A INCLUSÃO CONTINUA A SER UM ESTRANGEIRISMO NO DISCURSO POLÍTICO PORTUGUÊS

Lógica da Gadanha e da Batata levam à incapacidade do compromisso para o Bem-comum

Por António Justo
“Seria uma obscenidade política o próximo governo ser liderado por quem perdeu as eleições” disse um Pires de Lima que, em vez de limar as arestas dos partidos no sentido de um compromisso de coligação útil para Portugal, aposta na conversa barata apoiante do tipo de discurso com que se tem estabilizado a corrupção, o compadrio e o sistema partidarista português.

Segundo as eleições não houve propriamente nenhum partido vencedor por muito que o gostássemos da cor do sangue ou da cor do bronzeado das praias. O compromisso de PS e PSD com a Zona Euro impede-os de serem de esquerda ou de direita em matéria de confissão nacional. Muito do povo contundente ainda não percebeu isso limitando-se a desviar a água de Portugal para o seu moinho e a urinar só para o rio. Nesta situação quereríamos continuar a ser um “jardim à beira-mar plantado” a trabalhar só para o bronze (de alguns)!

Pelos resultados das eleições o povo queria a formação de um governo de grande coligação com os partidos mais votados porque sabia que o PS defende a política de Bruxelas (da Zona Euro). O que interessa ao povo são soluções para Portugal. O sistema partidário português prefere conversa fiada a tomadas de medidas realistas de compromisso que beneficiariam o povo de Portugal.

De um lado, uns com o rei na barriga e do outro, outros com a rainha na barriga. Assim se mantem um Portugal sempre pobre, por tanto amor dos partidários da cor da camisola! Como cada partido e cada adepto só conta com a sua barriga e tê-la cheia de razão (dogmática) com curvaturas de tipo leguminista ou carnista, não se vê hipótese para soluções equilibradas e úteis; cada qual só avista o Portugal das suas cearas ou das suas manadas pretendendo encurralar um Portugal plural e rico não numa só gamela. A história é às vezes mestra da vida mas o país recusa-se a evoluir porque rejeita reconhecer a variedade e a beleza dos seus diferentes biótopos.

Da Verdade das Cores do Arco-íris

A realidade, tal como a lógica, tem muitas perspectivas. De um lado, os do carpe diem com a ideia do não é para se fazer mas para se ir fazendo e do outro, os que gozam o dia porque sabem que o povo não exige o tal querer para poder e assim vão podendo e querendo à medida que o pasto rico vai chegando para a sua manjedoura. Portugal precisaria certamente de mudar mas, como vai tendo para ir sobrevivendo, evita a dor do pensar e o consequente incómodo de mudar. Por isso basta-lhe o equilíbrio das suas energias entre o seu génio temperado e a sua expressão de revoltado.

Ainda não descobrimos que o problema não está nos outros mas em nós (indivíduo, partido ou país), nem que a razão de ser portuguesa está na diferença geografia diferenciada, na diferença de ideias e temperamentos que precisariam, para se tornarem efectivos, do espírito de iniciativa inovadora, da tolerância e do compromisso. A verdade é como o arco-íris, que reúne todas as cores, mas que ninguém pode agarrar só para si nem tão-pouco fazer dele uma só cor. Este é o dilema da situação de Portugal político onde as elites garantem ao povo que o arco-íris é seu; na realidade, nem o ser da própria cor conhecem. O grande problema não vem tanto de todos termos razão ou do espírito de cumplicidade mas da incapacidade de sermos pessoas de compromisso e nos deixarmos embalar pela sereia do amanhã com os seus acordes de fatalidade do destino.

Do Povo de Mouras encantadas a adiar a Vida e a Verdade

Na realidade se prestarmos atenção ao testemunho dos nossos grandes escritores de todos os tempos constatamos que o retrato do povo e suas elites, feito por eles, se repete. É um problema crónico de cumplicidade entre governantes e governados. E o fado entoa em nós sempre a mesma entoação: o acorde da queixa. Num meio assim não há culpados nem desculpados, somos como somos e por isso o génio da cultura teima em desculpar a falta do agir com a ideia de “a culpa morreu solteira” ou ainda “casa em que não há pão todos ralham e ninguém tem razão” e para completar a ladainha dos nossos actos de fé desculpamo-nos com o argumento que impede a mudança da situação, pois, de facto se constata que “ladrão que rouba a ladrão tem cem anos de perdão”. O cinismo do problema vem do facto de todos nós sermos povo e ninguém conseguir ultrapassar o tempo da responsabilidade que começaria a partir dos cem anos.

Da Lógica da Gadanha e da Batata

A lógica da gadanha é presunçosa, confunde a norma com a própria opinião; fala de cima para baixo; prejudica pessoas inocentes ou indefesas usando para a sua argumentação generalizações, ataques baixos, mal-interpretação dos factos ou usa ainda citações fora do contexto. Usa uma lógica perversa justificando as barbaridades do presente com as barbaridades já passadas. Engana-se a si mesmo julgando-se num reino isento, no reino de uma verdade mesquinha que só encontra relva para a sua gadanha.

Em Tempos de Mentiras e Meias-verdades
Num passeio que hoje fiz com Nietsche discutimos muito sobre o “Homem-Superior” e a “vontade de poder”, sobre a verdade e a mentira; a conversa não foi fácil mas, finalmente, chegou-se a acordo quando Nietsche disse: “A principal mentira é a que contamos a nós mesmos.”
António da Cunha Duarte Justo
Pegadas do Tempo www.antonio-justo.eu

Social:

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *