ANIVERSÁRIO DE PORTUGAL CAMPEÃO EUROPEU 2016

Ronaldo – O Anjo da Equipa Nacional

Por António Justo

Hoje, 10 de Julho, faz um ano que a Seleção Nacional venceu o campeonato da Europa, na final contra a França (1-0).

A selecção nacional começou o Europeu 2016 fraca, mostrou-se moderada no meio do torneio e revelou-se eficiente no fim.

Apesar da coesa seleção ter Ronaldo, a imprensa internacional e as claques não acreditavam em Portugal. Como Portugal tinha perdido no Mundial 0-4 contra a Alemanha, os alemães pensavam que Portugal não chegaria às finais do Europeu.

Durante o torneio, Portugal viu-se sozinho a acreditar nele mesmo: é o caso para dizer Portugal porque, com a equipa, jogava Portugal inteiro.

O futebol português já tinha chegado muitas vezes às meias-finais e uma vez à fatídica final em que perdeu em casa.

Portugal que fazia parte do grupo F iniciou o jogo 1-1 contra a Islândia, recém-chegada ao campeonato 2016.

O 0-0 contra a Áustria e o 3-3 contra a Hungria mostrava que Portugal, tal como na política, andava atrás das suas possibilidades. Nestes jogos, tinha jogado sozinho, sempre contra a sorte. Demonstra que não chega o jogo para se chegar à victória. Sem victórias a selecção consegue o terceiro lugar de vencedor nas eliminatórias das oitavas finais. A equipa de Ronaldo esforça-se mais que o tempo lhe permitia, conseguindo, no prolongamento, o 1-0 contra a Croácia.

O jogo foi um exercício de paciência para os portugueses que desesperadamente aplaudiam. O aplauso e a esperança conseguiram as quartas de final contra a Polónia onde, além das” horas extraordinárias” teve de recorrer à disputa dos penáltis, vendo aí premiadas a vontade e o esforço. Depois do 1-1, com os penaltis, chega-se ao resultado Portugal 5-Polónia 3.

Segue-se depois o dia em que o Sol brilhou no gramado das meias-finais: dois para Portugal e zero para o País de Gales.

Portugal sentado no banco  com o seu anjo a sofrer

No Final contra a França, que jogava em casa, Ronaldo é ferido logo no início do jogo; então a equipa do treinador Fernando Santos, passa a lutar por Ronaldo e por Portugal. O mestre Eder consegue a proeza da victória metendo um golo no prolongamento: 1-0 para Portugal. Portugal, apesar de muitas voltas sentimentais, consegue com honra e com mérito ganhar o campeonato.

Lágrimas correram nas faces de Cristiano Ronaldo: umas de amargura e outras de tristeza, durante a final.

Neste longo dia, o Euro 16 tornou-se na coroação das três vezes em que Cristiano Ronaldo foi o melhor jogador do mundo.

O homem decisivo para os momentos decisivos foi ferido no 8° minuto por Dimitri Payet e chora de dores e de desespero por ter de deixar a equipa no momento em que ela mais precisava dele. Teve de deixar o seu palco, levado numa maca.

Todos fomos testemunhas das lágrimas a correrem-lhe na cara e as dores no rosto e como com Ronaldo no banco, todo o Portugal desespera.

A equipa portuguesa, consciente de que em momentos decisivos não é só boa a nível individual, mas também como equipa, pega no jogo com a cabeça e com os pés consciente que só juntos por uma causa se conseguirá vencer; então um por todos e todos por um (Ronaldo) combatem como leões numa arena de grandes.

Ronaldo, agora na Zona de treino ao lado do treinador e na linha lateral encoraja os colegas em campo. No 109° minuto Eder marca o Golo e no rosto de Ronaldo correm agora lágrimas de contentamento.

Portugal consegue a meta gloriosa.

Enquanto Portugal jubila, a equipa francesa, chorava incontidamente  com Blaise Matuidi e Antoine Griezmann.  No rosto de França via-se a dor do “Cruel e terrível” xeque-mate na própria casa.

Na Arena de Paris, Portugal deu o exemplo de Portugal unido, e de um Portugal não perdido nas divisões de interesses corporativos e de partidos (Foi um momento da união só também tido no passageiro 25 de Abril e no apoio ao povo de timor!).

Precisamos de um Portugal verdadeiramente português que se sinta ele e acredite nele; precisamos de políticos nacionais à altura dele!

Portugal tem muitíssimos “Ronaldos” e muitos “Fernando Santos” sentados no banco dos suplentes e da assistência, impedidos e sem hipótese, sofrendo, até ao desespero, com a falta de espírito de serviço e de equipa dos nossos Governos e Parlamentos.

© António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Esta entrada foi publicada em Arte, Cultura, Economia, Educação, Política. ligação permanente.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *