A VOZ DOS LUGARES ALTOS

Vem amigo, vem já ver

Pedrógão a sofrer

E nas sombras do apagão

Cinzas de vidas a divagar

 

O meu povo já não nota

Os montes a fumegar,

A política a arder

O parlamento a brincar!

Nem o braseiro da Geringonça

De pernas a gingar

 

Um horizonte se afigura

 Sem amanhãs floridos                                    

Numa pólis de escuro vestido

Entre o fumo e as labaredas      

Do paleio a crepitar!

 

No meu luso sem tempero

A voragem da política

Apaga a modéstia

“Quem manda pode”

o resto abicha.

© António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Espírito no Tempo
http://poesiajusto.blogspot.de/

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Esta entrada foi publicada em Arte, Cultura, Política. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *