RETIRADA A TUTELA AMERICANA SOBRE A EUROPA

A eleição de Trump marca o fim da época pós-guerra

António Justo

O antigo embaixador dos USA na Alemanha, john Kornblum, confessou na imprensa alemã: “A tutela americana sobre a Europa foi retirada para sempre … A eleição de Trump marca o fim do mundo pós-guerra”. “Agora os europeus talvez encontrem uma vontade reforçada para assumir responsabilidade”. Nesta perspectiva, o compromisso social europeu com a sua população correrá grande risco e o radicalismo aumentará.

As responsabilidades das potências estratégias mundiais em relação ao globo serão redistribuídas. A Europa terá de assumir a sua defesa e de se preocupar mais com a África enquanto os USA se preocuparão mais com eles e com a Ásia. Talvez a Europa central, na perspectiva económica e estratégica, tenha de olhar mais para a Rússia e menos para a Turquia. Naturalmente não agradaria nada aos americanos se a tecnologia alemã e as matérias-primas russas cooperassem, porque deste modo se fortaleceriam mutuamente. A Alemanha tem de ter países para onde exportar, doutro modo, uma Alemanha instável tornaria a Europa ainda mais insegura.

Na sequência da eleição de Trump, Estados e empresas multinacionais vêem-se obrigados a reunir-se. A 14.11, os ministros da defesa e dos negócios estrangeiro da EU reuniram-se e declararam terem de assumir novas responsabilidades. Determinaram para já a criação de um Centro para a Liderança das operações civis e militares na EU a efectuar em 2017. Doutro modo os USA continuarão a ter como parceiros os diferentes países europeus não se sentindo motivados a sobrecarregar o próprio orçamento militar para defender a Europa. A Nato foi abusada e instrumentalizada pelo parceiro Turquia na sua guerra contra os curdos, dando apoio clandestino a grupos sunitas terroristas e afirma-se cada vez mais como um estado fascista mas a Europa é demasiado fraca para poder reagir adequadamente.

As consequências da nova política americana já se fazem sentir numa Europa tradicionalmente instável (com excepção do período que foi do fim da segunda guerra mundial até à queda da União Soviética). Na sequência da nova onda, os países membros da EU passarão a não permitir tanta intromissão de Bruxelas nos assuntos nacionais mas também não podem permitir que um só governo, o de Ângela Merkel queira impor a todos os membros da EU a sua política de boas-vindas aos refugiados. A EU, que deveria ser unida, encontra-se em contradição ao ser condicionada pela Alemanha e por outro lado, também os políticos dos países membros terem de fazer vista grossa ao que se passa em Bruxelas, para poderem sobreviver. Os políticos portugueses poderão permitir-se ainda por algum tempo manter a sua intensa solidariedade com Bruxelas porque nas elites governantes portuguesas há uma forte convicção europeia e em Portugal o povo não ter tanto a dizer em política como noutros países. Um outro factor de desestabilização de Bruxelas será também as relações especiais dos USA com o Reino Unido, Polónia, Roménia, Grécia e em parte com Portugal.

A crise dos refugiados na EU levou ao Reino Unido a enveredar caminhos mais nacionalistas. A União Europeia cada vez se torna mais fraca como se vê na sua dependência em relação à Turquia. Sintoma da fraqueza da EU está no facto de se atrever a chamar a atenção dos USA para o respeito dos direitos humanos e deixar o fascismo crescer na Turquia. Tal como aconteceu com o Brexit torna-se difícil para muitos aceitar a realidade dos factos. A pseudo-religião do politicamente correto da nossa era tem dificuldade em aceitar o contratempo que a faz sofrer e, por isso, não deixa ser objectiva.

António da Cunha Duarte Justo

UMA BOA ACÇÃO PARA DESENFASTIAR ALGUMAS NOTÍCIAS: TRUMP RENUNCIA AO ORDENADO DE PRESIDENTE

Donald Trump declarou querer renunciar ao ordenado a que teria direito na qualidade de Presidente dos USA. Trum noticiou na CBS só querer aceitar um dólar por ano. A remuneração do presidente americano é de 370.000 € por ano.

Este propósito só terá consistência se a sua relação como grande empresário e como presidente dos USA não se misturarem.

António da Cunha Duarte Justo

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Cultura, Economia, Migração, Política. ligação permanente.

2 respostas a RETIRADA A TUTELA AMERICANA SOBRE A EUROPA

  1. Francisco Barbosa velho diz:

    Caro António Justo,o sr.corretamente aponta ou descreve os males que assolam a Europa e não só mas,agradecia ideias com alternativas possiveis para que se consiga uma Europa estável e de seguida continente seguido de continente ?

  2. Caro Francisco Barbosa, muito obrigado pela questão. Neste momento da história em que nos encontramos é de grande importância contribuir para uma reflexão profunda para a partir dela surgirem soluções se ir criando uma nova consciência e uma nova forma de estar na vida. Como na Idade Média o povo estava submisso ao clero e à nobreza hoje encontra-se submisso à doutrina do politicamente correcto ditado pela elites que mantêm o poder económico e ideológico. Só que a malta não nota e ainda tem a arrogância de se sentir melhor do que os da idade média. Esta é uma razão porque coloco o dedo na nossa ferida. Quanto à prática tenho também muitos artigos de fundo que abordam o assunto. A alternativa só pode ser criada pelo fomento de uma nova consciência. Só um povo crítico e consciênte será capaz de revolucionar o sistema; não os revolucionários do costume que a história nos apresententa. Estes governam-se a si e às suas clientelas. De resto defendo uma política social descrita nas encíclicas sociais da igreja católica que vão muito mais além de qualquer programa partidário ou sindical. Se os meus artigos levassem mais gente a inscrever-se em todos os partidos e organizações, a reflectir mais, a ser mais crítico e autónomos e a participar mais na filosofia cristã já era um pequeno passo no sentido de se criar uma sociedade em que não fosse o dinheiro e a vaidade os factores impulsionadores do pensar e agir mas sim a humanidade, a compaixão e o amor nos levasse a descobrir a todos como irmãos, no respeito pela diferença. A Europa teria de repensar o seu legado cristão e menos o capitalista e aterialista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *