11 DEPUTADOS DE ORIGEM TURCA NO PARLAMENTO ALEMÃO AMEAÇADOS DE MORTE

 

Europa a Caminho da Polarização e dos Extremismos

Por António Justo

Depois de o Parlamento alemão ter declarado o massacre Turco-otomano aos arménios como genocídio, os 11 deputados de origem turca no Bundestag têm recebido ameaças de morte que partem de associações turcas na Alemanha e de apelos vindos da Turquia. A situação é tão séria que dois deputados (Özdemir e Özcan Mutlu) já têm protecção pessoal da polícia.

Der Spiegel cita o protesto das associações turcas, onde estas afirmam que 90% dos turcos são contra a resolução. As reacções de Erdogan e das associações turcas mostram que estes partem do princípio que os deputados turcos no Bundestag deveriam ser o lóbi da Turquia na Alemanha. Erdogan, interessado em fortalecer o seu regime extremamente autoritário, usa para tal a mobilização do sentimento nacionalista contribuindo, especialmente ele, para o aquecimento do estado de ânimo que levou a estas reacções. Na opinião do presidente Erdogan os 11 deputados são o braço alongado dos terroristas e do partido curdo PKK.

Os 11 deputados de origem turca, na qualidade de deputados alemães, têm que defender os interesses alemães… Independentemente do momento da resolução ser ou não oportuno ela quer levar à consciência pública a gravidade do massacre e a injustiça da História em relação ao povo arménio numa sociedade, que passados 100 anos do crime, não quer reconhecer as suas barbaridades cometidas quando a Alemanha reconheceu as próprias (genocídio dos judeus) depois de 12 anos. Na resolução também se condena a cobertura do regime alemão de outrora ao regime turco. Houve algumas associações turcas, especialmente curdas que saudaram a resolução.

Já antes da resolução do Parlamento alemão, organizações turcas na Alemanha tinham organizado uma manifestação de protesto, com mais de 2.000 pessoas em Berlim, com cartazes e com entoações como estas: “Parlamentos nao sao tribunais… “Allah-u Akbar, ” Alá é Grande”,  “A Turquia é a maior”, “A mentira do genocídio”… A sociedade turca, que nunca se manifesta através de manifestações contra as barbaridades cometidas por salafistas e extremistas que saem das próprias comunidades para combaterem ao lado do Estado Islâmico, levanta-se agora em peso contra uma resolução.

A Europa parece cada vez caminhar mais no sentido da desunião e de extremismo. A Áustria dividida em dois campos, a Alemanha unida nos partidos do governo mas com parte da Europa contra ela, a negociação com a Turquia (“Pacto para os Refugiados”), uma social-democracia com os partidos da esquerda a virá-la para a esquerda e uma direita a fugir do centro a querê-la à direita, enfim, uma salada russa difícil de digerir.

A reacção turca na Turquia e na Alemanha estatuem um exemplo dos problemas de futuro numa Europa que se quer aberta mas onde os nacionalismos dominam devido ao falhanço da política e em grande parte por culpa da própria EU.

Quando os políticos de um país não estão à altura de um certo desenvolvimento europeu sevem-se de acções como esta que fortalecem o nacionalismo turco unindo os secularistas turcos e os religiosos de Erdogan. Um acto de justiça para com a Arménia incendeia a Turquia. Esperemos que tenha sido bem-intencionado! O Parlamento não foi certamente diplomático ao ignorar a violência própria do poder e a necessidade de o povo querer ser enganado. O governo turco deveria contradizer as ameaças de morte provindas da própria sociedade. Não o fará porque, infelizmente, em questões de poder quem pode não cede.

Moral da fábula: Complexos de inferioridade e sentimentalismos nacionais não devem ser descurados. Nem a humilhação nem o orgulho são bons conselheiros. O Extremismo nacionalista é apresentado nesta novela, na bandeja de uma europa da Bela Adormecida

 O nacionalismo vem dar força a muitos turcos que vivem no meio de uma sociedade aberta que os deixa entregues a si mesmos e a muita gente sistematicamente desestabilizada pelo politicamente correcto e que agora anda à procura de segurança e de certezas.

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do tempo

11 DEPUTADOS DE ORIGEM TURCA NO PARLAMENTO ALEMÃO AMEAÇADOS DE MORTE

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Um comentário em “11 DEPUTADOS DE ORIGEM TURCA NO PARLAMENTO ALEMÃO AMEAÇADOS DE MORTE”

  1. O que é lamentável é que a consolidação de uma soberania se dê as custas do sofrimentos de outras culturas. Os armênios a muito ocupavam ali terras, penso, obviamente sob o olhar de 2016 (dias atuais) que poderia ser muito diferente, mas foi a intolerância que predominou.
    Antes foram os bisantinos, depois os armênios, a bola da vez serão os curdos? É o que parece.
    A visinha Geórgia passou pela necessidade de conviver com culturas distintas em seu território. Não conseguiu, por na região os interesses são muitos, pagou um alto preço com a peca de soberania sobre duas regiões, Abcassia e Ossétia do Sul, curiosamente mulçumanas em um país cristão e graças a uma Russia, que também ali mantêm historicamente seus interesses geopoliticos.
    O Caucaso parece ser palco de conflitos indiretos de duas potências, Turquia e Russia.
    Um pouco mais distante, Othan (EUA) e Russia.
    Tudo parece indicar que os conflitos não param aqui.
    Saudações,
    Vilson
    in Diálogos Lusófonos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *