NO REINO DA CONFUSÃO

ISTO DÁ QUE PENSAR E PODE LEVAR A EVITAR EXTREMISMOS

Coloco aqui o seguinte texto que acho típico da esquizofrenia social do Zeitgeist (opensar politicamente correcto = crença política oportuna!)

“Vivemos em uma época onde querem que os padres se casem e que os casados se divorciem.
Querem que os heterossexuais tenham relações sem compromisso, mas que os gays se casem na igreja.
Que as mulheres se vistam como homens e assumam papéis masculinos e que os homens se transformem em “frágeis” como mulheres.
Uma criança com apenas cinco ou seis anos de vida tem o direito de decidir se será homem ou mulher para o resto da sua vida, mas um menor de dezoito anos não pode responder pelos seus crimes.
Não há vagas para os pacientes nos hospitais, mas há incentivos e patrocínio para quem quer fazer mudança de sexo.
Há um acompanhamento psicológico gratuito para quem deseja deixar a heterossexualidade e viver a homossexualidade, mas não há nenhum apoio deste mesmo para quem deseja sair da homossexualidade e viver a sua heterossexualidade e se tentam fazê-lo, é um crime.
Ser a favor da família e da religião é ditadura, mas urinar sobre os crucifixos é liberdade de expressão.” Escrito pelo padre católico Gabriel Vila Verde, atualmente no Brasil.

Este é um bom exemplo da atitude conseguida pelo pensamento politicamente correcto.

Na Idade Média tínhamos os sacerdotes na Igreja que uma vez por semana tentavam modelar as consciências do povo; hoje temos diariamente as TVs a indoutrinar-nos com o pensamento politicamente correcto, moldado já não pela religião mas pela política da ideologia marxista internacionalista aliada ao capitalismo globalista.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

FACTOS CONTRA A LIBERDADE RELIGIOSA E CONTRA A CRISTANDADE

A nova tirania de minorias e ideologias está a substituir a das maiorias do passado

António Justo

 

Os atentados às Igrejas e a objectos do culto não estão a acontecer por acaso!

Agora chegou a vez da catedral de Nantes ser incendiada. O fogo foi colocado em três lugares. Será feita uma investigação e uma vez passadas as labaredas das primeiras impressões, receia-se que despareça tudo no fumo da irresponsabilidade (1).

Nos últimos dias igrejas têm sido incendiadas nos USA e têm sido destruídas as estátuas de santos.

Em São Francisco a igreja da missão católica mais antiga dos Estados Unidos (São Gabriel), foi devastada e incendiada.

Em Boston na Igreja de São Pedro, a Estátua da Virgem Maria foi incendiada e vandalizada.

O símbolo dos cristãos orientais da era bizantina, Hagia Sophia, é apagado e transformado em mesquita pelo governo turco.

Em Espanha e em Malta, os governos socialista e comunista criam leis para fecharem escolas católicas. Não respeitam a liberdade de educação nem os direitos humanos dos pais e das crianças, nem a Liberdade Religiosa (2).

A tirania ideológica pública encontra-se cada vez mais exacerbada uma vez que é apoiada por agendas e ONGs internacionais.

O novo fascismo marxista quer extinguir a cultura e a religião cristã da História e da vida do ocidente. Em contrapartida fomenta o islão como parceiro aliado.

As novas minorias totalitárias de protesto com o seu radicalismo vão criando no povo um clima intolerante e de guerra que legitimará os mais absurdos crimes.

O pensar politicamente correto implementado pelo marxismo (infiltrado em órgãos do Estado, em organizações mundiais e em universidades) consegue criar no público uma atitude de aceitação ou indiferença perante a perseguição à cristandade (como se fosse coisa natural).

Na sequência do pensar politicamente correto, os meios de comunicação social europeus também não estão interessados em informar sobre as perseguições que acontecem em África e na Ásia nem sobre o grupo mais perseguido no mundo que é o cristão.

Victor Hugo, em “Os Miseráveis” diz: “Se a alma for deixada na escuridão, os pecados serão cometidos. O culpado não é aquele que comete o pecado, mas aquele que causa a escuridão”.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

(2) Em Portugal a desmontagem das escolas católicas (ensino Privado) tornou-se programa do regime de abril. Criou-se um espírito de desconfiança pública em relação ao ensino privado.

A CAMINHO COM O OUTRO (PRÓXIMO)

Coloco aqui uma citação formidável de Drewermann que acho profunda em cada frase e corresponde ao ideal e a muitos momentos da nossa vida:

“O que Jesus tinha em mente (tinha em vista, no sentido) era que não precisamos de conhecer o caminho do outro e objectivamente não o sabemos (conhecemos). A única coisa que devemos fazer é acompanhar a outra pessoa até onde ela quer ir a fim de chegar a casa. Nas horas em que escurece e quando tem medo, quando já não vê e se sente só, precisa de nós a seu lado. Não porque sabemos melhor o que é bom para ela, mas porque, juntos, vemos melhor com quatro olhos do que ela vê sozinha com olhos confusos de medo… Precisamos de nos tornar mais sensíveis, mais poéticos – levados por mais compaixão, pela vastidão do coração, e precisamos de nos afastar… do medo que temos de nós próprios”. Eugen Drewermann (psicoterapeuta e teólogo), Traduzido por António Cunha Duarte Justo

 

 

O ISLAMISTA ERDOGAN TRANSFORMA A BASÍLICA HAGIA SOPHIA EM MESQUITA

Islamismo afirma-se contra o Secularismo e contra a Diversidade

António Justo

Agora que o islão ganha foros de cidadania em toda a Europa, o presidente turco Erdogan aproveita para dar mais um passo no apagamento do maior símbolo da civilização ocidental na Turquia; para isso secunda o sonho dos islamistas declarando o antigo espaço sagrado cristão como templo islâmico. Este facto confirma a lei geral dos sempre novos poderosos que ao longo da História, para afirmarem o seu poder, apagam a memória positiva do passado.

O Papa Francisco desabafa dizendo “Penso na Santa Sofia e fico muito triste”. De facto, os seus esforços inter-religiosos pela boa convivência e pela paz não dão fruto no meio islâmico. A Unesco vai repensar o status de Patrimônio Mundial da Basílica agora convertida em Mesquita.

A igreja Santa Sofia, o maior templo da Igreja Oriental, foi inaugurada pelo imperador Justiniano no ano 537 e é o edifício mais importante do período bizantino e o ponto turístico mais belo de Istambul (Constantinopla); nela eram coroados os imperadores do império bizantino; foi tomada pelos invasores muçulmanos em 1453 e transformada em mesquita de 1453 a 1934; em 1934 foi transformada em museu por Kemal “Attaturk”, fundador da república turca, que com a sua revolução secularista queria separar a política da religião. Agora concretiza-se o objetivo do islão original (união política e religiosa) para o qual a união religiosa política constitui o melhor meio para se estabelecerem hegemonias.  

O ministro de cultura da Grécia classificou a decisão de Erdogan como uma «franca provocação ao mundo civilizado». A forte reação grega é compreensível dada a agravante de os gregos e os arménios terem sido vítimas do genocídio turco com a ajuda curda e o beneplácito alemão. (Entre 1915 e1917, de acordo com diferentes estimativas, 300.000 a 1.500.000 cristãos arménios foram assassinados no Império Otomano. Na Turquia os cristãos têm sido perseguidos e são discriminados; hoje representam apenas 0,2% da população turca.

Para fundamentalistas sempre é melhor ver a igreja ser um lugar de oração do que de cultura museal!

A UE, a Rússia e os EUA consideraram a decisão “lamentável”. A Igreja Ortodoxa Russa mostra-se “horrorizada”. O Metropolita do Patriarcado de Moscovo falou na televisão estatal russa de “um golpe contra a Ortodoxia” e acrescentou: “Para todos os cristãos ortodoxos do mundo, a Hagia Sophia é um símbolo importante, tal como a de São Pedro é para os católicos em Roma”.

Embora a Turquia faça parte dos membros fundadores da Aliança das Civilizações “com o compromisso de promover o diálogo inter-religioso e a tolerância, o secularismo, a separação do Estado e da religião” ela encontra-se a caminho da plena islamização. A descristianização da Turquia é acompanhada pela sua muçulmanização.

Uma esquerda, que apoia a defesa dos interesses muçulmanos na Europa, deveria ser mais moderada, atendendo a não reconhecerem a separação entre Estado e religião, porque o fascismo religioso em momentos de crise não á melhor que o fascismo de Mussolini, ou outros como Estaline, Hitler ou Mao.

O que muitos secularistas e anticristãos filosoficamente desconhecem é que as aquisições humanistas e democratas da nossa sociedade desaparecerão da civilização ocidental com o enfraquecimento do cristianismo. Desconhecem que ao fazê-lo serram no galho em que se encontram. Imagine-se que significará nos Estados seculares se as crenças religiosas passarem a formar partidos políticos dentro de um Estado! Entretanto todas as pessoas de boa vontade deveriam fazer tudo por tudo para que as religiões se tratem como irmãs na sociedade. As elites ocidentais ao apostarem apenas na economia como meio de se afirmarem e de contentar o povo atraiçoam, a longo prazo, a estabilidade das sociedades.

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

COMÉRCIO DE ESCRAVOS NA LÍBIA

Migrantes africanos são vendidos na Líbia a 340 €

Na Líbia há mercados de escravos. Além de relatórios sobre o assunto, um filme documenta a venda de “Rapazes grandes e fortes para trabalho agrícola” por 400 Dólares, num leilão. Muitos emigrantes põem-se a caminho do Mediterrâneo na esperanca de chegarem à Europa. Os traficantes exploram-nos e também os põem à venda.
O comércio de escravos tem uma grande tradição nos países árabes. Só no tempo de Gaddafi foi interrompido o comércio de escravos na Líbia. “Até ao século XIX, centenas de milhares (talvez até milhões) de europeus (e também africanos) foram vendidos como escravos na Líbia, Tunísia e Argélia”.
Com a eliminação de Kaddafi (2011) o comércio de escravos voltou à Líbia.
A falta de perspectivas, de segurança e de estabilidade em África fomentam a emigração. Na Europa são, por um lado bem-vindos e por outro lado não os querem. Neste filme (1) encontra-se documentado tal comércio.

Felizmente, atualmente, o artº 24º n.1 da Constituição Portuguesa já estipula: “A vida humana é inviolável.” Um problema futuro contra a dignidade humana serão os novos ventos da ideologia pragmática e utilitarista em via e que tratará velhos e doentes graves com as mesmas categorias morais que tratava os antigos escravos!

Na Nigéria uma menina custa 750€ e um menino 1.245€

https://www.gentedeopiniao.com.br/opiniao/artigo/trafico-de-pessoas-escravidao-moderna

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo,

(1) https://www.youtube.com/watch?v=2S2qtGisT34&feature=youtu.be

APESAR DE NÃO HAVER RAÇAS HUMANAS HÁ E HAVERÁ RACISMO 

 Racismo-discriminação-exploração andam de mãos dadas

António Justo

A divisão dos humanos em raças é refutada pela genética moderna, como declaram zoólogos, investigadores da evolução e geneticistas na Declaração de Jena de 2019 (1). Aí se constata: “O conceito de raça é o resultado do racismo e não a sua condição prévia”. De facto, “não há raças humanas… Nos seres humanos em particular, as maiores diferenças genéticas são encontradas dentro de uma população e não entre populações” … “A cor clara da pele das pessoas no norte da Europa tem menos de 5000 anos “.

Ernst Haeckel (“o Darwin alemão”), fundador da investigação da história tribal contribuiu fatalmente para o “racismo científico” do darwinismo social, através do seu arranjo alegadamente científico de “raças” humanas numa “árvore genealógica”.

Implementou-se uma ideologia que fazia uma leitura da sociedade organizada em grupos de pessoas biologicamente superiores e inferiores.

A aplicação do termo raça aos humanos é enganadora. Isto não significa que não possa haver diferenciação genética ao longo de uma zona geográfica, mas a avaliação taxonómica desta diferenciação (como raça ou subespécie) é arbitrária.

No caso de cães e de macacos, dada a sua diversidade de espécies e características distintivas, aí sim, seria apropriado falar-se de raças.

Quanto aos humanos, não é este o caso porque existe apenas um tipo de humano que povoa a terra desde há muitos milhares de anos.

 A Universidade Friedrich Schiller descobriu que dos 3,2 mil milhões de pares de base do genoma humano, não se encontrou um único par que constitua uma diferença racial. Assim, o conceito de raça, em ligação com a espécie humana, não deveria continuar a ser utilizado futuramente na linguagem exata ou científica.

Racismo, discriminação, exploração e preconceito andam de mãos dadas.

A hierarquização de grupos ou pessoas é um fenómeno que se observa de maneira mais ou menos explícita em cada pessoa. A Declaração de Jena conclui que “a simples eliminação da palavra ‘raça’ da nossa língua não impedirá a intolerância e o racismo”.

A Declaração de Jena de 2019 pretende, certamente, desencorajar explicações raciais para diferenciações coletivas em relação a traços físicos e/ou comportamentais!

Somos todos da mesma espécie. A palavra raça pode ter diferentes interpretações.

Na Alemanha houve e há a proposta de se excluir da Constituição a palavra raça. Penso que, por vezes, a semântica nos continua a preocupar demasiado correndo-se o perigo de ela nos desviar as atenções! O Racismo não é um específico de uma cultura ou civilização. É um vício comum ao humano a ser sanado com o esforço de todos.

Socialmente, racismo continuará a ser a discriminação de indivíduos ou grupos por causa de sua etnia ou cor.

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

  • (1) Declaração de Jena em alemão:

https://www.shh.mpg.de/1464864/jenaer-erklaerung