DOM BOSCO E A PEDAGOGIA DA ALEGRIA

O Carisma salesiano é pioneiro na Educação

António Justo

Hoje, dia 31 de Janeiro, é um grande dia! Celebra-se a festa de Dom Bosco (nascido a 16 de agosto de 1815 Asti, Itália e falecido em Turim a 31 de janeiro de 1888), o fundador dos salesianos.

Em Dom Bosco juntam-se a realidade e o sonho. A sua dedicação à juventude (especialmente a mais pobre) era uma verdadeira liturgia. Por isso, ainda hoje, a juventude, que teve o privilégio de passar pelas casas de Dom Bosco, considera os salesianos como grandes beneméritos e amigos.

Dom Bosco, pai da família salesiana, foi designado de “pai e mestre da Juventude” por João Paulo II. Viveu numa época conflituosa e de costumes ásperos do processo da unificação da Itália. Com o seu espírito conciliador, consegue ultrapassar as intrigas políticas e religiosas do tempo e colocar tudo à sua volta ao serviço dos jovens. Neste sentido resume, na sua oração e acção, a frase do rei de Sodoma a Abraão “Da mihi animas cetera tolle” (“Dá-me as pessoas e fica com os bens para ti”) e que, no sentido da mística de Dom Bosco, se expressava na oração “Ó Senhor, dá-me almas e toma todas as outras coisas”. No mesmo espírito Dom Bosco dizia aos seus colaboradores: “Quando tiver espinhos, ponha-os na coroa de Jesus.” Aquele ficou o lema da congregação salesiana, que fundou e se encontra espalhada por todo o mundo, ao serviço da juventude, com escolas do ensino básico e secundário e com escolas profissionais médias e superiores; os salesianos também se dedicam na sua especialidade ao trabalho missionário.

O Sistema Preventivo da Pedagogia Salesiana

A pedagogia preventiva salesiana resume-se nas palavras “amor, razão e religião”. No sistema preventivo, o educador “não ama para educar, educa porque ama”. “A prática desse sistema é toda apoiada sobre as palavras de São Paulo, que diz: A caridade é paciente, é benigna, tudo sofre, tudo espera e suporta qualquer incómodo”.

Uma vez que lhe fizeram uma pergunta sobre o seu sistema educativo respondeu: “O meu sistema? Simplicíssimo: deixar aos jovens plena liberdade de fazer o que mais lhe agrada. O problema é descobrir neles germes de boa disposição e procurar desenvolvê-los”. De facto, para Dom Bosco, “Os meninos são bons; se há meninos maus é porque não há quem cuide deles”.

A sua pedagogia preventiva baseada no amor, no carinho e no respeito pela criança/jovem, contrariamente aos hábitos daquele tempo, não recorre à violência. Trata de prevenir os males sem lesar a liberdade da pessoa. No recreio, servia-se de palavrinhas que dizia ao ouvido de algum que precisasse de apoio ou reflexão.

Recomendava aos educadores, que denominava de assistentes: “Os jovens não só devem ser amados, mas devem saber que são amados. A primeira felicidade de um menino é saber-se amado.” Trata-se de ir ao encontro da juventude nas condições que lhe são próprias. “É impossível educar bem a juventude se não se lhe conquista a confiança” e esta cultiva-se na alegria do viver e por isso “uma casa sem música é como um corpo sem alma”. “Conseguir-se-á mais com um olhar de bondade, com uma palavra animadora, que encha o coração de confiança, do que com muitas repreensões que só trazem inquietações e matam a espontaneidade”.    

No seu sistema a religião é um elemento que dá profundidade e autonomia à personalidade. Um jovem com fé é forte porque não anda sozinho tem a experiência íntima de comunidade. “Quem é humilde é amável, será amado por todos, por Deus e pelos homens.” Um dos seus lemas era: “Reprovemos os erros, mas respeitemos as pessoas.” E acrescentava “Suporta de bom grado os defeitos alheios, se queres que os outros suportem os seus.”

Era da convicção que a pobreza se ultrapassa com formação. A sua estratégia concretizava-se no “é preciso ensinar a pescar em vez de dar o peixe”. Por isso fundou o oratório que albergava crianças da rua, com os quais queria ver os seus colaboradores a jogar e trabalhar de mangas arregaçadas.

Um ritual importante das casas salesianas era a boa noite. Ninguém devia ir dormir sem ouvir uma palavra de optimismo e sem um sorriso no coração.

Na sequência dos seus passos, a congregação Salesiana dedica-se por todo o mundo à educação da juventude. Terra onde os salesianos entram torna-se terra abençoada.

O carisma salesiano é pioneiro porque o assistente/professor embarca com o jovem onde ele está, ganha-lhe a confiança, passando de assistente a amigo. Tive a felicidade de ser educado por “assistentes” que viviam a pedagogia e a didática acima descrita! Ainda hoje, recordo e sinto os pedagogos e colegas de outrora como familiares e amigos!

António da Cunha Duarte Justo

www.antonio-justo.eu

Social:
Pin Share

Social:

Publicado por

António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa

3 comentários em “DOM BOSCO E A PEDAGOGIA DA ALEGRIA”

  1. Saudação aos participantes e ao sr. Antonio Justo

    Conheço razoavelmente bem a história de Dom Bosco, pois estudei em colégios salesianos. Minha esposa participou como professora voluntária no programa salesiano de educação de jovens e adultos, em São Paulo, onde estou radicado.
    Assisti ao filme italiano que retrata a historia da vida de Dom Bosco, que aliás é o patrono de minha cidade natal, Brasília- DF, onde possui uma ermida com seu busto, as margens do lago Paranoá, de onde, é possível ver-se o Palácio do Planalto, sede do poder executivo brasileiro. Homem raro, que acreditava firmemente em seus altos valores a ponto de confrontar o próprio clero de sua religião. Homem que sabia amar, quanto mais, educar.
    Tenho grande admiração por este homem e espero que ele venha a estar presente na religião brasileira por mim aqui já aludida (não sei, mas talvez já esteja presente, uma vez que grandes homens costumam estar nos bastidores de muitas religiões, ainda que se notabilizem em apenas uma, pois são mistérios em sí).
    Abraços aos participantes,
    Vilson
    in dialogos_lusofonos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *