COPA DO MUNDO NO QATAR EM PERIGO

Vice-presidente do Parlamento alemão contra o Mundial 2022 no Qatar

António Justo

Qatar tem de resolver o conflito, com os seus seis parceiros árabes, se não quer ver em perigo a realização da Copa do Mundo de Futebol em 2022.

Cláudia Roth, vice-presidente do Bundestag alemão declarou-se contra a adjudicação da Copa do Mundo em 2022 no Qatar advogando a revisão da atribuição (HNA, 07.06). De facto, não sendo Qatar “um país de futebol”, a adjudicação nada tem a ver com o “desporto, mas com o dinheiro”. Qatar não considera as normas básicas de direitos humanos e além disso houve “corrupção na adjudicação”.

Também o presidente alemão da DFB, membro novo na FIFA, se pronunciou contra a concessão de torneios a países que apoiam o terrorismo, alegando que adjudicações só deveriam ser feitas a países que defendam o respeito dos direitos humanos, a liberdade de imprensa e respeitem normas ambientais.

Se a FIFA e o mundo ocidental não usassem uma atitude hipócrita, os representantes do Qatar teriam sido obrigados a renunciar ao apoio económico do terrorismo internacional para poderem ver realizada a Copa mundial no seu emirado. A FIFA sem requisitos morais, tem-se mostrado apenas interessada no dinheiro. Por isso não teve escrúpulo em aceder a realização da Copa do Mundo num país que apoia activamente o terrorismo.

O clube Real Madrid acedeu a tirar a cruz cristã da coroa do seu emblema nos produtos a serem comercializados no mercado árabe por uma firma têxtil que comprou os direitos de comercialização de produtos relacionados com o Real Madrid (Tischerds, etc.) nos Emirados Árabes Unidos. O club fez uma parceria com o banco Abu Dhabi dos Emirados Árabes (Arábia Saudita, Qatar, Kuwait, Bahrain e Omã). Quando se trata de negócios com os árabes, os europeus renunciam até aos símbolos da sua identidade. De facto, identidade e honra, não são materiais com que se faça dinheiro; os árabes jogam na avançada porque possuem identidade, honra e dinheiro.

Em contrapartida os europeus mostram-se tolerantes, à sua maneira, suportando na Europa o uso do lenço como confissão e propaganda aberta pelo arabismo retrógrado. Em nome da liberdade (e ainda bem para a liberdade!) dizem bem ao uso do véu na cabeça, como legítimo símbolo cultural do domínio do homem sobre a mulher, precavendo assim o atractivo bom-exemplo da mulher submissa!! A intolerância conta com a força do dinheiro e com a disponibilidade dos que se deixam comprar. O dinheiro e o negócio juntam interesses sem que se misturem!

 

Qatar é um grande patrocinador do terrorismo

 

Qatar, um emirado do Oriente Médio, fomenta o islamismo e apoia a Milícia Hezbollah na Síria e no Líbano. Apoiou o movimento terrorista “irmandade muçulmana” no Egipto, apoiou os islamistas sunitas na Tunísia contra a juventude reformista dando milhões ao Partido Emndha, parceiro da Irmandade Islâmica, que assumiu lá o governo; apoia a organização terrorista Hamas que governa na Faixa de Gaza; apoiou o movimento da Primavera Árabe no sentido dos islamistas saírem como vencedores em todo o norte de áfrica; deste modo, apoiando-os com dinheiro defendia-se deles. Se o movimento se democratizasse constituiria um perigo à porta. Apoia a insurreição islamista em todo o mundo porque esta é a melhor maneira de impedir a democracia e a liberdade que se tornaria numa ameaça para a monarquia absolutista de Al-Thani, que tem Qatar nas mãos através dos seus milhares de familiares; os cidadãos não pagam impostos. A estratégia de desestabilizar os vizinhos tem tido sucesso.

A potência económica Qatar faz tudo isto, pela porta traseira não oficialmente, para poder negociar à vontade com o Ocidente que hipocritamente, por razões económicas, fecha os olhos aos fomentadores do terrorismo e em casa contenta os cidadãos com palestras vistosas de que o Estado já não pode assegurar a segurança dos cidadãos nas grandes cidades!  14% das acções da VW e do Deutsche Bank estão nas mãos de Qatar.

A família monárquica Al-Thani, mantem-se no poder desde há gerações.

Já o poeta e dramaturgo comunista Bertolt Brecht dizia “primeiro está o comer e depois a moral”!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo,

 

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Esta entrada foi publicada em Cultura, Economia, Política, Religião. ligação permanente.

Uma resposta a COPA DO MUNDO NO QATAR EM PERIGO

  1. Maria Manuela diz:

    Artigo muito interessante tanto mais que em Portugal os mídia não aprofundam
    este tema. Aprendi muito neste artigo, o que muito agradeço.
    MM

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *