ÁUSTRIA ENCERRA SETE MESQUITAS

60 Imames (Imãs) em Via de Expulsão

António Justo

O governo austríaco quer tomar o assunto a sério quando se trata de islamistas e de fundamentalistas turcos. Foram fechadas sete mesquitas: uma turca, dos “Lobos Cinzentos de extrema direita (não tinha autorização) e seis mesquitas árabes. A comunidade cultica árabe é dissolvida. O governo deu como razão de encerramento, declarações salafistas dos representantes das associações.

A lei islâmica austríaca exige uma atitude básica positiva em relação ao Estado e à sociedade. O chanceler Kurz justificou a medida dizendo: “Sociedades paralelas e tendências de radicalização não têm lugar no nosso país”.

Além disso o governo austríaco quer expulsar cerca de 60 dos 260 imames da União Turco-Islâmica para a Cooperação Cultural e Social na Áustria (ATIB). Razão da medida é o financiamento através do estrangeiro, o que está proibido na lei da Áustria sobre o islão. Imame (Imã) significa chefe religioso-político (cabeça espiritual) da comunidade islâmica.

“Os ATIB-Imames são financiados pelo Estado turco (Autoridade religiosa Diyanet)”. Esta envia-os e remunera-os, o que é proibido na Áustria desde há três anos.

A oposição austríaca não faz nenhuma crítica fundamental a este acto do governo. Os verdes só criticaram a altura em que isto acontece porque motiva muitos turcos a votarem em Erdogan (HNA 9.06.2018). Na Alemanha apesar de a DITIB se encontrar sob o controle do presidente turco Erdogan, em 2017, o governo aprovou a entrada de 350 imãs.

Motivos para preocupação

No sentido do filólogo e especialista em Islão, Raad Salam Naaman, a Áustria começa a tomar medidas contra o radicalismo islâmico e contra a sua estratégia; ele adverte: “O Islão é um perigo real para a Europa e para o mundo…Estamos a assistir à conquista silenciosa da Europa pelo Islão; a Europa não tem conhecimento exacto do Islão e não sabe como actuar perante o Islão;  as pessoas que não conhecem o Islão dizem que é uma religião da paz e que o Corão é um livro da paz,  e isto sem conhecerem o islão e sem lerem a história do Islão e sem conviverem com o islão e sem conhecerem profundamente o Corão”.

Em 1993 João Paulo II, que tinha um conhecimento profundo do Islão, disse: “Vejo a Igreja do terceiro milénio afligida por uma praga mortal que se chama islamismo e invade a Europa” ….

Yusuf al-Qaradawi, dirigente da comunidade muçulmana afirma: “vamos conquistar a Europa através do ventre das nossas mulheres”. De facto, os muçulmanos crescem na Europa na razão de quatro por um (natalidade).

Também Muamar el Gadafi disse antes da sua morte:” Vamos conquistar a Europa graças às leis e às constituições europeias”.

Muitos políticos europeus acreditam nas teorias de Marx e de Engels que julgavam que a religião se tornaria supérflua com o desenvolvimento económico e com a luta contra a propriedade privada e contra a família.

Isto dá que pensar a quem tem tempo para o fazer!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Cultura, Economia, Educação, Escola, Migração, Política, Religião, sociedade. ligação permanente.

5 respostas a ÁUSTRIA ENCERRA SETE MESQUITAS

  1. Margarida Castro diz:

    Realmente, isto dá que pensar!
    Mas será que nos países do Sul da Europa a boa convivência e a tolerância , nunca permitirá a mudança radical de costumes e de religiões?
    Margarida Castro
    in Diálogos Lusófonos

  2. Penso que não.
    A tolerância que se observa nos povos do sul deve-se ao facto da presença muçulmana com as suas reivindicações ainda serem insignificantes. Na França e na Alemanha a presença muçulmana ocupa grande parte do espaço público e infelizmente nem sempre com factos positivos…
    Um bom indicador da tolerância temo-lo na relação palestinenses-israelenses, (árabes e judeus), muitos países de África e na não distante história da Europa.

    A tolerância só se tornará sustentável quando um grupo renunciar a afirmar-se à custa do outro.
    Em muitos aspectos na Europa a sociedade comporta-se como a avestruz que em caso de perigo mete a cabeça na areia. Os interesses demográfico-económicos e a ideologia do pensar correcto são os grandes responsáveis de os diferentes grupos sociais em vez de se orientarem por valores inclusivos e de integração se orientarem pelo desconhecimento múto ou até pelo recusa.
    O ser humano é um ser complexo feito de ele e das suas circunstâncias. Por isso se torna propriamnete indefinível.

  3. Ines Maria Rodrigues diz:

    Agora que venham para Portugal ! Aqui vale tudo.
    Ines Maria Rodrigues
    FB

  4. Tudo tem os seus prós e os seus cintras! O desconhecimento também pode tornar-se num factor de tolerância!
    O desconhecimento também pode tornar-se num factor de tolerância!

  5. Pingback: ÁUSTRIA ENCERRA SETE MESQUITAS – Motivos para preocupação + Iniciativa “Descubra a EU” + Exemplo de ap oio estatal às áreas rurais – TriploV Blog

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *