Possíveis poesias e slogans para a manifestação de portugueses em Frankfurt a 5.11.2011, Praça da Ópera às 13h00

Se algum  rancho folclórico participasse na Manifestação o acontecimento podia ser enriquecido com alguma contribuição musical e duas declamações de poesia em português e alemão. Proponho os seguintes poemas de Fernando Pessoa:

QUINTO NEVOEIRO

Nem rei nem lei, nem paz nem guerra,           

Define com perfil e ser

Este fulgor baço de terra

Que é Portugal a entristecer-

Brilho sem luz e sem arder,

Como o que o fogo-fátuo encerra.


Ninguém sabe que coisas quer.

Ninguém conhece que alma tem,

Nem o que é mal nem o que é bem.

(Que ânsia distante perto chora?)

Tudo é incerto e derradeiro.

Tudo é disperso, nada é inteiro.

Ó Portugal, hoje és nevoeiro…

É a Hora!

Valete, Fratres. (Fernando Pessoa)


DIE FÜNFTE NEBEL

NICHT KÖNIG NOCH GESETZ; NICHT KRIEG NOCH FRIEDEN

VERLEIHEN EIGENES PROFIL UND SEIN

DEM MATTEN DÄMMERSCHEIN,

DER DEM VERZAGTEN PORTUGAL GEBLIEBEN-

GLANZ OHNE GLUT UND WENIG RÜHMLICH,

WIE ER DEM IRRLICHT EIGENTÜMLICH.


NIEMAND WEIß, WAS ER WIRKLICH WILL:

NIEMAND KENNT SEINEN EIGENEN MUT,

WEIß NICHT, WAS BÖSE IST, WAS GUT.

(WELCH FERNES SEHNEN WEINT GANZ NAH?)

ALLES IST UNGEWIß UND SPÄT DIE ZEIT.

NICHTS IST MEHR GANZ, UND ALLES IST ZERSTREUT.

O PORTUGAL! HEUT’ NUR EIN NEBELREICH…

DIE STUNDE KAM!

VALETE, FRATRES! (Fernando Pessoa)


MAR PORTUGUÊS

Ó mar salgado, quanto do teu sal

São lágrimas de Portugal!

Por te cruzarmos, quantas mães choraram,

Quantos filhos em vão rezaram!

Quantas noivas ficaram por casar

Para que fosses nosso, ó mar!


Valeu a pena? Tudo vale a pena

Se a alma não é pequena.

Quem quer passar além do Bojador

Tem que passar além da dor.

Deus ao mar o perigo e o abismo deu,

Mas nele é que espelhou o céu. (Fernando Pessoa)


PORTUGIESISCHES MEER

O salzige Flut, wieviel von deinen Salz

sind Tränen Portugals!

Dich zu befahren, weinten Mütter,

klang Kinderbeten klagebitter;

wie viele Brautgemächer blieben leer,

auf daß du unser seist, o Meer!


Lohnt’ es die Müh’ ? Die Müh’ ist nie verloren,

wenn nur die Seele groß geboren.

Willst du Kap Bojador bezwingen,

mußt du den Schmerz erst niederringen.

Gott schloss das Meer mit Abgrundsiegeln

und ließ es doch den ganzen Himmel spiegeln. (Fernando Pessoa)



Slogans/frases para os cartazes

1.       É hora de tirar aos “obesos” e não aos que andam tesos

2.       NAO AO ENCERRAMRNTO DO CONSULADO DE FRANKFURT

3.       ” POUPAR SIM, DESTRUIR NÃO! NÃO EXCLUA FRANKFURT, QUEREMOS AJUDAR!”

4.       FECHAR O CONSULADO DE FRANKFURT  É FALTA DE VISAO

5.       Ministro Portas não nos feche as portas

6.       Na hora da economia coitado do que tem a barriga vazia

7.       Lohnt sich die Mühe? Die Mühe ist nie verloren, wenn nur die Seele groß geboren!) “Tudo vale a pena se a alma não é pequena”

8.       Quem seu amigo quiser conservar, com ele há-de negociar.

9.       Mais vale um Sim tardio do que um Não vazio.

10.   ECONOMIA & POLITICA fazem-nos GREGOS

11.   POUPAR, NAO É ENCERRAR O CONSULADO DE FRANKFURT

12.   Senhor Ministro diga não à economia pervertida!

13.   Senhor Ministro diga sim a uma economia invertida!

14.   O AMANHA COMECA HOJE

15.   É tarde para economia quando a bolsa está vazia.

16.   ” O diabo está nos detalhes e os detalhes têm que passar à prática

17.   Eu sou do tamanho daquilo que vejo e não do tamanho da minha altura.

18.   O Homem é do tamanho do seu sonho

19.   PORTUGAL ASSIM NAO ÉS PÁTRIA MAS PAÍS  QUE NOS IGNORA

20.   Depois de casa roubada, trancas à Porta(s).

21.   Economizar não significa tirar aos pequenos para dar aos grandes!

22.   Este mundo é uma bola. Quem nela anda é que se amola.

23.   É hora de tirar aos “obesos” para dar aos tesos

Amigos, podem fazer outras propostas

Abraço,

António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@googelmail.com

www.antonio-justo.eu


DEMONSTRATION GEGEN DIE SCHLIESSUNG DES PORTUGIESISCHEN VIZE-KONSULATS IN FRANKFURT

Beirat des portugiesischen Vize-Konsulats in Frankfurt

Zeppelinallee 15,  60325 Frankfurt am Main

C/o António da Cunha Duarte Justo

Sprecher des Beirats des portugiesischen Vize-Konsulats in Frankfurt

E-mail: a.c.justo@unitybox.de

Mittelung an die Medien

DEMONSTRATION GEGEN DIE SCHLIESSUNG DES PORTUGIESISCHEN VIZE-KONSULATS IN FRANKFURT

Wirtschaften bedeutet nicht nur sparen – Nein zur Schließung des Konsulats

Die Portugiesen wehren sich gegen die Absicht des Außenministeriums, das Vize-Konsulat  von Frankfurt zu schließen. Die Fläche des Konsulats umfasst Hessen, Pfalz und das Saarland. Von den 117.000 Portugiesen, die in Deutschland leben, wohnen 30.000 in dieser Region. Es ist dasjenige portugiesische Konsulat, das in Deutschland an dritter Stelle steht, was konsularische Handlungen betrifft und an zweiter Stelle bezüglich Sparsamkeit.

Ökonomische Modernisierung und Erneuerung der Diplomatie setzt das Bewusstsein für die wichtigeren Standorte für Europa und für die Nationen der EU voraus. Es wäre ein strategischer Fehler,  diesen privilegierten Standort zu verlassen, zumal in einem Moment, in dem die portugiesische Regierung den festen Willen hat zu sparen und die Diplomatie umzugestalten. Es wird ein neues Profil von Diplomaten angestrebt, die fähig sind Dienste (Behörden, Tourismus  und Ökonomie) zu vernetzen. Wirtschaften bedeutet nicht nur sparen.

Frankfurt, eine starkwachsende Region (4% Wachstum), ist ein strategisch wichtiger Platz für Deutschland und Europa, als Wirtschaftszentrum, zentraler Verkehrsknoten Europas, eine Stadt der Messen (Auto, Bucher, Textilien, etc.) und ist deshalb von zentralem Interesse für Portugal. Es gilt nicht nur, den Tourismus, sondern auch die bilaterale Vernetzung von Firmen zu fördern.

Die Portugiesen begrüßen den festen Willen der Regierung zu sparen und ihre Absicht, die Auslandsvertretungen sinnvoll und rational zu gestalten, so dass Auslandsvertretungen und Diplomaten mehr in der Einsetzung und Förderung der ökonomischen Beziehungen eingesetzt werden. Hierfür können auch die Portugiesen der 2. und 3. Generation sehr hilfreich sein für bilaterale Interessen.

Wir können mehr sparen, indem man Gelder, die für Repräsentation ausgegeben werden,  in Produktion und Dienstleistungen investiert.  Wir können viel Geld sparen, wo es nicht weh tut wie z. B. bei einer Verkleinerung von Räumlichkeiten und besonders durch den solidarischen Beitrag durch einen größeren Einschnitt bei den Zuschüssen für Repräsentation und Wohnkosten von Diplomaten.

Wir appellieren auch an die deutsche Öffentlichkeit, uns und Portugal zu unterstützen, auch durch bilaterale geschäftliche Beziehungen und Tourismus.


Kommt alle zur Demonstration nach Frankfurt am 5. November. Start um 13.00 Uhr an der Alten Oper Frankfurt, Ziel: Vize-Konsulat in der Zeppelinallee. Wir rechnen mit 1.000 bis 3.000 Demonstranten.

António da Cunha Duarte Justo

Sprecher des Beirats des portugiesischen Vize-Konsulats in Frankfurt

Senhor Ministro Portas não nos feche as Portas

Comunicado aos Órgãos de Informação

A maior Manifestação de Portugueses em Frankfurt

Senhor Ministro Portas não nos feche as Portas

Manifestação dos Portugueses dos Estados do Hesse, do Sarre e da Renânia Palatinado contra o eventual encerramento do Vice-consulado de Frankfurt. Esperam-se entre mil e três mil manifestantes.

Portugueses não só de Frankfurt mas de toda a área consular de Frankfurt (Estados do Hesse, Sarre e Renânia Palatinado) estão a organizar uma manifestação para o próximo sábado, dia 5 de Novembro em Frankfurt. A demonstração tem início na Alte Oper às 13 horas e termina, pelas 15h junto ao posto consular na Zeppelinallee 15.

Solidários com Portugal nos seus esforços de poupança para liderar a crise, os portugueses desta área querem que se poupe consequentemente em todas as representações do Estado e que apesar disso se sirva bem e melhor os portugueses e a economia portuguesa. Na Alemanha vivem 117.000 portugueses e na área consular de Frankfurt cerca de 30.000. Frankfurt é o segundo posto consular mais barato da Alemanha e o terceiro em volume de serviços. Solidarizando-se com Portugal, também ele pode ainda reduzir os gastos. Frankfurt não pode encerrar as portas.


Estamos empenhados na defesa dos interesses e do futuro de Portugal. Seria um erro crasso virar as costas aos portugueses e, numa iniciativa de fomentar os negócios portugueses, encerrar um ponto tão estratégico como Frankfurt. Já, há 15 anos, aqui, se falava da necessidade da integração de serviços com a hipótese de reunir consulado, ICEP e TAP num edifício comprado para, a longo prazo, se pouparem recursos humanos e económicos. O mesmo se dizia da embaixada.


Para além disto as decisões deveriam ter em conta que a desejada ofensiva económica não pode prescindir do potencial de luso-descendentes espalhados pelo mundo, que não só têm direito à sua língua e cultura, como podem ainda vir a ser peça muito útil ou mesmo indispensável na implementação dos novos rumos que se pretende dar à diplomacia. Temos propostas de contenção e de redução de despesas de maneira a aliviar Portugal sem deixar de servir a comunidade portuguesa e também ideias para implementação da economia. O Conselho, em colaboração com as associações portuguesas desta área consular, apela a portugueses e amigos de Portugal a participarem na Manifestação. Os Meios de Comunicação Social alemães também são convidados a fazer a cobertura da manifestação. Contamos também com a grande participação dos Media portugueses.


António da Cunha Duarte Justo

Porta-voz do Conselho Consultivodo Vice-Consulado de Frankfurt

Manifestação de Portugueses em Frankfurt – Sábado 5 de Novembro

Conselho Consultivo junto do Posto Consular de Portugal em Frankfurt

Zeppelinallee 15,  60325 Frankfurt am Main

C/o António da Cunha Duarte Justo

Porta-voz do Conselho Consultivo

Tel.: 00049 561 407783,

Correio electrónico: a.c.justo@unitybox.de

Comunicado aos Órgãos de Informação

Manifestação de Portugueses em Frankfurt – Sábado 5 de Novembro

Percurso: Início às 13h00 na Alter Oper e termo às 14h00 no Consulado

Não ao encerramento do Posto Consular de Frankfurt

O Conselho, de acordo com as associações portuguesas desta área consular, decidiu realizar uma manifestação no dia 5 de Novembro em Frankfurt, com percurso entre Alte Oper e o Consulado. A Manifestação da Comunidade portuguesa contra o encerramento do Consulado já está devidamente autorizada pelo Ordnungsamt de Frankfurt e tem início às 13h00 na Alte Oper e termo às 16h00 junto ao posto consular.

Os utentes desta área consular sentem-se marginalizados não podendo encontrar dados objectivos que poderão ter levado à decisão de encerramento precisamente deste posto consular. Irão protestar em massa, na esperança duma solução equitativa de poupança, que possibilite o serviço aos utentes e a defesa dos interesses económicos de Portugal na região.

Segue-se o texto enviado a 3 de Outubro a suas excelências o Ministro dos Negócios Estrangeiros, o Secretário de Estado dos Assuntos Europeus, o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas:

“O Conselho Consultivo junto do posto consular de Portugal em Frankfurt, no âmbito das competências constantes do artigo 16.º, n.º 4 do Decreto-Lei n.º 71/2009, de 31 de Março, face à eventual decisão do Governo português em encerrar este Consulado, vem por esta via apresentar a sua discordância e veemente protesto por tal medida, alegando o seguinte:


– Desconhecem-se os motivos concretos para uma tal medida súbita, sem que tenha sido efectuada previamente alguma consulta, quer junto do Consulado quer junto deste Conselho Consultivo quer do Conselho das Comunidades Portuguesas ou ponderadas medidas alternativas.


– Após análise das repercussões extremamente negativas que uma tal medida representará para a comunidade portuguesa afectada, e sem que se afigurem quaisquer motivos justificativos, o Conselho Consultivo alerta para os seguintes factos:


– Calcula-se residirem nesta área consular entre 25000 a 30000 portugueses, com tendência a aumentar nos últimos meses, distribuídos por 3 Estados Federados (Hesse, Renânia-Palatinado e Sarre) com uma superfície correspondente a metade da área geográfica de Portugal continental;


– Trata-se de uma das representações consulares mais antigas de Portugal na Alemanha, já remontando a 1960 e um ponto de referência para todas as gerações de portugueses. Ao encerrar o Consulado, é cortado o elo de ligação de uma vasta comunidade portuguesa com o seu país, facto altamente desmotivante e que levará muitos a naturalizarem-se alemães e a não inscreverem os seus filhos no registo civil português;

– Realce-se que nas últimas eleições presidenciais foi este posto consular que obteve uma das maiores percentagens de votantes, o que significa o elevado grau de responsabilidade da comunidade pertencente a esta área consular. Tal encerramento priva não só a população directamente afectada de qualquer assistência como a levará à completa desmotivação no envolvimento da causa nacional, nomeadamente nos actos eleitorais ou até no envio de poupanças para Portugal.


– Frankfurt representa para a Alemanha, depois de Berlim, a capital, um centro político e económico dos mais importantes e decisivos do país, facto pelo qual se encontram acreditados nesta cidade mais de 90 consulados de outras nações, sendo um dos últimos a abrir o Consulado-Geral de Angola.


– De realçar ainda a importância atribuída a Frankfurt pela Comunidade Monetária Europeia (é nesta cidade que está a sede do Banco Central Europeu).


– Relembramos também, que este Consulado é ainda de crucial importância como centro de apoio aos altos representantes governamentais ao fazerem escala no aeroporto internacional de Frankfurt, uma das principais plataformas giratórias da Europa.


– Trata-se ainda de um centro económico de vital importância internacional, onde se realizam algumas das feiras de maior repercussão para os expositores portugueses (como por ex. a feira dos têxteis, salão automóvel, ou ainda a feira do livro).


Ao encerrar este Consulado, o Estado português abandona assim um ponto de mais alto prestígio internacional e de vital importância económica, política e cultural.


Num momento em que a economia portuguesa necessita de impulsos à exportação, e a Europa está atenta à política portuguesa, consideramos que o eventual encerramento da sua representação consular em Frankfurt significaria não só uma medida extremamente negativa para a comunidade que serve, mas também um falso sinal sob o ponto de vista de estratégia económica.


– Finalmente, o encerramento também não seria compreensível nem aceitável sob uma eventual perspectiva de medidas de austeridade. A rentabilidade do Consulado foi confirmada através dos investimentos técnicos, de formação profissional nos últimos anos, da abertura de concurso para admissão de mais um funcionário a partir do início do corrente ano, bem como do regresso ao serviço de um outro funcionário a partir de Abril último, por instruções do MNE.


O Conselho Consultivo está consciente das dificuldades que o país atravessa, mas não poderá aceitar de modo nenhum medidas radicais que conduzam ao encerramento deste posto consular, sem que sejam previamente estudadas, em conjunto, outras alternativas de poupança, como por exemplo, a redução dos custos de arrendamento, de funcionamento do posto, ou a redistribuição da rede consular, entre outras.

Os membros do Conselho Consultivo da Área Consular de Frankfurt”


António da Cunha Duarte Justo

Porta-voz do Conselho Consultivo



Mãe Desconsulada dirige-se aos Meios de Comunicação

Protesto contra o Encerramento do Consulado de Frankfurt

António Justo

Uma mãe de Frankfurt sente-se desiludida e revoltada contra a decisão de enceramento do consulado e apela à razão organizativa e de poupança do Governo para que reveja a sua posição tomada contra os 30.000 portugueses da região.

Aqui o seu importante apelo:

“Foi com bastante admiração que constatei que o vice-consulado de Francoforte irá ser encerrado nos finais de Dezembro.

Irá ser, sim senhor!

É um ato passivo, já que activamente nunca teria havido razão plausível para que tal aconteça. Que motivos poderiam ser alegados para encerrar uma casa que não só serve uma numerosa comunidade portuguesa, como ainda representa Portugal numa vasta região no centro da Europa, procurada por tantos?

Ainda que ciente da necessidade urgente de economizar, riscar do mapa postos com funções imprescindíveis não é, certamente, a solução adequada. Se temos de prescindir, então que o façamos colectivamente. Procuremos soluções acertadas, ouvindo os intervenientes, sem simplesmente optar pelas “passivas”!

Que explicação darei eu aos meus filhos, por exemplo, quando tiver futuramente de os “arrastar” a minimamente 200 quilómetros de distância (só a ida) para poder tratar de assuntos relacionados com o país que tanto tento manter na sua memória, para que o elo continue a ser forte e aguente mais do que as idas de férias? Como vou conseguir convencê-los de que o vice-consulado foi encerrado, mas o país não lhes voltou as costas? Como vou argumentar, para que possam continuar a acreditar  que a identidade é a única pátria da qual nunca podemos ser exilados? Que apoio lhes vou poder dar nesse sentido? Como vou cumprir essa minha obrigação de mãe, se com o encerramento do vice-consulado me estão a roubar um valioso bastião?

Já nem sei se é tristeza, revolta ou desilusão aquilo que sinto…

Sempre fomos bem recebidos, acolhidos com os nossos problemas, no agora vice-consulado e no antigamente consulado, em Francoforte.

Sempre contámos com o consolo do consulado. A região do vale do Meno e do Reno é uma das mais atractivas da Alemanha. Francoforte é uma cidade cosmopolita, na qual mais de noventa países mantêm a sua representação. Para nós, vivendo fora de Portugal, a supressão destes minúsculos retalhos representam enormes buracos na manta que nos aquece e protege.

Talvez estes argumentos sejam difíceis de entender para quem vive em Portugal. Sabemos que há, no país, muitos “pequenos” a fazerem grandes sacrifícios  (e infelizmente poucos “grandes” a fazerem pequenos !)   mas temos todo o direito – e até o dever – de exigir mais transparência nas decisões que, caso sejam justas, podem ser compreendidas e, posteriormente, aceites.

Mas assim, não! Encerra-se porque temos de “apertar o cinto”! No pescoço?!?

Sei, porque lido há dezenas de anos com jovens portugueses, e não são só de origem portuguesa, que muitos se vão ver obrigados a optar pela nacionalidade alemã porque todos os atos oficiais marcantes – o nascimento, o casamento, as eleições,… – vão estar a uma distância tal que a maior parte não vai conseguir conjugar com a vida acelerada de trabalho intenso.

Economizar não é riscar do mapa, mas sim reestruturar recursos, aproveitar potencialidades já estabelecidas, fazer alterações que necessariamente atingem sempre alguns, claro, mas que não privilegiam uns (quase sempre os mesmos ! ) em detrimento de outros (também quase sempre os mesmos…).
Já sei se é tristeza, revolta ou desilusão.

É revolta!!

Quando temos vinte rebuçados para distribuir por dez crianças, elas sabem bem que cada uma receberá dois; nunca nos passaria pela cabeça distribuir os vinte rebuçados por cinco das crianças, entregando quatro a cada uma delas, e deixar as outras sem nada. Será que há alguém que desconheça ou já tenha esquecido esta operação de matemática tão simples? Talvez porque, lamentavelmente desenraizado, perdeu tudo o que tinha de criança em si…

Ou então porque já comeu rebuçados demais!!!

Francoforte, 17 de Outubro de 2011

Esta mãe sente-se arbitrariamente desconsulada sabendo que nenhuma razão objectiva de racionalização de serviços nem de poupança podia levar o governo a virar as costas a 30.000 portugueses, quando, para arrecadar o que tenciona poupar na Alemanha com o encerramento do vice-consulado de Frankfurt, haveria muitas outras alternativas sem castigar utentes dos serviços portugueses na Alemanha. Uma delas seria reduzir um dos três consulados da Alemanha a Vice-consulado. O que se poupa num cônsul chegaria certamente para se manter um vice-consulado.

Esta mãe identificar-se-ia, “se quem de direito estivesse disposto a explicar, em conversa com os envolvidos e/ou seus representantes, as razões plausíveis para o encerramento”. A sua alta consciência civil e de responsabilidade levou-a a este protesto público, sentindo-se assim “ aliviada com aquela sensação do dever cumprido”. Resta à imprensa cumprir o seu, para que Portugal se endireite e levante para adquirir a dignidade que lhe é devida!

Consequentemente resultaria uma discussão pública (fórum) em que representantes do governo e dos afectados se reunissem para manter os serviços e conseguir poupar ainda mais dinheiro aqui na Alemanha.

António da Cunha Duarte Justo

Conselheiro Consultivo do Vice-consulado de Frankfurt

antoniocunhajusto@googlemail.com

0049 561 407783