MARTIN SCHULZ – UMA QUEDA INGLÓRIA – UMA VÍTIMA DO PARTIDO

O Governo de Coligação CDU/CSU e SPD será obviamente

confirmado

António Justo

A tragicomédia das conversações, na segunda rodada para a coligação de governo na Alemanha, atingiu o seu clímax quando se passou à distribuição dos ministérios e correspondentes postos.

Martin Schulz, apesar da vitória alcançada nas posições social-democratas no compromisso de governo, caiu por querer ser fiel aos barões do SPD e, o que é pior ainda, caiu devido a interesses masoquistas e a rivalidades pessoais entre eles! O limite da vergonha foi ultrapassado.

Com a renúncia de Schulz à participação no governo, este perdeu um amigo convencido da Europa, um amigo da Europa do Sul! Enfim, nem sempre o brilho das ideias e dos ideais se deixam afirmar na política concreta do dia-a-dia.

O compromisso da coligação não agrada às linhas duras dos membros do CDU nem às linhas duras do SPD. Muitos quadros do CDU estão descontentes por considerarem o compromisso uma cedência às políticas do SPD; na distribuição dos postos de ministros incomoda-os, de maneira especial, o facto das Finanças passarem para o SPD; outros membros do CDU consideram, no compromisso da coligação, salvaguardados apenas os interesses da pessoa Merkel e não os do partido CDU. Os membros do CDU são, porém muito disciplinados e não criam muitas ondas na praça pública; esse é mais o negócio da esquerda.

Exige-se muita paciência aos eleitores habituados à discussão de conteúdos do que de pessoal já gasto.

Os membros do partido pensavam com Martin Schulz tirar o partido da cave, mas quem ficou na cave foi Schulz, embora tenha sido eleito para presidente do partido com 100% de votos e tivesse conseguido, com a esquerda do partido, mais 24.000 membros para o partido.

Quer com a Groko (coligação) quer com novas eleições, os extremos políticos da sociedade é que ganharão. A nação começa a acordar depois de um longo pesadelo… Depois da época da destruição sistemática da economia de mercado social na Alemanha e de terminada a política de segurança, e as consequências da abolição do serviço militar e do serviço alternativo, a Alemanha tem dificuldade em re-situar-se perante as novas exigências dos cidadãos e da EU que se quer transformar numa potência internacional política e militarmente mais activa.

Angela Merkel não se encontra em bons lençóis, mas conseguiu acentuar grandemente a desunião dentro do SPD. Com o compromisso do governo concluído, impede-se a “revolução”, mas faz-se uma grande e alargada distribuição do orçamento do Estado. A União Europeia pode respirar fundo!

O medo e o cálculo levarão muitos membros da esquerda do SPD a aprovar o governo de coligação.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo,

Social:

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Cultura, Política. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *