POR QUE TÊM OS ANIMAIS DE SOFRER TANTO?

 

Negócio com peles arrancadas à dor de animais: Cães Marta

Por António Justo

Segundo o Süddeutsche Zeitung as vendas anuais de peles na Alemanha atingem 1 bilhão de euros.

As peles que antes eram usadas como meio de sobrevivência contra o frio transformaram-se, em parte, em produtos de luxo para alimentar a vaidade. O problema não será aqui a ostentação, mas sim o sofrimento dos animais. Há muito animal que é criado apenas com a finalidade de ser abatido para se lhe extrair a peles.

Isto provoca escândalo: o que para uns é luxo, para outros é crueldade contra os animais.

A China produz por ano 35 milhões de peles de marta, a Rússia produz 1,9 milhões e os USA e Canadá produzem 7,5 milhões. A China é o maior importador de peles para alimentar o seu sector de manufactura e o principal exportador mundial de peles para fabricação. Na China também floresce a indústria de peles de cães e de gatos.

Só na China avalia-se em várias dezenas de milhões de animais que são mortos por causa da sua pele. Cães marta são muitas vezes esfolados vivos e, na Europa, muitas vezes, as peles em vez de serem designadas de “cães marta” são designadas incorrectamente de “raccoon dog” dado os guaxinins (raccoon) serem em muitos lados uma praga e assim se enrola melhor a consciência do comprador! 15% dos animais utilizados para extração de pele são caçados diretamente na natureza ou com armadilhas. Grande parte das peles utilizadas pela indústria de peles são provenientes de animais criados em cativeiros, nas fazendas de peles. A esfola da pele do animal é feita muitas vezes nele ainda vivo, porque enquanto quente é mais fácil o trabalho.

A cooperação internacional de protecção de animais protestam contra a federação de comércio de peles “Fur Trade Federation; no documento “Facts on Fur”,” admoesta que na Alemanha 51% dos produtos com peles não se encontram correctamente designados nem diferenciadas nas etiquetas de venda. Na Grã-Bretanha chegam a ser 93%.

O direito de um animal a ter uma vida conforme à sua espécie e ao bem-estar animal, encontra-se ainda em tempos primitivos.

Peles de cachorro chegam a ser mais baratas do que peles artificiais.

A indústria e comércio de peles conseguiu recuperar terreno e aumentar a comercialização, fazendo misturas de peles com seda, couro etc. e empregando cores.

A crueldade praticada em massa com os animais é devida a ignorância, superstição e ganância de ganho.

É recomendado comprar-se só peles que tenham o rótulo “Origin Assured” (Origem Garantida) que garante que a pele é originária de países que cuidam do bem-estar de animais de peles e que têm normas para sua defesa.  

O governo norueguês anunciou até 2025 acabar com todas as fazendas de animais de peles. Na Alemanha ainda há duas.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo,

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Cultura, Economia, Educação, Escola, Política. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *