GRÉCIA SINALIZA O INÍCIO DA FALÊNCIA DE ESTADOS


Plano de Salvação significaria nova Subvenção aos Bancos

António Justo

O Plano de Salvação para a Grécia prevê um crédito de 30 mil milhões de Euros da União Europeia (EU) e de 15 mil milhões do FMI (IMF). A Grécia tem de pagar, pelo empréstimo, uma taxa de 5% de juros à EU e de 3% ao FMI. Este empréstimo dá a possibilidade à Grécia de pagar, durante algum tempo, os juros aos bancos credores.


Mais precisamente, a Grécia vai precisar da EU e do FMI, até 2012, um crédito de 120 mil milhões de Euros. A União Europeia e os seus governos escondem aos cidadãos os sacrifícios que o Plano de Salvação acarreta consigo.


Os gregos viveram para lá das suas possibilidades com o dinheiro dos outros e usaram dinheiros da EU em pseudo investimentos. Atenas nunca mais poderá reembolsar os seus credores das dívidas que fez. Outros países também já se encontram a caminho disso. Os especuladores internacionais acelerarão o processo para mais se aproveitarem dos políticos.

No final de 2009 a Grécia devia 177 mil milhões de Euros a Bancos estrangeiros. Segundo a imprensa alemã, a dívida total grega é actualmente de 300 mil milhões de Euros. A Grécia já não consegue pagar os juros dos empréstimos. Para receber dinheiro emprestado, tem de pagar, no mercado livre, juros de 10 a 15%.

A Grécia apenas revela antecipadamente a fraude e a cumplicidade em que vivem Bancos e Estados. Ela só exagerou no modus faciendi em relação às nações “sérias”. O seu estado de asfixia, devido aos juros que tem de pagar e à falta de confiança dos seus credores, atingiu o limite. Os credores compram acções gregas porque sabem que os países europeus irão em socorro da amiga Grécia. Quem ganha com tudo isto são os especuladores porque a política já não tem mão neles.

Políticos da União Europeia atraiçoam os seus Cidadãos


A decisão de concessão de empréstimo a Atenas, feita pelos ministros da finanças da EU, viola a clausula de não auxílio na União Monetária. Consequentemente deveriam ser levantadas acções jurídicas nos países da EU contra tal propósito. Na Alemanha, o Prof. Dr. Wilhelm Hankel anunciou levantar queixa constitucional caso os Estados do Euro ou o Banco Central Europeu apoiem a Grécia financeiramente. A influência política talvez consiga iludir a Justiça.


Na realidade este plano de salvação não passa de mais uma tentativa de impedir uma crise dos Bancos que tinham comprado acções ao estado grego. Um atrevimento!…


No caso de falência do Estado grego quem perderia seriam os Bancos. Além disso causaria uma desvalorização do Euro em relação ao Dólar e outras moedas, que por sua vez iria beneficiar os estados exportadores para fora da EU. A desvalorização do Euro alegra os exportadores europeus porque podem vender nos mercados estrangeiros com preços favoráveis. Este foi um truque usado pelos chineses; mantiveram a sua moeda subvalorizada artificialmente para poderem excluir a concorrência com preços baixos e cativar os compradores. Também os Estados Unidos da Anérica queriam desvalorizar o Dólar relativamente a outras moedas para fomentarem a exportação. Todos os Estados gostam de desvalorizar a sua moeda mas não o podem fazer ao mesmo tempo porque a desvalorização duma moeda implica a valorização da outra. A única moeda contra a qual todos podem desvalorizar ao mesmo tempo é o ouro e a prata (metais nobres).



Entretanto a Grécia desespera à espera do apoio financeiro. Portugal, que luta com imensas dificuldades financeiras, irá disponibilizar 770 milhões de euros em 2010 para a Grécia. ESe Portugal conseguisse empréstimos no mercado internacional inferiores a 5% não faria mau negócio. Porém, a AgênciaStandard & Poor’s desceu a credibilidade de Portugal para o nível A –. No futuro Portugal terá de pagar mais de 5%, pelo endividamento que faz para socorrer a Grécia. Este é um negócio negativo para Portugal e estimulador dos milhafres internacionais em relação a Portugal! Para os Alemães o empréstimo seria positivo, dado eles pagarem menos de 3% pelo dinheiro que pedem emprestado. Portugal para fazer o empréstimo terá aumenta as contribuições e os impostos e arranjará meios de o ir buscar, levantando dinheiros com portagens em estradas construídas com os impostos dos cidadãos, favorecendo a especulação e a exploração de serviços subornadores, etc.


A Alemanha concederá um crédito de 8.300 milhões de euros à Grécia em 2010. Porém no caso de falência do Estado Grego os bancos alemães entrariam em crise atendendo ao capital que investiram no Estado Grego.


Apesar disso a Chanceler alemã não se tem mostrado disposta a ceder porque sabe que quem pagará a fava será, de novo, o povo contribuinte e tem medo das consequências das eleições num dos seus Estado federados, que se vão realizar em Maio. O povo é contra o empréstimo à Grécia.


Os Bancos produzem dinheiro em papel (dinheiro virtual) sem valor real que o suporte. “A maior parte do “Dinheiro” é produzido electronicamente (Girageld)” como revela o cientista de informática Elias da Silva. Todo o sistema bancário de hoje, só se baseia na confiança. Confiança de que o comerciante da esquina ao lado troque a sua nota, sem valor real, em mercadoria.


Uma firma que se comportasse como se comportam os Estados, na administração da coisa pública e nas dívidas, já há muito teria entrado em descrédito e dado falência.


Quem paga a conta é o povo e as gerações vindouras. Alguns, mas muito poucos, que se deram conta da verdadeira dimensão da crise compram ouro e prata, guardando-os bem guardados. Sabem que a maior parte do dinheiro só são números em notas, ou em transacções virtuais, sem valor real.


Os Bancos compraram grande quantidade de acções ao estado grego. Sempre que depositamos dinheiro num banco tornámo-nos credores dele e o Banco pode fazer com o dinheiro o que quiser. No momento em que se deposita o dinheiro no banco tornamo-nos credores desse banco. O dinheiro pertence ao banco e ele compromete-se a restituí-lo, caso possa.


Enquanto a Grécia pertencer à EU não pode declarar bancarrota; isto seria uma catástrofe para o Euro.

Se o mundo financeiro fosse um mundo real e sério e os políticos que dirigem os Estados se  se interessassem realmente pelo bem do Povo, teriam de deixar a Grécia ir à bancarrota. A EU teria de expulsar a Grécia da União Euro. Para começar de novo teria de roer a soga e não pagar a as dívidas a ninguém. A Grécia teria de reintroduzir a moeda nacional Dracma e recusar-se a pagar não só os juros aos seus credores como o capital emprestado. Especialistas internacionais dizem que a Grécia teria de reduzir os salários da população em 22 – 30%.


A falência da Grécia provocará um aumento drástico dos juros que Portugal terá de pagar aos Bancos internacionais. Os Bancos especularam com a Grécia para ganharem à sua custa. As aves de rapina já rondam sobre Portugal, Irlanda e Espanha, tendo estes países de pagar já maior taxa de juros no mercado bancário internacional. Já se preparam para tornar Portugal a próxima vítima


O sistema bancário é um sistema corrupto e os Estados tornam-se corruptos ao apoiarem-no tão disfarçadamente. Os Governos apoiam o sistema corrupto e são parte da corrupção. Delegaram o poder monetário nos bancos privados para depois lhes pedirem dinheiro. Um sistema que só poderá ter um mau fim.


António da Cunha Duarte Justo

Alemanha, 27 de Abril de 2010


Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Educação, Política. ligação permanente.

Uma resposta a GRÉCIA SINALIZA O INÍCIO DA FALÊNCIA DE ESTADOS

  1. Elias da Silva diz:

    Hallo António,

    hast du feststellen können, warum deine Seite für mehrere Stunden nicht erreichbar war?

    So langsam muss man sich fragen, warum die Länder in der Europäischen Währungsunion
    unterschiedliche Zinssätze für ihre Staatsanleihen bezahlen müssen. Eigentlich soll der
    unterschiedliche Zinssatz das Risiko eines Investments widerspiegeln… je höher das Risiko
    eines Ausfalls, desto höher die Zinsen. Nach der Ankündigung
    des Griechenland-Hilfspakets der Europäer und des IWF in Höhe von 135 Mrd. Euro wäre es
    nur konsequent einen Zinssatz für die Mitglieder der EWU festzulegen. Mal sehen, wie lange
    die Bürokraten in Brüssel für diese Einsicht benötigen 😉

    Elias da Silva

    Deutschland, 29. April 2010

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *