A EUROPA RICA RECRUTA IMIGRANTES QUALIFICADOS E EMPURRA REFUGIADOS DESQUALIFICADOS PARA OS PAÍSES POBRES DO SUL

 Quota para Refugiados revela Abuso cínico da Palavra Solidariedade

António Justo
A Comissão Europeia para a Migração pretende que se faça a redistribuição de 20.000 refugiados que se encontram na Europa, tencionando para Portugal uma chave de recolocação correspondente a 3,89% e para a Alemanha e França 10%. Uma tal medida aumentaria a quota de desemprego nos países do sul que se sentem já vítimas de uma economia da UE pró nórdica. Portugal seguirá, como de costume, uma atitude de “Maria-vai-com-as-outras”.

Portugal que exporta para a Alemanha, França, Inglaterra, Suíça, etc. os seus emigrantes qualificados que não encontram condições suficientes de vida em Portugal deve passar a receber dos países islâmicos imigrantes sem qualificação.
Muitos cidadãos europeus têm dificuldade em compreender que os seus países tenham de aceitar os refugiados de guerra interna islâmica entre xiitas e sunitas e que países islâmicos como a Arábia Saudita não aceitem refugiados vítimas da guerra religiosa ou da economia.

Na França, Alemanha, e noutros países europeus aumenta no povo a resistência à aceitação de refugiados. Muitos alegam que têm medo de receber os refugiados porque estes, na sua grande maioria são muçulmanos e uma vez hospedados num país organizam-se em guetos e não se integram; outro argumento que se ouve com frequência é a realidade de uma vez reconhecidos servirem de ponte para novos imigrantes e o facto de entre os refugiados se encontrarem terroristas do Estado Islâmico. Também se encontram políticos na Alemanha que dizem que a Alemanha “não é a repartição de segurança social da humanidade” e também pessoas pobres que reclama por cada vez verem mais reduzidos os apoios sociais sem entenderem que o Estado empregue milhões de euros no acolhimento de refugiados. Não notam a corresponsabilidade das potências no fenómeno nem a irresponsabilidade da classe política em relação à paz social na Europa.

Em 2014 a Suécia recebeu 8,4 refugiados por cada mil habitantes, a Áustria 3,3 por mil, a Suíça 2,9, a Alemanha 2,5, a Itália 1,1, a França 1, a Inglaterra 0,5, a Espanha 0,1.

A Inglaterra, a Polónia a Hungria, a Eslováquia e a Chéquia revelam-se contra o intuito da Comissão Europeia de introduzir quotas de refugiados a distribuir para todos os membros da UE. A Alemanha faz força para que todos os países sejam obrigados a receber refugiados. Os países economicamente fortes da europa não se querem ver sozinhos com os problemas da imigração por razões de estabilidade social e por razões económicas. A Alemanha, em 2014 recebeu 173.070 requerimentos de refugiados.

Por outro lado funcionários da economia alegam que a Alemanha para cobrir a quebra da natalidade da população precisaria de 400.000 imigrantes por ano. A Alemanha prefere recrutar imigrantes qualificados porque não provocam custos de integração e formação e além disso integram-se melhor e elevam o nível social popular.

Quota não é solução e seria injusta para com os países pequenos que não entram em guerra nem fazem parte dos países desestabilizadores que lucram com exportação de armas nem com a reconstrução dos países de intervenção. Os pontos quentes são a Síria, o Iraque, a África do Norte, o Afeganistão e a Líbia. A Líbia tornou-se num ponto de fuga dos refugiados para a Europa. Para acrescentar a insegurança surgem organizações extremistas muçulmanas na Europa que, ao afirmarem que com a emigração muçulmana e a sua fecundidade restabelecerão seus antigos domínios na Europa, fomentam mais o medo e o preconceito de muitos cidadãos europeus confrontados já com os problemas dos guetos.

A informação pública foca apenas o aspecto emocional dos refugiados não contribuindo para uma discussão séria e objectiva sobre o assunto.

A política da Comissão Europeia não está interessada no diagnóstico e no tratamento das causas que provocam a emigração em massa; parece apenas interessada em tratar as feridas mas não querer solucionar o que provoca o flagelo hodierno das lutas entre xiitas e sunitas e o fenómeno dos refugiados. A preocupação europeia deveria ser o fomento da estabilidade e do bem-comum da população nos países de proveniência dos refugiados (a preocupação pelo bem-comum universal). As medidas pretendidas de destruição dos barcos dos contrabandistas não resulta porque a pobreza e as rivalidades entre os grupos étnicos continuarão com o apoio directo ou indirecto do Ocidente. Urge uma política de ajuda para a auto-ajuda das pessoas nos seus países; para os que já se encontram no mundo livre devia dar-se-lhe uma formação qualificada para poderem, mais tarde, fomentar as economias dos países donde vêm.

Não é justo que as potências que participaram para a instabilidade do Afeganistão, do Iraque, da Líbia, da Síria não assumam a responsabilidade de terem provocado uma consequente perseguição aos cristãos e a outras minorias étnicas na região e que agora países terceiros tenham de acarretar com os problemas que imigração muçulmana acarreta consigo (Não se trata só de fugitivos mas de pessoas). As administrações dos USA têm actuado irresponsavelmente, conscientes de que quem mais sofre as consequências da sua política fracassada é a Europa e que a Europa fraca e decadente – irmã menor dos USA – se limita a uma política ritual irresponsável e carpideira sem encarar a peste que vitima fugitivos no mar Mediterrâneo e infesta o clima social europeu.
António da Cunha Duarte Justo
www.antonio-justo.eu

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Economia, Migração, Política, Religião. ligação permanente.

8 respostas a A EUROPA RICA RECRUTA IMIGRANTES QUALIFICADOS E EMPURRA REFUGIADOS DESQUALIFICADOS PARA OS PAÍSES POBRES DO SUL

  1. António M diz:

    Olá, António Justo,

    Acabei de ler teu artigo e fiquei muito melhor esclarecido acerca desta grave problemática. Apreciei toda a clareza das análises enunciadas e também concordo que as várias intervenções do Ocidente no Iraque, Afeganistão, Líbia, Síria e outras, desestabilizaram internamente todos esses países e regiões e estão a gerar um ódio crescente ao mundo ocidental, bem como perseguição às minorias cristãs e outras por lá existentes. Claro que todo este clima de instabilidade entre sunitas e xiitas, origina a fuga de imensos seres humanos dos cenários de guerra e o problema está bem presente aqui na Europa.

    … o último parágrafo diz tudo.

    Um abraço.

    A.ntónio M

  2. Dr. Margarida diz:

    “Não é um exagero” a quota atribuída ao nosso país no âmbito do mecanismo europeu de resposta às tragédias no Mediterrâneo, defende a presidente do Conselho Português para os Refugiados.

    LUSA
    Teresa Tito Morais, que preside ao Conselho Português para os Refugiados (CPR), afirmou esta quinta-feira que Portugal tem uma “obrigação ética e moral” de receber 700 refugiados em situação de emergência, devendo preparar-se para este “novo desafio”.
    No âmbito do mecanismo de emergência europeu anunciado na quarta-feira pela Comissão Europeia, Portugal poderá vir a receber 704 refugiados de um total de 20.000 que serão distribuídos por todos os Estados-membros da União Europeia.
    in Diálogos Lusófonos

  3. Mauro Moura diz:

    Considerando os milhões que foram retirados de África a força e os milhares que foram expatriados por serem judeus no período colonial, 700 é uma mixaria…

  4. Dr. Margarida diz:

    Caro Mauro,

    O seu considerando veio fora de propósito, até porque o que ocorreu há 500 anos, tem que ser pensado dentro do contexto da época e a responsabilidade da escravatura dos africanos não foi só dos europeus e muito menos dos seus antepassados.Foi?
    Lembro que o comércio de escravos negros era, na verdade, fomentado pelos próprios negros da Mãe África. Havia, inclusive, algumas tribos dominantes que vendiam os negros de outras etnias.E já na época dos árabes e romanos, antes e depois de Cristo se praticava a escravatura. E ainda hoje o problema da escravatura de algumas etnias africanas por outras tribos ainda subsiste.

    Quanto à expulsão dos judeus em épocas passadas, é também uma ponderação que não cabe aqui e há que refletir no contexto da época, além da posição, de então, da Igreja Católica .

    Quando coloquei a notícia do Expresso,neste espaço, foi para complementar o interessante e esclarecedor artigo do correspondente António Justo ,”A EUROPA RICA RECRUTA IMIGRANTES QUALIFICADOS E EMPURRA REFUGIADOS DESQUALIFICADOS PARA OS PAÍSES POBRES DO SUL”. Acreditando que ele está bem informado, não me parecem certos, os diferentes critérios de cobrar a solidariedade com os imigrantes ou refugiados entre os países do Sul e os do Norte europeu!

    Mas continuemos a debater , aqui, a situação dos refugiados e imigrantes vindos do norte de África , via Mediterrâneo.

    As mágoas passadas não são para aqui chamadas!

    Saudações,

    Margarida Castro
    in Diálogos Lusófonos, 16.05

  5. “MÁGOAS PASSADAS”
    Sim, por vezes „as mágoas passadas“ e as lágrimas delas não derramadas nas correspondentes épocas embaciam-nos os olhos, impedindo-nos de constatar que os suspiros e lamentos que deixamos pelos outros nos impedem de encarar de frente os problemas hodiernos, tendo também os nossos vindouros de, de olhos embaciados, também eles, lamentar o que a nossa época fez, tal como muitos de nós fazemos em relação às épocas de ontem!
    A História repete-se porque continua a mesma matriz (afirmação do eu à custa do nós e do outro); o que a história tem de mestra deveria levar-nos ao reconhecimento de que o que criticamos no passado é o que fazemos hoje, embora de maneira talvez mais refinada ou cortesa!
    A escravidão de ontem é a mesma da de hoje; os métodos e meios modificaram um pouco e o sofrimento popular acerca dela aumentou. As ideologias das diferentes épocas servem-se da interpretação para, em grande parte, estabilizarem o próprio sistema.
    A Europa e a América serve-se da África para seus fins económicos e estratégicos; o mundo árabe serve-se da emigração para a sua expansão!
    O sofrimento de uns e outros permanece no povo de um e outro lado, para dar lugar ao cinismo e à prepotência dos expansionismos hegemónicos de caracter económico e cultural.
    Bom Domingo
    António Justo

  6. IMIGRANTES QUALIFICADOS E IMIGRANTES DESQUALIFICADOS
    Na Europa, o problema da importação de emigrantes coloca-se noutros termos. A Europa, devido ao seu sistema de formação técnica muito especializada e universalizado (espalhado a nível de povo) e à tecnologização industrial não tem lugar para gente desqualificada (ao contrário do que acontecia nos anos 50-70 do século passado). O desenvolvimento económico europeu não comporta, infelizmente, solução para o pessoal menos qualificado que é racionalizado e despedido devido às máquinas que os substituem. Por isso o pessoal desqualificado só vem aumentar ainda mais a concorrência nas camadas operárias menos protegidas. Os pobres da Europa vêem a sua assistência e apoio social cada vez mais dificultada pelas legislações dos Estados dado cada vez haver mais famílias a viver do apoio do Estado (impostos).
    De facto encontramo-nos numa guerra económica e intercultural. A economia ocidental exerce o seu imperialismo e a cultura árabe o seu com o instrumento da religião e o investimento do capital do petróleo em empresas de países ricos e não no desenvolvimento da formação da própria população.
    Mais que medidas de acolhimento precisamos de uma política justa para todos que não obrigue as pessoas a terem de emigrar devido a razões económicas ou a intenções de desestabilização de sociedades e culturas.
    A preocupação dos países em importar mão-de-obra qualificada torna-se inteligente na perspectiva actual de desenvolvimento de um país. Essa política já a seguiu o Infante D. Henrique. O problema da importação de mão-de-obra qualificada beneficia a nação, e em parte o fragmento carente da população, mas, por outro lado, desestabiliza a sociedade média de uma nação, ao receber concorrência de fora e ter de ver os seus bons ordenados diminuídos e os postos de trabalho académico mais concorrido. (A importação de mão-de-obra desqualificada, por seu lado, fortalece a concorrência entre os pobres, tornando-os ainda mais pobres). O capitalismo que antes explorava as forças carentes da população, tornou-se num turbocapitalismo que passou hoje a explorar também a classe média que antigamente constituía a força motora da economia e da cultura de um país. Por isso o globalismo está a alargar a sapata proletária e a desmiolar a classe universitária técnica ao torna-los “meros especialistas ” de visão míope porque especializados para só verem um ramo do saber (e daí mais dependentes) sem conseguirem transcendê-lo para uma visão enciclopédica.
    Saudações solidárias
    António Justo

  7. Mauro Moura diz:

    Muito bem posto, Sr. António Justo.
    Ao final da grande guerra, o Brasil recebeu inúmeros imigrantes e uma boa parte deles era de pessoas com formação acadêmica e que aqui foram os propulsores das universidades e dos centros de pesquisas científicos. Porém, estes ao perceberem a falta de investimento e manutenção da pesquisa, uma maioria acabou por emigrar para a América do Norte.
    Perdemos todos nós brasileiros.
    Passados 3 décadas, essa falta de constância na pesquisa científica ocasionou a diminuição e manutenção de abertura de novas vagas para os cursos de especialização técnica e universitários e dai, quando o Brasil quebrou juntamente com o México em 1982, a miséria gracejou por aqui e passamos de receptores de pessoas a exportadores. Mas, neste caso brasileiro, exportamos massa humana, sem qualificação e sujeita a qualquer tipo de serviço a se manterem em terra de ninguém.
    Essa exportação de pessoas foi tal, a ponto do governo brasileiro facilitar a instalação de empresas de aviação, com descontos tarifários, a fim de facilitar a saída delas.
    Outro fato instigante é o da cidade de Governador Valadares – MG, não sei se mantém este número, que 10% de seus nativos viviam no exterior, sendo a maioria na América do Norte.

    Mauro Moura
    in Diálogos Lusófonos, 17.05.2015

  8. Prezado Mauro Moura,
    O que afirma é uma boa complementação do tema.
    Antigamente a Maçonaria e a Opus Dei, tal como hoje a Scientology e outros, procuram recrutar algum do seu pessoal nas universidades e em pontos estratégicos da sociedade (arte e personalidades de influência mediática). Hoje, a economia, através das grandes empresas mundiais, observa, pelo mundo fora, os currículos dos estudantes universitários mais qualificados nas Universidades de renome, para lhes prometer emprego e estadia, logo a seguir aos estudos, nos países mais fortes. Os peritos mais destacados vão enriquecer as economias fortes servindo ao mesmo tempo de disciplinação dos peritos mais antigos e de instrumento de selecção concorrencial para os candidatos nacionais aos postos de trabalho qualificado. A nova economia é cada vez mais anónima e desenraizada: antigamente vivia do campo, depois da cidade e agora anonimizada só se interessa com o rendimento das acções. Mais distanciada do operariado e da terra descompromete-se não respeitando sequer os Estados, aumenta o estresse e fomenta novas doenças, entre outras o burn-out.
    Atenciosamente
    António Justo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *