Natal – A Realidade grávida a dar à Luz


 

António Justo

No estresse do tempo tudo é movimento, um vai e vem, de vida também. O tempo mais escuro, os desejos mais libertos, as compras menos necessitadas, as recordações mais envolventes, um mundo mais inteiro e próximo, tudo junto, cria um panorama nostálgico, um sentimento de saudade envaginante. Natal, o mundo inteiro paira no ar, num céu feito de nuvens e sol: é pôr de sol no amanhecer.

Natal é o tempo dos tempos a gerar outro tempo. Não é tempo linear, é tempo completo, de pensamento, emoção e acção em sintonia. Tempo de viver em primeira-mão. Natal é dar á luz na gruta que somos nós, onde a fonte do amor jorra, a faúlha divinal brilha. Nela se reúne a concepção ao dar à luz. Tudo é receber, tudo é oferta, é absorver algo em si e voltar a dá-lo, num processo de engravidecer e dar à luz. Ao realizá-lo, somos Maria com a criança no regaço, no nosso seio acolhemos a vida, o outro para com ele nos darmos à luz, nos tornarmos presépio, o lugar o a acontecer.

Natal é o tempo alto, tempo de elan vital, de alento intelectual e emocional a deslizar no acontecer. É o outro lado do tempo cronológico para se tornar no kairós (“o momento certo” ou “oportuno” – para lá do passado-presente -futuro).

Natal é tempo de Desejos. Desejos de recolhimento, dedicação e reconhecimento juntam-se à lareira do lar, a celebrar o presépio, a família universal. Reúnem-se desejos altos e nobres; anseios satisfeitos e insatisfeitos num augúrio de harmonia geral.

Natal é tempo da criança em nós. A criança em nós, filha dum desejo, a desejar crescer! Nela o natal é criativo, mágico e santo. Um presépio, um pinheiro, uma fogueira a arder numa lareira, num coração. Ao olharmos a vida com o olhar duma criança sentimos, em todo o lugar, natal a acontecer. Deus é criança, um laço que tudo une.

Natal é tempo de rituais. Tudo são rituais, de laços a unir o baixo e o alto, o céu e a terra, a luz e a sombra, os animais e as pessoas no mesmo plano. Vive-se nele uma aura de emoção, de pequenos e grandes num dar e receber, a união universal no mesmo ritual. Deus é fogo que inebria toda a humanidade numa espiritualidade que desempederne e vivifica; tal como o sol na paisagem da natureza, ele é sol menino, para todos a diluir as nuvens do medo e das cercas que nos encarceram.

Natal e tempo dos presentes. Nele somos presentes (dons) num mundo à espera de nós. Nos presentes embalados com laços de amor, se ata a dedicação e a importância do outro. Neles nos tornamos completos, revitalizamos em nós aquela criança que somos, aquela vitalidade inocente, por vezes, amarrada e reprimida, numa existência programada sem sonho nem guarida. Na embalagem do Natal, ao desatarmos as fitas, descobrimos a graça da oferta tornando-se a embalagem já não fronteira mas mensageiro de união na compaixão.

Natal é tempo da família. Num ritual protótipo, uma vez no ano, todo o mundo se junta na família em torno do menino que dá à luz o mundo. Nele o par reconhece a individualidade para passar à comunidade. Um é um, dois é par, só três é comunidade (no três está todo o outro). Natal é tempo de família numa época da História ocidental nada familiar mais pronta a receber, a petrificar do que a dar à luz.

Natal é tempo de conflitos. O facto de a família passar mais tempo junta possibilita conflitos. Estes, geralmente provêem de expectativas acrescidas, conscientes e inconscientes. Geralmente são fruto natural da meteorologia actuante em cada um de nós, tal como na natureza: fases de acalmia, baixas e altas pressões. Porque responsabilizar, então, o outro pelo estado do tempo que grassa na paisagem do nosso ser ou do grupo?

Esta época de natal também se revela mais difícil para pessoas à margem ou para pessoas cerebrais que preferem viver no sótão das ideias do que descer ao andar da emoção. Na casa de cada ser, tal como nas cercas sociais, encontram-se pessoas que gostam mais de viver expostas ao sol da razão e outras mais recolhidas na sombra da emoção. Jogar uns contra os outros seria desconhecer os soalheiros e os sombrios em nós, seria desprezar a natureza. Esta época torna-se especialmente difícil para quem vive só. Todos precisamos de rituais e estes só se realizam e satisfazem no encontro. Importante será a organização dum ritual, seja ele em família, na igreja, na cadeia, num hospital, em forma de viagem, ou de retiro espiritual. De ter em conta também quem tem problemas digestivos em questões de religião. O problema situa-se frequentemente na espectativa; dela surge, muitas vezes, o desengano, porque ou se esperava mais ou se espera outra coisa. Os banqueiros e tabeliões da festa cá estarão para a utilizar, desvalorizar ou rebaixar.

Natal é tempo de dor, também. Na praça passa a sede dum tempo novo. No chão, leis enlameadas, tornam a praça escorregadia. No ar sombrio dum país árido, se ergue, nas nuvens da amargura, o gralhar da dor de doentes, desempregados, desiludidos e não amados. Nas ruas passam sombras invertidas. Muitas ruinas de vida, no chão, estendidas! Esboços no chão, à espera do presente. A salvação é uma criança pequena numa gruta desamparada a palrar: “estou, aqui, fraco para que possas ser forte”.

Natal é tempo de festa. Festas são momentos de interrupção do dia-a-dia. São momentos altos de religação à vida. Nelas se presencia o sentimento festivo de intimidade, a voz do mundo a ressoar em mim em ti, no nós. No natal a vida reúne-se em festa. A natureza unida à divindade toca-nos porque no íntimo do presépio, no interior de cada um, flagra uma chama, sorri uma criança. É a ressonância que nos irmana em nós a criança desamparada à espera de doação. O fruto da doação, da entrega, é amor.

No Natal, independente do credo, celebra-se a humanidade, por isso Natal é a festa mais humana de todas as festas. O mundo e nós mudamos; o natal em nós permanece: Deus a tornar-se homem para que o amor viva em e entre nós.

António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@googlemail.com

www.antonio-justo.eu

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Arte, Economia, Educação, Escola, Migração, Política, Religião. ligação permanente.

Uma resposta a Natal – A Realidade grávida a dar à Luz

  1. Jorge Rodrigues diz:

    Que bom seria que na Humanidade fosse Natal todos os dias!

    Um fraternal abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *