BOCA DO CIDADAO EUROPEU VAI SER MAIS DISCIPLINADA

“Polícia europeia do Gosto”
António Justo
A Comissão da União Europeia vai decidir, o mais tardar no princípio de 2009, uma Directiva europeia sobre o perfil do valor nutritivo dos produtos alimentícios que além de terem de apresentar uma relação detalhada das substâncias alimentícias verão limitada a possibilidade de fazer reclames, no caso de excederem a norma.

Assim, pão que tenha mais sal do que o previsto verá limitada a sua publicidade. 100 Gramas de massa não devem ter mais que um grama de sal. A arbitrariedade burocrática leva a considerar recomendável o pão branco que efectivamente não é saudável mas tem menos sal que o saudável pão integral com 1,5 gramas de sal em 100 gramas.

Na realidade um nonsens. Uma baguette de pão branco francês, não recomendável para a saúde, ganha contra a saudável fatia de pão escuro alemão. Se os padeiros alemães deixarem!…

Padeiros alemães ridicularizam as pretensões da Comissão designando a iniciativa como “polícia europeia do gosto” que quer uma “uniformização europeia do gosto”.

A posição indiferenciada que se tem observado em directrizes do género possibilita uma campanha contra a produção de víveres tradicionais. O mesmo que se assiste nas campanhas contra as culturas nacionais em benefício dum internacionalismo colectivista observa-se também contra a agricultura: maçãs de cara lavada sem borbulhas e a correspondente descriminação das pequenas ou deficientes, etc! O progressismo parece estar de relações cortadas com a cultura; por enquanto ainda vai poupando as culturas migrantes exóticas de fora!

Nesta luta encontram-se da parte da Directiva as organizações de defesa do consumidor contra a obesidade tensão arterial e doenças de circulação. De facto há produtores que abusam na sua propaganda louvando certas substâncias saudáveis mas calando quantidades excessivas de açúcar, gordura ou outras substâncias indesejáveis.

Para se impedir um erro comete-se outro. Colocam sob tutela todo o cidadão que cada vez se vê mais privado da sua responsabilidade. O estado começou por nos proibir o porte de armas prometendo-nos justiça, depois meteu-nos a mão no bolso prometendo mais solidariedade, depois até na cama e na vida de relação sexual entrou. Só parece terminar quando nos possuir todo.

A União Europeia determina e depois o ministério da saúde em Portugal que se arme em polícia. Haverá então muitas surpresas quando muitas especialidades da região, forem postas na lista negra.

O problema da pobreza não é regulamentado! De facto, muita da gordura que se vê especialmente nos bairros sociais das cidades é fruto dos produtos baratos que consomem. Uma das boas medidas preventivas seria: proibida a entrada a pessoas em bairros sociais; proibida a exploração do Homem pelo homem!…

António da Cunha Duarte Justo
antoniocunhajusto@googlemail.com

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.