Alimentação ecológica – Um Serviço à Humanidade


Dia Mundial da Alimentação

António Justo

Hoje celebra-se o dia mundial da alimentação. A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) submeteu a comemoração do Dia Mundial da Alimentação, deste ano, ao tema “Cooperativas agrícolas alimentam o mundo”. Este constitui um pau de dois bicos se atendermos ao facto de muitas multinacionais ditarem os preços dos produtos agrícolas a cooperativas locais agrícolas, chegando até a força-las indirectamente a comprar-lhes as sementes e até pesticidas e adubos. Os arrendamento Leasing (locações) torna-se problemático.

 

O direito a uma alimentação saudável e equilibrada, num mundo já com 7 bilhões de habitantes, é tarefa difícil num tipo de sociedade cada vez mais centrado em grandes cidades.

O lema “Cooperativas agrícolas alimentam o mundo” seria muito de saudar se acompanhado duma política descentralizadora da produção e comercialização dos produtos alimentares; isto é, se se fomentasse mais a produção biológica e os biótopos locais e regionais.

 

Facto é que no mundo existem praticamente apenas 10 monopolistas que dominam o mercado mundial da alimentação. São as seguintes multinacionais: Nestlé, Kraft, Pepsico, P&G, Kelloggs, MARS, J, Unilever, JonsonJonson e CocaCola.

 

Monopolistas destroem a Paisagem e os pequenos Lavradores

 

Com o fortalecimento dos monopolistas e consequente redução da produção em poucas mãos, assiste-se também ao aumento das monoculturas e à diminuição de oferta de produtos e à destruição dos pequenos agricultores. Para se fortalecer os monopolistas os lóbis criam até leis sobre as medidas comerciáveis da banana, da maça, etc., para que as de tamanho mais reduzido e menos “luzidio” sejam impedidas, destruindo-se, assim, o pequeno lavrador e aqueles que não usam pesticidas. Os monopólios agrários vão contra a diversidade de produtos agrícolas, sendo difícil de avaliar as consequências para a saúde.

 

De facto, também dez multinacionais dominam três quartos do mercado das sementes. Monsanto (USA) domina 27% do mercado mundial. DuPont (USA) e Syngenta (CH), produzem também pesticidas. (Cf. www.saatgutfonds.de). Assim as multinacionais, entrelaçadas entre elas determinam o produto agrícola a comercializar e até a fornecimento do adubo e pesticida a utilizar..

 

A industrialização da agricultura, concentrada em poucas firmas, leva também à monocultura destruindo assim a individualidade da paisagem, ameaçando o sistema ecológico. Uma investigação da Universidade Mochigan 2007 revela que se se procedesse à conversão da produção mundial de alimentos, em vigor, em agricultura biológica, verificar-se-ia um aumento na produção de alimentos em 50%, o que corresponderia a 4381 quilocalorias por pessoa e por dia.

 

Também a produção (reprodução) de sementes ecológicas protegeria a variedade de produtos vegetais e contribuiria para que os pequenos lavradores do interior se afirmassem não precisando de emigrar. As multinacionais fomentam apenas a produção de espécies (sementes) que necessitam de fertilizantes artificiais e pesticidas para terem boas produções e aumentarem os lucros especulativos. Na competição da manipulação biológica seria importante que os Estados se preocupassem em colaborar com universidades na produção de novas variedades de sementes adaptadas à mundivisão ecológica. Por enquanto, a compra de produtos biológicos ainda é um luxo, dado estes custarem, pelo menos, o dobro dos produtos agrícolas industriais. Os monopolistas fomentam a criação de verdadeiros campos de concentração de galinhas, porcos, etc. e roteamento de florestas. A humanidade ainda não chegou ao consumo alimentar.

 

Para se comer de consciência tranquila não chega um tratamento humano dos animais segundo as espécies a consumir. Além doutros aspectos, é preciso ter-se em conta o emprego da penicilina e hormonas no tratamento dos animais. A consequência do consumo de produtos, com tais ingredientes, vê-se já nas pessoas que cada vez se tornam maiores; há consequências que só podem ser observadas passadas várias gerações. Teologicamente poder-se-ia dizer que a Redenção de Cristo também se deu para os animais.

 

Depois da segunda guerra mundial desenvolveram-se as monoculturas com a industrialização da alimentação com a criação de espécies híbridas. Assiste-se a um êxodo das famílias do campo para as cidades. Neste ambiente os monstros da economia cada vez se afirmam mais contra os biótopos naturais.

 

O consumo de recursos para produzir um quilo de carne é hoje quatro vezes mais do que o que se precisaria para a produção de alimentação com cereais. A importação de soja para alimentar os animais destrói a floresta amazónica da américa do sul.

 

A aberração do comércio está também no facto da indústria e comércio alimentar se encontrarem nas mãos de accionistas que ganham imenso com a especulação de produtos alimentares. Um efeito colateral do grande negócio pode ver-se também no facto da produção dos peitos de frangos se reservar para a Europa rica sendo os restos exportados para África, a preços naturalmente baixos, destruindo, deste modo, os mercados locais africanos.

 

 

Urge criar uma nova ordem económica de comércio justa e humana, especialmente no que respeita à produção e comercialização de alimentos. O consumidor tem o poder de reduzir o consumo de carne e optar por produtos regionais, por amor ao solo, aos animais, às águas e ao ar. Só o consumidor poderá, através duma compra consciente, contribuir para se mudar o sistema da concorrência actual num sistema de cooperação a favor do bem-comum.

 

António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@gmail.com

www.antonio-justo.eu

Social:

Esta entrada foi publicada em Economia, Educação, Política. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *