PERSEGUIÇÃO AOS CRISTÃOS NA NIGÉRIA

A Voz dos Mártires UK estima que os militantes islâmicos mataram 6.000 pessoas nos primeiros seis meses de 2018 e expulsaram quase 50 mil das suas casas.

A imprensa europeia cala! Está ao serviço de quem?

A Nigéria tem mais ou menos o mesmo número de habitantes que o Brasil. Quanto à pertença religiosa são 50% muçulamnos e 50% cristãos numa população com 250 grupos étnicos e 514 línguas e idiomas; as duas religiões são influenciadas pelo culto e fetichismo ancestral.
Com a revoluço islâmica do Irão incrementou-se a violência também entre comunidades muçulmanas que anteriormente coabitavam em relativa paz. Na zona norte do País foi introduzida a Sharia, sob pressão de grupos islâmicos extremistas. Desde então, tem havido milhares de vítimas. Grupos islâmicos como o Boko Haram lutam pela introdução da lei islâmica Sharia em toda a Nigéria e pela proibição de uma educação ocidental.

António da Cunha Duarte Justo,

Pegadas do Tempo

vozdosmartires.com

Social:

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Política, Religião. ligação permanente.

20 respostas a PERSEGUIÇÃO AOS CRISTÃOS NA NIGÉRIA

  1. Joaquim Simões diz:

    Do petróleo e do gás
    Joaquim Simões
    FB

  2. António da Cunha Duarte Justo diz:

    e dos que se envergonham do rosto ocidental com cunho cristão que responsabiliza ou apela à responsabilidade!

  3. Olga Faria Da Costa diz:

    Isto está cada vez pior – mas se criticarmos, dizem que somos islamofóbicos, e que estamos a cometer o crime de discurso de ódio…
    Olga Faria Da Costa

  4. António da Cunha Duarte Justo diz:

    O que eles dizem não conta. A ideologia do politicamente correcto tem abusado de medos e por isso estão muito activos. Vai sendo tempo de a esmagadora maioria silenciosa se começar a expressar não deixando o campo só para eles!

  5. Alaya Torga diz:

    A ousadia dos abutres,tem avançado,por caminho liberados pela covardia dos que recuam e não os enfrentam
    Alaya Torga

  6. O cristianismo, pelo seu caracter de tolerar os próprios inimigos encotra-se na posição mais fraca aos olhos do mundo!

  7. Alaya Torga diz:

    Sou cristã mas sempre disse a Jesus,que a outra face não dou
    Esforço me,por ser justa,é que a tolerância, em certas circunstâncias, não é mais que covardia,desculpa para não reagir ,e até cumplicidade com o errado
    Alaya Torga

  8. Alaya Torga Tem razão! Teologicamente Jesus queria contradizer a lei de Talião do : ‘Olho por olho e dente por dente’”e para evitar qualquer ressentimento. Jesus não estava de acordo com vinganças pessoais. Com o oferecer a outra face, Jesus pretendia que se entrasse na reflexão porque muitas vezes há brigas que se começam quando o agressor apenas queria provocar o outro. O cristão vê no outro também o irmão e por isso não precisa de responder na mesma medida e com a mesma força que o adversário usou. Portanto, “oferecer a outra face” não significa renunciar à autodefesa! A Alaya tem razão, só que muitas vezes as pessoas reagem instintiva e emocionalmente sem fazerem uso da razão e isto é que se deve evitar!

  9. José Bernardo Pinho Dias diz:

    O que é a ideologia do politicamente correcto ?
    José Bernardo Pinho Dias

  10. Os defensores do pensamento politicamente correcto são contra tudo o que não seja pelo progressismo, e pelo aborto, pelo islão, pela eutanásia, são contra a Igreja como instituição, conta atitudes críticas à corrente, contra o que não for pelo casamento homossexual com direito a adopção, enfim, também contra tudo o que seja crítico em relação ao que (no caso de Portugal) não seja conversa que bendiga o 25 de Abril.

  11. José Bernardo Pinho Dias diz:

    Antes de mais, como já deve ter depreendido, gostei muito que tivesse havido o 25 de Abril de 1974 porque sou a favor de regimes democráticos e contra qualquer tipo de ditadura. Se isso é ser politicamente correcto, eu sou-o. E se isso querer dizer que gosto de pensar pela minha cabeça e dizer que o que penso, também aí sou politicamente correcto. Eu respeito pessoas e defendo as minhas ideias e acho que posso discordar de outros que pensem de maneira diferente sem os insultar. E,finalmente, defendo um Mundo melhor onde haja paz, justiça social e liberdade.
    José Bernardo Pinho Dias

  12. Faz bem em continuar na sua fé política! Pena é que não tenha intendido que ser crítico em relação a aspectos do 25 de abril já significa negar o mesmo ou até negar a democracia. Por favor, diga quem aqui não quer paz? Já agora coloco aqui alguns aspectos críticos ao nosso 25 sem contudo negar os aspectos positivos que trouxe. http://antonio-justo.eu/?p=2746

  13. José Bernardo Pinho Dias diz:

    Como já saber não tenho nada a ver com os comunistas. Sou socialista ( social-democrata, como na Suécia / Olof Palme ). Não vou o que acima colocou sobre a Revolução comunista em Portugal. Quando os comunistas quiseram implantar em Portugal um regime comunista lutei frontalmente contra eles.
    José Bernardo Pinho Dias

  14. Não estou aqui para convencer ninguém! Até porque a diferença é o que torna o mundo mais atraente e a sociedade mais desenvolvida. O meu jogo é pensar e importante seria que se pensasse mais quer no que se lê quer no que se diz! De resto deveríamos, cada um de nós, ter mais exigências a nós mesmos não nos deixando ir na enxurrada popular canalizada por levadas feitas porquem sabe que povo nada mesmo sem saber aonde ir ter.

  15. José Bernardo Pinho Dias diz:

    Eu sei muito bem, há muitos anos, qual é o meu caminho. Não vou em enxurradas mas pelo meu próprio pé . Acredito que também queira seguir o seu próprio caminho , facto que respeito totalmente.
    José Bernardo Pinho Dias

  16. Manuel Francisco diz:

    Deixem, então, esses assassinos construírem mesquitas nos nossos territórios!! “Unha por unha, dente por dente”!
    Manuel Francisco

  17. Em Lisboa são usados mais de 2 milhões de euros dos contribuintes para ajudar os muçulmanos no seu intento de construirem a mesquita em Lisboa. A isto chama-se solidariedade islâmica (ajuda sim mas entre irmãos!!!). O socialismo marxista português ajuda o socialismo árabe!! São espertos na sua maneira de agir ; ao criar factos passam a ter razão na história! Isto é como nas revoluções! Depois quem ganha não precisa de se justificar!

  18. Olga Faria Da Costa diz:

    A eles é-lhes tudo permitido – há sempre o relativismo cultural e o o relativismo moral para desculpabilizar o inaceitável!…
    Olga Faria Da Costa

  19. A esquerda tem uma virtude que a direita não tem.

  20. Ainda a respeito do pensar politicamente correcto cada vez mais em acção e com o Pacto de imigração ainda recebe mais um impulso no sentido de limitar o espírito crítico e legitimar a censura no que respeita a determinadas opiniões. Cada vez as pessoas poderão dizer menos o que pensam,parece que preferem comportamenetos como acontece em sistemas repressivos e de obediência total, pouco a pouco vai-se tendo a impressão de estarmos a caminho de uma democracia autoritária fomentada quer pela agenda da esquerda (pensamento politicamente correcto) quer por “populismos” de direita.
    Pensar politicamente correcto é aquela pressão social que cria nas pessoas o ter de pensar e de ir no “maria vai com as outras”. É uma atmosfera social moralista pública que o regime dominante indirectamente determina à sociedade através da determinação de agendas e da influência dos Media que nos leva a querer e a pensar o que a EU e os seus políticos querem que pensemos, criando para isso em nós antolhos que nos levam a seguir o seu caminho e não o nosso. Cria-se uma visão moralista contra o que as indoutrinações do momento não prescrevam. (O politicamente correcto também chega a ter aspectos correctos na medida em que também quer evitar pensamentos discriminadores, mas torna-se incorrecto, ao, com esse pretexto, pretender evitar qualquer discussão séria sobre assuntos que em nome do pensamento correcto devem ser considerados tabu. Hoje somos certamente mais controlados e orientados que na idade média. Na sociedade, o pensamento politicamente correcto está ao serviço de um socialismo envergonhado que procura criar indirectamente métodos de censura indirecta para que não sejam postos em questão. Promovem um discurso próprio, eliminatória de quem não seguir o que os magnates do Estado determinam: por exemplo evitar a discussão sobre a assinatura do Pacto de Migração, falar de perseguição a cristãos, etc… O Pior é que o inocente povo não se dá conta do que está por trás do discurso público e se deixa ir na enxurrada que uma informação feita para fazer e engordar consumidores!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *