NAS PEGADAS DA POESIA: “Noite, minha Ama” + “Quem sou” –

Permitam que lhes apresente  duas poesias do meu novo livro “NAS PEGADAS DA POESIA” que em baixo exponho.

NOITE MINHA AMA

Minha noite querida,
meu escuro à luz do dia,
Nos teus braços agasalho
minhas mágoas da alegria!

Noite que em mim passas,
na procura de um sol que não passa!
Tenho medo da alvorada,
quero em mim soluçar o dia.

Tu és a noite, aquela que é só minha,
a vivência de um sonho que não passa.

Já não durmo, a noite dorme em mim!

 

QUEM SOU

Um rio, um mar
Um monte, um vale
A Freita no Arda
Ao Douro a chegar

Um casco sem velas
A quilha do convento
No capricho do vento
Só espuma a formar

Sou Arouca no porto
A nação a boiar
Nas ondas de um povo
Sem rumo levar
António Justo, in “NAS PEGADAS DA POESIA”, OxaláEditora, 2018

Social:

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Arte, Cultura, Economia, Educação, Escola, Migração, Política, Religião. ligação permanente.

2 respostas a NAS PEGADAS DA POESIA: “Noite, minha Ama” + “Quem sou” –

  1. Regina Correia diz:

    PARABÉNS, querido António, por esta poesia líquida, fresca, tão “portuguesa”…
    Regina Correia

  2. Luiza Caeiro Pereira diz:

    Uma surpresa boa, estes poemas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *