Quezílias gramaticais – Deturpar a Língua é apoucar o Espírito de um Povo

Apologia do erro pelo Gramatigalhas
Gramatigalhas aconselha o uso de pego em vez de pegado. No Brasil, por vezes, abusa-se da Língua e chegam a afirmar-se barbaridades em relação ao emprego dos tempos e dos modos de alguns verbos, em desperdício da língua culta do Brasil; assim, no verbo pegar chegam a confundir o presente com o particípio passado defendendo o emprego de pego em vez de pegado, como afirma gramatigalhas: “empregar, pego com os auxiliares ter e haver não pode ser considerado um erro; d) se pegado tende a desaparecer, o certo é que ainda existe e é usado em nosso idioma nos dias de hoje”.

A língua é a alma de um povo, o nosso trabalho é enriquecê-la e não empobrecê-la!

Quanto ao uso de Pegar e Apanhar:
Pegar e apanhar são dois verbos regulares com significação diferente. No dicionário o termo apanhar significa, levantar do chão, colher, agarrar, surpreender, arregaçar, pescar, contrair, roubar, entender com rapidez, levar pancada (muitos dos significados dependem naturalmente do contexto) e o significado de pegar é agarrar, fazer aderir, colar, unir, segurar, comunicar por contacto ou contágio, ganhar raízes e desenvolver-se, começar, etc., etc. O uso da língua implica sempre um emissor e um receptor em diferentes contextos, pelo que dar uma resposta inequívoca significa, por vezes atraiçoar o espírito da língua. Infelizmente tem-se abusado da língua para fins também populistas e ideológicos. Que o povo fale indiferenciadamente é natural; o que seria porém empobrecimento se a camada social culta se adaptasse a falares populares simples sem a preocupação pela diferenciação a nível de conteúdos linguísticos. A riqueza de uma língua revela-se pela sua capacidade de diferenciação e não pela sua simplicidade. Um fórum como o nosso poderá usar mais o português popular ou o português erudito segundo a maioria dos comunicantes. O uso das palavras aqui ou além tem a ver com o meio e a formação de quem as emprega, não se podendo delimitar facilmente o seu uso.

Quanto ao uso do Pego e do Pegado:
Antonio Henriques, ao preconizar o emprego de pegado como a “única forma aceitável do particípio passado de pegar” encontra-se na tradição científica e responsável do cultivo da língua. Quem defende “tenho pego ou sou pego” em vez de “sou pegado e tenho pegado” para uso da língua culta, encara a língua de forma arbitrária e diletante. O modernismo não pode ser argumento suficiente para legitimar a mutilação da língua. A língua supera também os gostos de uma presidente que prefere ser tratada presidenta. O emprego da língua não é arbitrário. O problema não se coloca tanto a nível de uso da língua em Portugal ou no Brasil, a questão coloca-se a nível de quem fala a língua: o povo com pouca formação ou os consumidores de cultura.
Pegar é um verbo regular e como tal forma o particípio passado segundo a regra geral gramatical. Pego é a primeira pessoa do presente do indicativo do verbo pegar. Pego também pode ser usado como substantivo masculino no significado de macho da pega. Pegado é a forma gramatical do particípio passado; uma coisa é a forma do presente e outra a forma do particípio passado; o uso do presente do indicativo pego na significação de particípio passado constitui um erro gramatical, talvez uma forma popular usada nalgumas regiões, mas constitui um empobrecimento do português em relação também a outras línguas. O português tem, em todos os verbos a forma verbal do particípio passado; acabar com ela em alguns verbos no português erudito e substitui-la pela forma do presente seria erro crasso. É natural que, em Português, tal como no latim vulgar e no latim erudito haverá, por vezes, diferenças. A língua culta caminha, geralmente, no sentido da diferenciação e não no sentido da simplificação; por isso a língua, muitas vezes se apropria, com o andar do tempo, da forma popular e da forma erudita, dando-lhes porém conotações diferentes. Naturalmente que também as pessoas que usam o português erudito (diferenciado) têm de consultar, de vez em quando, a gramática porque nem sempre há certeza e o critério do soar bem ou mal não é suficiente para se poder optar por qualquer forma.
Na gramática também há sempre um capítulo referente aos verbos irregulares com particípio passado ou passivo irregular como é o caso de feito/a do verbo fazer, dito/a de dizer, provido de prover, visto/a de ver, coberto/a de cobrir.
Há também os particípios duplos com uma forma regular (formado dentro da própria língua) e outra irregular (de origem latina); nestes a forma regular do particípio é empregada com os verbos auxiliares ter e haver e a forma irregular do particípio é empregada com os verbos ser e estar. Assim de pagar: tenho pagado e sou pago, tenho salvado e sou salvo, tenho segurado e estou seguro, tenho sujeitado e estou sujeito, tenho acendido, está aceso, tenho convencido, estou convicto, tenho corrompido mas estou corrupto; tenho descrevido mas sou descrito, tenho morrido mas sou morto, tenho prendido mas sou preso, tenho submetido mas sou submisso, tenho cobrido mas sou coberto.
O particípio na sua forma nominal emprega-se como adjectivo qualificativo, como absoluto e na formação da voz activa e dos tempos compostos: sou pegado, tenho amado
Infelizmente quem busca a informação na internet; por vezes, já não encontra certas palavras porque quem elaborou/disponibilizou a sua listagem é tendencioso ou apresenta só a forma usada no Brasil ou noutro país.
António da Cunha Duarte Justo
www.antonio-justo.eu

Social:

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *