LIBERDADE DE IMPRENSA OFENDIDA NA ALEMANHA

Irritação e Medo: Chefes de Governos boicotam Debates públicos de TV com o Partido AfD

Por António Justo
A Alemanha sente-se muito insegura desde que o governo de Merkel abriu as fronteiras, sem controlo, aos refugiados; agora os políticos andam um pouco descontrolados. O povo ferve e os tradicionais representantes do povo de esquerda e direita sentem-se inseguros perante as perdas que irão ter nas próximas eleições em 2017 e de que as eleições intermédias para cinco parlamentos federados (Länder) em 2016 serão um primeiro aviso. As próximas eleições no de Baden-Wurttemberg realizam-se a 13 de Março 2016.

Os chefes dos governos da Renânia-Palatinado (Dreyer SPD) e de Baden-Wurttemberg (Kretschmann, Verdes) boicotaram os duelos de TV aos representantes do AfD (Alternativa para a Alemanha) na campanha eleitoral das eleições dos respectivos estados federados.

As empresas públicas de TV-radiodifusão SWR e WDR aceitaram o boicote determinando não aceitar a participação do AfD nos duelos dos candidatos-cabeça dos partidos. Também por aqui se nota a cumplicidade entre governos e empresas de TV públicas. Esta medida é uma vergonha para o jornalismo alemão tendo sido logo criticada por todos os jornais alemães.

O povo insurge-se em uníssono contra tal medida. Uma política e um jornalismo que até agora boicotava a ascensão do AfD, embora este seja um partido democrático, vêem-se agora desmascarados. Este partido reúne em torno dele os que têm a sensação de impotência e de serem abandonados pelo sistema. As previsões eleitorais contam 10 e 15% para o AfD. Este encontra-se já representado em 5 parlamentos regionais.

Enquanto a classe política alemã está a perder a cabeça, o povo mostra que ainda a tem no lugar e que está consciente do seu poder; de facto todos os partidos estabelecidos têm medo que o povo lhes peça contas do que têm feito com a política de refugiados e os castigue. A falta de argumentos nos partidos não pode ser substituída pela estratégia de ignorar argumentos.

Quando num país tão prudente como a Alemanha, políticos cometem tal erro, é de imaginar o nervosismo e o medo dentro dos partidos que até agora circulavam em torno do poder. De notar que apenas os partidos de esquerda, SPD e VERDES tomaram tal medida de exclusão de um partido, tendo, até, sido criticados pela CDU, apesar deste partido vir a ser o mais prejudicado com a ascensão do AfD. A nova geração de políticos alemães dá a impressão de desconhecerem as regras mais elementares da democracia e não terem em conta os grandes políticos que depois da guerra construíram uma democracia alemã estável.

Lembro-me do nascimento dos VERDES, tendo já então criticado o facto de a imprensa os discriminar; mas verificar o seu comportamneto, agora que estão estabelecidos no poder, fazem uso da extorsão boicotando discussões públicas com o AfD, um partido que tem as mesmas dores de nascimento, parece confirmar que o poder cega mesmo os que parecem mais clarividentes.

O representante do partido AfD de Baden-Wurttemberg (Meuthen) tem-se mantido ponderado e fala de “uma radicalização crescente na nossa sociedade, de direita e de esquerda”.

Os partidos têm medo de serem confrontados em debates, vistos pela generalidade do povo. Partidos que pretendem ter alugado a democracia para si julgam-se no direito de determinarem os seus fóruns de discussão. Embora isto se tenha dado na província alemã, o caso SWR e WDR tornou-se num testemunho crasso de pobreza para a Democracia e num aviso. Com a exclusão do AfD, os chefes de governo só vieram confirmar o boato, que corre entre a população, de que a AfD é discriminada.

A reacção emocional dos “casca grossa”do poder (em alemão “elefantes”) , é lamentável. O povo parece tornar-se mais atento e isso incomoda os seus representantes.
António da Cunha Duarte Justo

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Política. ligação permanente.

2 respostas a LIBERDADE DE IMPRENSA OFENDIDA NA ALEMANHA

  1. Joao de Azevedo diz:

    Joao de Azevedo
    Amigo Justo, embora tenha uma posição completamente oposta á da AfD, concordo plenamente com o teu artigo. A insegurança dos partidos establecidos é de veras assustadora. Parece já não existir capacidade de lutar com argumentos perante forças populistas. O boicote só fortalecerá essas mesmas. Quanto ao Jornalismo, cedendo desta forma á politica governante, perde ainda mais credibilidade. Um abraço, João

  2. Caro João, tens toda a razão! Esta campanha a que assisto agora contra a AfD já assisti a ela nos anos 80 contra os Verdes e que na altura defendi embora fosse SPD. Sempre me interessei pela honestidade e justiça. Na altura também o normal das pessoas era contra os Verdes, porque, na altura, os partidos instalados assim o propagavam e queriam. Sabes, normalmente a rapaziada pensa o que todos pensam e todos pensam o que as elites dominantes querem que se pense. E a esmagadora maioria das pessoas não tem tempo suficiente para ir investigar o desenrolar das coisas. O jornalismo é em todos os sistemas mais ou menos influenciado, por isso quem quer estar informado tem de ler em diferentes cartilhas ou ver os diferentes programas televisivos a partir das 23 horas! Obrigado, João, pelo teu esclarecedor depoimento. Um grande abraço,Justo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *