ACTOS SIMBÓLICOS DE VISITA À UCRÂNIA NO DIA DA CAPITULAÇÃO ALEMÃ

No dia da Capitulação alemã (8.05.1945), celebrado no Ocidente a oito de Maio, a esposa do presidente dos EUA visitou a localidade de Uzhhorod na Ucrânia encontrando-se com a esposa do presidente ucraniano Silensky.

O primeiro ministro do Canadá Trudeau visitou Iripin encontrando-se com Markushin, presidente da câmara de Iripin.

Estes são actos simbólicos de grande significado. Isto porque se realizam no dia de uma comemoração importantíssima e decisiva para a Europa e para a Rússia e pela nova situação de confronto, que, na tragédia da Ucrânia, envolve a Rússia e a NATO!

Inteligentemente os visitantes não foram a Kiev. No meu entender, deixam a representação militarista mais à responsabilidade dos políticos europeus!

Os políticos ao dirigirem-se a Kiev muito mais que mostrar a solidariedade com o povo ucraniano querem manifestar a força NATO e a sua vontade de entrarem directamente numa guerra (De um lado a Nato e do outro a Federação russa)!

Na Rússia o dia da capitulação é celebrado no dia 9.05, porque Stalin exigiu que o documento da rendição fosse assinado em Berlim, dado terem sido os russos os primeiros a subjugarem Berlim! O documento que tinha sido assinado no dia 8 na cidade francesa de Reims, foi assim assinado com ligeiras modificações em Berlim!

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do tempo

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

11 comentários em “ACTOS SIMBÓLICOS DE VISITA À UCRÂNIA NO DIA DA CAPITULAÇÃO ALEMÔ

  1. O Justo é só de nome, porque em política é vesgo. Insiste na mentira de que a guerra é entra a Rússia e a OTAN (a “NATO”). Pela parte que nos toca, e somos portugueses e Portugal é membro da OTAN, não estamos em guerra e segundo o Justo deveríamos estar. Talvez o Justo tenha razão: estamos em guerra sim contra as mentiras e as defesas do tirano Putin. Por esse lado o Justo falaria justamente.

  2. Joaquim Pinto da Silva ,aqui o assunto não é de Justinhos nem de Pintainhos nem se trata de catalogar posições sejam elas de acordo ou contra a própria ideologia! Se a minha apresentação questiona a sua posição, essa não era a minha intenção. A minha intenção é fornecer dados ou análises para observarmos o que acontece sob várias perspectivas e que não só a de soldado! Independentemente das atrocidades que têm acontecido na Ucrânia, especialmente desde 2014, temos sido metidos pelos Media numa guerra de informação que pretende fazer dos cidadão soldados e eu não aceito ser soldado nem do regimento de Putin nem do regimento de Selensky/Biden. Muita gente ainda não se deu conta que especialmente já desde 2013 a Ucrânia tem sido usada como cavalo de troia e campo de batalha entre a Federação Russa e a NATO! Por isso não acho legítima uma discussão pública que hipocritamente só organiza o seu discurso a partir da intervenção russa de 24 de Fevereiro! Como se vê os generais da informação conseguiram as metas que se propuseram!

  3. Isso vejo eu, os generais da informação russos têm em si um adepto. Continua a falar de guerra Rússia- OTAN… que quer que lhe diga mais? Onde estão os exércitos da NATO? Responda sem ir aao que chama “ideologias”.

  4. Joaquim Pinto da Silva, quer provocar interpretando a minha atitude de maneira a poder acurralá-la num estábulo que não é o meu e assim fazer julgamentos que lhe aproveitem! Não gosto do cheiro dos currais sejam eles de onde forem embora reconheça a possível utilidade do estrume que produzem! O assunto era ACTOS SIMBÓLICOS DE VISITA À UCRÂNIA NO DIA DA CAPITULAÇÃO ALEMÃ, pelos vistos não entendeu o assunto que trato no texto! Compreendo que haja partidarísmos mas não aceito que partidários para se encontrarem mais seguros na sua posição se atrevam a tentar fazer dos outros adversários para os poderem atacar; isto numa lógicaa de guerra tal como tem acontecido há dezenas de anos na Ucrânia! Creio que esta conversa já não interessará a ninguém porque dela não se aprende nada e não vale a pena estarmos os dois a urinar no caudal do rio! Não tenho nada a obstar que o senhor seja a favor da Nato e contra a Federação russa, cada pessoa é livre de pensar e de optar.Por favor, creio que já estamos a perder tempo!

  5. Eu organizo sobretudo o meu discurso a partir do Ser Humano, já que quer aprofundar. E entre viver nos países da OTAN ou viver na Rússia eu, como a esmagadora maioria dos habitantes desses países, prefere viver a Ocidente. A desgraça que foi o regime soviético, continuada por Putin, não dá a este a mínima credibilidade. E estará aqui a nossa divergência fundamental: o regime soviético atraiçoou todas as esperanças de uma mudança social para milhões. Cristalizou um partido no poder, manteve a miséria do povo russo e daqueles países satélites. Quanto ao que sobra, o papel muitas vezes imperial dos EUA, a secundarização das democracias europeias face a esse poder, deveremos (?) estar de acordo. Mas quando há um exército a invadir o meu país, a discussão acaba, fica só o som das armas. E na Ucrânia o neo-fascista Putin é o inimigo: dos ucranianos e meu.

  6. Joaquim Pinto da Silva , de acordo com algo do que diz! Não sei porém com que óculos observa o que escrevo para poder concluir que sou pela intervenção de Putin! Precisamente porque me move a humanidade procuro escrever textos que levem à reflexão e não leve à produção de cidadão militarizados e na formação da própria opinião tenham em conta também a parte da moeda/verdade encoberta que geralmente é a do adversário! O que escrevo é no sentido de informar e entrar em reflexção, atendendo a que também a informação ocidental tem muito de tendencioso. Sabe, na Ucrânia a provocação entre a Federação russa e os USA/NATO criou, principalmente a partir de 2014 um alarido a armas e um cheiro a pólvora que produziu 17.00 mortos na Ucraina antes da invasão russa a 24 de Fevereiro. Não quero colocar ninguém no “quarto escuro” apenas me importa reflectir e apresentar alguns factos para melhor se compreender o que se passa. Compreender não significa porém aprovar; pode ajudar apenas a não se ser apressado nas decisões! A atmosfera social parece ser tão carregada que a impede de se ocupar e perceber o que apresentei no artigo!

  7. António Cunha Duarte Justo continua a manipular. SOU A FAVOR DA UCRÂNIA, e não a favor da OTAN. É isso que não quer que eu diga.

  8. Carlos Silva , tenho reflectido e investigado intensivamente desde 2014 e procurado dar a reflectir! Enquanto os produtores de informações não revelarem a verdadeira realidade que se encotra por trás deste conflito entre os USA e Rússia, iniciado a partir de 1991, portanto um conflito geopolítico, está-se a induzir a opinião pública em erro! A Ucrânia não pode continuar a ter de ser considerada a barreira entre os interesses estratégicos dos EUA e da Rússia, a Ucrânia terá de ser e ser usada como ponte entre a Europa e a Rússia (nela se encontra a europa ortodoxa e católica e em especial a interculturalidade russa e europeia representada). Os USA estão a abusar da amizade dos europeus e , desde 1991 têm forçado um conflito (quando na altura a Rússia estendia as mãos à Europa), um conflito que não deveria ter intensificado principalmente a partir de 2008 e decididamente a partir de 2014 com o golpe efectuado então contra o presidente pró-russo! Se não vê o aspecto fundamental do conflito que é geoestratégico não vtorna-se infrutífera a discussão, porque este aspecto é o que tem sido ocultado ao público europeu!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.