PORQUÊ LISBOA E NÃO PORTO OU COIMBRA NA CANDIDATURA PARA A EMA?

Urge fomentar o Regionalismo

A Assembleia da República, aprovou, por unanimidade a candidatura de Portugal à sede da Agência Europeia do Medicamento (EMA) para Lisboa, que por razões do Brexit terá de passar para a EU.  Foi pena os deputados dos partidos não terem optado pelo Porto ou por Coimbra.

É também lamentável, o facto de os partidos depois de terem votado por Lisboa virem para a rua contradizer-se, defendendo outras opções. Depois de parido o voto no parlamento (em Maio), vêm agora cá para fora retalhar o parto, com o apoio dos meios de comunicação social (famintos de barulheira emocional entre um povo a distrair). Porque não houve a discussão antes da decisão no parlamento? Democracia à portuguesa republicana?  

Torna-se difícil de compreender que em Portugal todas as instituições relevantes portuguesas se encontrem em Lisboa. Os tribunais administrativos, do trabalho e outras instituições deveriam ver as suas sedes distribuídas por outras cidades portuguesas. Em questões de regionalização somos um país subdesenvolvido com um centralismo favorecedor da solidariedade na corrupção.  

Na Alemanha pratica-se a solidariedade equitativa entre as regiões, tanto a nível de redistribuição de riqueza, de instituições como de tarefas. Deste modo mantem-se um certo equilíbrio entre as regiões. Pratica-se mais a democracia política, institucional e administrativa. Por isso, a Alemanha é um país rico com relativo equilíbrio em relação a outros países europeus (vejam-se os transferes financeiros das regiões mais fortes para as menos fortes).  

Portugal, com o seu centralismo obsoleto em Lisboa continuou na República o que o espírito monárquico tem de criticável. A sociedade portuguesa, com os seus representantes, contenta o seu narcisismo em alfacinhas com brilho artificial! O mesmo se diga no centralismo do MEC com um comportamento de patrão absoluto que mantem o professorado e as escolas atrelados ao jugo de Lisboa.  

Por vezes tem-se a impressão que os nossos ministérios se tornam albergues de aldeões antigos envergonhados, mas bem engravatados, que compensam uma certa pequenez numa Lisboa megalómana! Atendendo à necessidade de democratizar na europa as concentrações económicas e à megalomania provinciana concentrada em Lisboa, seria de recomendar a transferência da sede da EMA da Inglaterra para Portugal e possivelmente para o Porto ou para Coimbra!    

© António da Cunha Duarte Justo  

Pegadas do Tempo

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Publicado em Cultura, Economia, Educação, Política | Deixe o seu comentário

PARABÉNS AOS ANTÓNIOS NESTE DIA DO SEU ONOMÁSTICO (SANTO ANTÓNIO)

Nasceu em Lisboa, 15 de agosto de (1191-1195) e morreu em Pádua, a 13 de junho de 1231. Por isso é conhecido como Santo António de Lisboa e como Santo António de Pádua; jaz na Basílica de Santo António de Pádua.

Teólogo, místico, asceta, o Doutor da Igreja é um santo popular e como tal mais conhecido como santo milagreiro, das coisas perdidas, dos responsos e casamenteiro, o patrono das festas populares.

Coloco aqui algumas frases ditas pelo santo:

“Deus é Pai de todas as coisas. Suas criaturas são irmãos e irmãs.”

“A paciência é melhor maneira de vencer.”

“Não poderás levar os fardos de outrem, se não depuseres primeiro os teus. Alivia-te primeiro dos teus, e poderás levar os fardos de outrem.”

“Antes de entrar um raio de sol em casa, não aparece dentro, no ar, o pó; se, porém, entrar um raio de sol, parece cheia de pó.”

“A palavra é viva quando falam as obras. Cessem, pois, as palavras e falem as obras. Estamos cheios de palavras, mas vazios de obras!”

“É raro o dano que não provenha da abundância”.

“O estrume reunido em casa exala mau cheiro; disperso, fecunda a terra. Assim acontece com as riquezas: devem ser dispersas, isto é, distribuídas e restituídas aos pobres, que são seus donos, e assim hão de fecundar a terra do espírito e fazê-la frutificar”.

“Usa mais vezes os ouvidos do que a língua.”

“Quem ama não conhece nada que seja difícil.”

“A fé compara-se ao peixe. assim como o peixe é batido pelas frequentes ondas do mar, sem que morra com isso, também a fé não se quebra com as adversidades”.

“O hipócrita assemelha-se ao pavão: ao ser provocado pelas crianças, mostra o esplendor das suas penas e, quando faz rodar a cauda, descobre torpemente o traseiro”.

Frases em “Obras completas de Santo António de Lisboa”.

 

Junto aqui o responsório a Santo António, muito conhecido nas devoções populares:

Responso de Santo António:

Se milagres desejais,
Recorrei a Santo António;
Vereis fugir o demónio
E as tentações infernais.

Recupera-se o perdido.
Rompe-se a dura prisão
E no lugar do furacão
Cede o mar embravecido.

Todos os males humanos
Se moderam se retiram,
Digam-no aqueles que o viram,
E digam-no os lusitanos.

Recupera-se o perdido.
Rompe-se a dura prisão
E no auge do furacão
Cede o mar embravecido.

Pela sua intercessão
Foge a peste, o erro, a morte,
O fraco torna-se forte
E torna-se o enfermo são.

Recupera-se o perdido.
Rompe-se a dura prisão
E no auge do furacão
Cede o mar embravecido.

Glória ao Pai, e ao Filho, e ao Espírito Santo.

Recupera-se o perdido.
Rompe-se a dura prisão
E no auge do furacão
Cede o mar embravecido.

Rogai por nós, bem-aventurado António.
Para que sejamos dignos das Promessas de Cristo.

 

         Oração a Santo António, para achar objectos perdidos

 

Eu vos saúdo, glorioso Santo António,

fiel protector dos que em vós esperam.

Já que recebestes de Deus o poder especial

de fazer achar os objectos perdidos,

socorrei-me neste momento,

a fim de que, mediante vosso auxílio,

eu encontre o objecto que procuro…

 

Alcançai-me, sobretudo, uma fé viva,

uma esperança firme, uma caridade ardente

e uma docilidade sempre pronta aos desejos de Deus.

Que eu não me detenha apenas nas coisas deste mundo.

Saiba valorizá-las e utilizá-las

como algo que nos foi emprestado

e lute sobretudo por aquelas coisas

que ladrão nenhum pode nos arrebatar

e nem iremos perder jamais.

Assim seja.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Publicado em Cultura, Religião | Deixe o seu comentário

DIA DE CAMÕES E DAS COMUNIDADES PORTUGUESAS 2017

Obrigado, pela Visita, Senhor Presidente Rebelo de Sousa

António Justo

O Presidente Rebelo de Sousa no dia das comunidades, visita os portugueses emigrados na tentativa de criar pontes entre as comunidades portuguesas e Portugal.

Com a visita a Paris e agora ao Rio de Janeiro (São Paulo e Recife), o Presidente procura simbolicamente compensar, a nível afectivo, a ligação de Portugal aos portugueses emigrantes, numa iniciativa para remediar uma carência emocional positiva da sociedade portuguesa para com os seus compatriotas fora do país.

De facto, na opinião pública portuguesa nunca se deu relevância aos emigrantes nem ao seu relevante significado para o desenvolvimento económico do país.

Mais vale tarde que nunca! A má consciência das elites portuguesas perante o fenómeno da emigração e uma certa inveja depreciativa de grande parte da camada popular, por vezes, também fomentada por algum emigrante turista, parece começar a mudar-se para melhor.

Obrigado senhor presidente Rebelo de Sousa! A sua visita talvez dê aos Mídias portugueses a oportunidade de focarem os aspectos positivos que os Emigrantes trouxeram para Portugal, apesar do desconsolo e do desperdício que significa para uma nação o facto de muitos dos seus cidadãos terem de emigrar.

Ainda sobre o 10 de Junho de uma outra perspectiva: 10 de Junho http://antonio-justo.eu/?p=3163

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Publicado em Migração, Política | 5 Comentários

ELEIÇÕES NO REINO UNIDO

 
 
May perdeu parte do eleitorado, mas com os Unionistas Democráticos conseguirá um certo à vontade na governação.
Equivocou-se ao querer antecipar as eleições numa altura em que os conservadores se encontravam de vento em popa.
A sua argumentação de querer um mandato forte para melhor poder conduzir as negociações do Brexit com a EU foi deslegitimada nos seus objectivos, pelas eleições.
Em consequência das eleições o RU deveria conduzir um Brexit mole e não duro, ao contrário do que ela queria. Facto é que as diferentes regiões do RU querem, apesar do Brexit, permanecer no mercado interno europeu e manter a isenção de impostos e maiores concessões em relação à imigração.
Perdeu porque queria ganhar à custa dos já débeis; com o seu primeiro plano de pacientes com demência terem de gastar todo o seu capital (posses) na sua assistência e cuidados, alarmou o eleitorado. A redução de 19.000 de quadros da polícia quando ministra do interior, foi uma outra chamada de alerta.
As negociações com a UE vão-se tornar muito mais complicadas para todos os lados com uma May fraca. Quem sabe se não haverá, passados tempos, novas eleições no RU.
António da Cunha Duarte Justo
Pegadas do Tempo
Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Publicado em Economia, Migração, Política | Deixe o seu comentário

COPA DO MUNDO NO QATAR EM PERIGO

Vice-presidente do Parlamento alemão contra o Mundial 2022 no Qatar

António Justo

Qatar tem de resolver o conflito, com os seus seis parceiros árabes, se não quer ver em perigo a realização da Copa do Mundo de Futebol em 2022.

Cláudia Roth, vice-presidente do Bundestag alemão declarou-se contra a adjudicação da Copa do Mundo em 2022 no Qatar advogando a revisão da atribuição (HNA, 07.06). De facto, não sendo Qatar “um país de futebol”, a adjudicação nada tem a ver com o “desporto, mas com o dinheiro”. Qatar não considera as normas básicas de direitos humanos e além disso houve “corrupção na adjudicação”.

Também o presidente alemão da DFB, membro novo na FIFA, se pronunciou contra a concessão de torneios a países que apoiam o terrorismo, alegando que adjudicações só deveriam ser feitas a países que defendam o respeito dos direitos humanos, a liberdade de imprensa e respeitem normas ambientais.

Se a FIFA e o mundo ocidental não usassem uma atitude hipócrita, os representantes do Qatar teriam sido obrigados a renunciar ao apoio económico do terrorismo internacional para poderem ver realizada a Copa mundial no seu emirado. A FIFA sem requisitos morais, tem-se mostrado apenas interessada no dinheiro. Por isso não teve escrúpulo em aceder a realização da Copa do Mundo num país que apoia activamente o terrorismo.

O clube Real Madrid acedeu a tirar a cruz cristã da coroa do seu emblema nos produtos a serem comercializados no mercado árabe por uma firma têxtil que comprou os direitos de comercialização de produtos relacionados com o Real Madrid (Tischerds, etc.) nos Emirados Árabes Unidos. O club fez uma parceria com o banco Abu Dhabi dos Emirados Árabes (Arábia Saudita, Qatar, Kuwait, Bahrain e Omã). Quando se trata de negócios com os árabes, os europeus renunciam até aos símbolos da sua identidade. De facto, identidade e honra, não são materiais com que se faça dinheiro; os árabes jogam na avançada porque possuem identidade, honra e dinheiro.

Em contrapartida os europeus mostram-se tolerantes, à sua maneira, suportando na Europa o uso do lenço como confissão e propaganda aberta pelo arabismo retrógrado. Em nome da liberdade (e ainda bem para a liberdade!) dizem bem ao uso do véu na cabeça, como legítimo símbolo cultural do domínio do homem sobre a mulher, precavendo assim o atractivo bom-exemplo da mulher submissa!! A intolerância conta com a força do dinheiro e com a disponibilidade dos que se deixam comprar. O dinheiro e o negócio juntam interesses sem que se misturem!

 

Qatar é um grande patrocinador do terrorismo

 

Qatar, um emirado do Oriente Médio, fomenta o islamismo e apoia a Milícia Hezbollah na Síria e no Líbano. Apoiou o movimento terrorista “irmandade muçulmana” no Egipto, apoiou os islamistas sunitas na Tunísia contra a juventude reformista dando milhões ao Partido Emndha, parceiro da Irmandade Islâmica, que assumiu lá o governo; apoia a organização terrorista Hamas que governa na Faixa de Gaza; apoiou o movimento da Primavera Árabe no sentido dos islamistas saírem como vencedores em todo o norte de áfrica; deste modo, apoiando-os com dinheiro defendia-se deles. Se o movimento se democratizasse constituiria um perigo à porta. Apoia a insurreição islamista em todo o mundo porque esta é a melhor maneira de impedir a democracia e a liberdade que se tornaria numa ameaça para a monarquia absolutista de Al-Thani, que tem Qatar nas mãos através dos seus milhares de familiares; os cidadãos não pagam impostos. A estratégia de desestabilizar os vizinhos tem tido sucesso.

A potência económica Qatar faz tudo isto, pela porta traseira não oficialmente, para poder negociar à vontade com o Ocidente que hipocritamente, por razões económicas, fecha os olhos aos fomentadores do terrorismo e em casa contenta os cidadãos com palestras vistosas de que o Estado já não pode assegurar a segurança dos cidadãos nas grandes cidades!  14% das acções da VW e do Deutsche Bank estão nas mãos de Qatar.

A família monárquica Al-Thani, mantem-se no poder desde há gerações.

Já o poeta e dramaturgo comunista Bertolt Brecht dizia “primeiro está o comer e depois a moral”!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo,

 

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Publicado em Cultura, Economia, Política, Religião | 1 Comentário