamento actual. A essência do capitalismo liberal é viver da dívida individual e estatal e para optimizar o seu lucro serve-se dos cortes na Segurança Social terceirizando os custos sociais apenas no pequeno empresário, no trabalhador e no contribuinte.

Para Lazzarato o “homo debitor”passa a ser a nova criação do homo economicus. “Passa a não haver direito a uma habitação, mas a um crédito para habitação (hipoteca), já não há direito à educação, mas – especialmente no modelo anglo-saxão – pede-se dinheiro emprestado para financiar os estudos.” Assim o estudante, no final do curso, com o futuro hipotecado passa a não ter problemas de divagações metafísicas ou ideias que o poderiam torna inseguro num caminho já predeterminado.

De facto, esta é a ideia da nova economia da Califórnia propagada por representantes do “Silicon Valley”. País moderno ou pessoa cliente procura viver o presente, num presente alegre mas fiado, à custa do futuro.

A ideologia do “Vale do Silício” serve-se do conceito de progresso na sequência da “racionalidade secular cristã” e da fé no além. Pretende criar uma maneira de ser e de estar baseada no capital com a consequente relação tipo credor-devedor… Substitui a culpa pela dívida, o paraíso pelo proveito e no caso de surgirem complicações cai-se no inferno da falência. O Estado passa a ser o Purgatório, aquele lugar de purgação que pretende acabar com as diferenças, colocando todos (trabalhadores, desempregados, produtores e consumidores) na plataforma de devedores ou dependentes. Os Governos perdem o brilho da soberania e a democracia é ensombrada pelas asas negras de diferentes demónios interessados apenas na radiografia da alma do credor através do ecrã do cartão de crédito.

O Adão moderno, anda sempre a caminho, com a dívida à frente; esta é companheira e justifica algum benefício já gozado no crédito do passado e nas vantagens de um viver presente que um novo crédito proporciona.

Todos se inculpam no capital onde buscam o crédito. Os riscos do novo “crente” são de responsabilidade limitada ao indivíduo cliente. O antigo pecado original que deu origem à economia social passa assim a uma economia das dívidas. A perversidade da nova crença económica está no facto de se transformar dinheiro em dívidas e dívidas em posse. O credor anónimo tem um poder mágico sobre o devedor. A dívida tem um efeito pedagógico e domesticador. Passamos a uma situação de leasing onde tudo é arrendado.

A economia do endividamento já não honra o trabalho nem considera o trabalhador; deixa-se a relação produtor-produto, para se passar à relação credor-devedor. Ao mesmo tempo tenho a impressão de nos encontrarmos numa época muito bela e rica mas que terá de estar atenta ao risco de reduzir a pessoa a indivíduo cliente e a sociedade a um grande mercado de meros indivíduos de personalidade tábula rasa.

O Estado Grego é um exemplo da nova matriz em via no mundo ocidental. Todos os Estados Europeus eternizam a dívida, de facto impagável, mas criam uma forma de viver aparentemente mais leve e livre, sem perguntar – à custa do quê e de quem? A racionalidade de cima (conhecimento tecnocientífico) ordena a irracionalidade de baixo (o proletariado). Alia-se o capitalismo cultural ao marxismo cultural. Viver passa a significar mais ter que ser.

O livro “A fábrica do homem endividado” de Maurizio Lazzarato questiona inteligentemente o sistema económico-financeiro actual mas não deixa propostas para nos desfazermos das dívidas. Para Lazzarato a melhor maneira de o devedor se livrar do sistema seria criar uma nova inocência segundo a qual os Estados não pagariam a dívida nem tomariam em conta a moral.

O capitalismo liberal e o marxismo cultural servem-se do Estado com Purgatório frisador da igualdade que promete o paraíso das boas intenções mas esconde o inferno delas cheio.

António da Cunha Duarte Justo
Teólogo e pedagogo
In Pegadas do Tempo www.antónio-justo.eu

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Economia, Educação, Política, Religião. ligação permanente.

3 respostas a NA FÁBRICA DAS DÍVIDAS E DA CULTURA CORPORATIVA

  1. RCGomes diz:

    Gostei dum “presente alegre mas fiado”. Todos os sistemas de Poder gostam da confiança cega. Também a religião cai nessa tentação pois embora a luz venha da Verbo que sai da boca de Deus, se confia mais na moeda cunhada com a cara de César. O problema está em encontrar uma palavra confiável. O povo quer um rei que o governe, mas a palavra confiável será sempre mais propositiva (educativa) que impositiva e a imposição maior é a que cada indivíduo impõe a si próprio pelo compromisso.
    Cumprimentos
    RCGomes

  2. RCGomes, obrigado pela referência e reflexão.
    Exactamente!
    Também o dramaturgo alemão Bertold Brecht já tinha observado: “primeiro vem o ‘comer’ e depois vem a moral!” (“‘Erst kommt das Fressen, dann kommt die Moral!” (Fressen=comer, em alemão significa o acto de comer praticado por animais).

    Efectivamente, fiável, creditável, devedor, confiável pressupõem a crença nalgo de crédito, o tal “ rei que o governe”! Cada compromisso traz as consequentes soluções com ele. O problema estará no que se abdica para se poder comprometer, reconhecendo muito embora que não é possível paz nem vida social sem compromisso.

    A civilização ocidental crê no compromisso; mas o problema surge quando grupos não aceitam o compromisso porque pensam que quem cede perde!
    Cordialmente
    António Justo

  3. Pingback: News - Responsive HTML5 and CSS3 template

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *