CUMPLICIDADE DA ALEMANHA E DA EU NA INVASÃO TURCA CONTRA OS CURDOS

Conflito turco-curdo transportado para a Alemanha

Por António Justo

“Erdogan terrorista!”, tanques alemães, fora do Curdistão! “,”Merkel financia, Erdogan bombardeia!” „Afrin, Afrin!” são os gritos da marcha de 15 a 20 mil manifestantes, especialmente curdos, em Hanôver no Sábado passado (17.03.2018). Manifestam-se, tal como em outras cidades alemãs, contra a ofensiva militar turca no norte da Síria. Na sexta-feira, 16 civis foram mortos num ataque a um hospital da cidade Afrin de maioria curda.

A ofensiva turca “Ramo de Oliveira” no norte da Síria, no parecer do Serviço Científico do Parlamento Alemão, não é compatível com o direito internacional. O artigo 51 da UN Carta só permite o direito à autodefesa. Forças armadas turcas nesta ofensiva já “neutralizaram” 3.055 curdos, como relata o governo turco!

Ataques contra organizações e mesquitas turcas

Depois da invasão da Síria pela Turquia contra os curdos, a Alemanha assiste no seu território a uma série de ataques contra mesquitas e Instituições turcas.

Segundo a Ditib, (União turco-islâmica – organização tecto de 900 associações turco-islâmicas na Alemanha), nos passados dois meses houve ataques a 27 mesquitas e 12 empresas e clubes turcos na Alemanha.

Já que a imprensa não se escandaliza com o escândalo da perseguição ao povo curdo, os curdos e apoiantes parecem determinados a escandalizar para poderem ser ouvidos. Na Alemanha prossegue a guerra turco-curda na Alemanha com outros meios. Na Alemanha acumulam-se extremistas turcos, neonazistas, membros do IS e extremistas de esquerda à mistura com muita gente de boa vontade.

Na Alemanha vivem 3 milhões de cidadãos de origem turca e, destes, cerca de um milhão são curdos. O conflito entre os dois grupos é cada vez maior.

Esta concentração de ataques é classificada como reacção à invasão militar turca contra a organização curda YPG no norte da Síria junto a Afrin.

O Partido dos trabalhadores curdos (PKK) na Turquia e a Milícia curda YPG na Síria, lutam por um estado curdo independente no seu território de origem. Para impedir tal, o exército turco procura aniquilar os curdos do estado vizinho porque no caso de ser formado um estado curdo em parte do Curdistão vizinho (Síria) então a região curda da Turquia mais facilmente conseguiria esforçar o seu reconhecimento, se não com estado independente, como estado federado!

Turquia conquista Afrin

Ancara festejou ontem (18.03) a tomada de Afrin onde os soldados já destruíram a estátua de Kawa símbolo da luta curda contra a tirania. O Observatório Independente dos Direitos Humanos na Síria fala de 300 civis vítimas da invasão turca. A Turquia apoiada pelo grupo aliado FSA (exército sírio livre) tenciona prosseguir a invasão na direção de Manbidsh, contra a organização curda YPG aliada dos USA na luta contra o grupo terrorista IS (Estado Islâmico). A Turquia não tolera que o povo curdo faça do Curdistão o seu estado. De futuro prevê-se paralelamente ao terrorismo IS, a luta do povo curdo pela sua  independência, através da guerrilha, até que as nações lhe reconheçam o direito a um nome e a liberdade de mandarem na própria terra.

Quanto aos ataques às instituições turcas na Alemanha, as autoridades ainda apalpam o escuro no terreno e partem do princípio que são ataques de motivação política e veem nos actos de violência uma reacção à ofensiva militar contra os curdos; segundo a Polícia Criminal Federal (BKA), a cena esquerda identifica-se com a situação dos curdos; também o órgão de Proteção constitucional alemã relata a presença de membros do PKK nas demonstrações curdas na Alemanha; também as associações islâmicas veem a participação da organização PKK que é proibida na Alemanha. Os políticos alemães sentem-se inquietados com o potencial da escalação do conflito de modo que o Ministério do Interior já pensa em colocar as mesquitas sob proteção policial especial, tal como acontece com as sinagogas.

Cumplicidade no crime contra os curdos

Em nome da cooperação internacional, a Alemanha faz negócio com armas apoiando a Turquia na guerra contra os curdos da Síria.

Este ano o governo alemão, após a invasão da Síria pela Turquia, aprovou a entrega de armas à Turquia no valor de 4,4 milhões de euros.

No mesmo espaço de tempo do ano passado tinha exportado armas no valor de 3,6 milhões. Sahra Wagenknecht do partido Die Linke (A Esquerda) acusa a Alemanha de cumplicidade e de ajuda à Turquia na invasão da Síria e no crime contra os curdos. Mais dados sobre o negócio de armas, aqui.

O ódio divide a sociedade e não pode ser justificado pela solidariedade com os curdos na síria nem com a solidariedade da Alemanha com a Turquia ao apoiá-la e fornecer-lhe armas da morte. Por outro lado, ataques a instituições religiosas são também ataques à liberdade.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo,

 

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Cultura, Economia, Migração, Política. ligação permanente.

5 respostas a CUMPLICIDADE DA ALEMANHA E DA EU NA INVASÃO TURCA CONTRA OS CURDOS

  1. Segundo a polícia, este ano já ocorreram 37 ataques a mesquitas, associações culturais e restaurantes por ativistas curdos. No ano passado foram 13.
    O Tribunal das Nações Unidas e dos Direitos Humanos condenou a Turquia a pagar 21.500€ a dois jornalistas injustamente mantidos presos na Turquia e que apresentaram queixa. Existem centenas de milhares de violações dos direitos humanos na Turquia, referem as NU.

  2. Manuel Adaes diz:

    Entretanto,o Sultão continua atacar um país soberano que é a Síria, e até já está a a pensar ir ao Iraque combater os CURDOS .Tudo isto com ajuda da Nato,com tanques que os alemães lhe venderam,com dinheiro que a União Europeia para parar a vinda de refugiados para Europa. O Gabriel mentiu ao dizer que nem mais um tanque e não só, à Turquia. Entretanto o Putin também aproveita para entrar no negócio. Está para breve uma cimeira entre os osmanos,Russos e Iraneses para debater o problema Sírio. Pobre gente que morrem aos milhares….
    Manuel Adaes
    FB

  3. Na Turquia temos uma “democracia” transformada em ditadura da maioria!
    É realmente um escândalo o facto de um país da Nato como a Turquia se tornar em agressor de um país vizinho e os seus soldados se dedicarem à pilhagem do pobre povo curdo invadido como se nos encontrássemos hoje como nos tempos de Maomé em que este pagava os grupos de assalto com a pilhagem das terras invadidas. Os Estados europeus calam o que está a acontecer e a imprensa fala pouco do assunto. Erdogan tem os países da EU na mão porque tem o poder de deixar vir para a Alemanha os refugiados mantidos na Turquia em grande parte a custos dos países da EU. O governo alemão, que quer impedir, a todo o custo, a vinda de refugiados em massa para a Almanha e quer fazer o negócio com as armas, etc com a Turquia baixa a voz e subjuga-se ao sultão.

  4. Fernando Hernandez de Alba diz:

    Hasta cierto punto tienes razón. El pueblo curdo no tiene los derechos primordiales de vivir en paz o libertad.
    Ahora otra cosa, y es que Alemania no es cómplice de Turquía, sino aliada. Igual que lo es Portugal o España. Si tienen armas nuestras, es por motivos que nos unen por el contrato de la Nato.
    Alemania tiene suficientes problemas con Turquía por los periodistas alemanes en prisiones turcas.
    Fernando Hernandez de Alba

  5. O problema com os jornalistas é apenas grande por dar nas vistas mas não é tão relevante como a invasão e o problema dos refugiados. O governo da Alemanha já condenou o proceder turco! O maior problema da Alemanha é estar dependente da Turquia no que toca à vinda de mais ou menos refugiados para a Alemanha. Mas este é também um problema europeu que já pagou bilhões de euros à turquia para que a Turquia retenha os exilados..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *