Repensar Portugal / o Ocidente – Activar a Lusofonia

A Hora da Lusofonia está a chegar (2)

(Continuação)

António Justo

Preparar uma “ínclita geração” como impulsionadora da lusofonia.

Portugal foi a primeira nação europeia a estar completa; numa união íntima de terra-povo -cultura, exercitou, logo de início, a sua vontade na resistência à força leonina, à lança muçulmana e nas labutas com o mar. Deste esforço viu brotar no seu seio a flor da alma europeia: o saber de experiência feito; espírito este gerado durante séculos no seio das ordens e expresso no lema “ora et labora”. A doxia aliada à praxia, especialmente na ordem beneditina e dos templários (depois Ordem de Cristo),gerou Portugal e frutificou nos Descobrimentos. Hoje, quando se fala em Portugal, Brasil, Angola, etc., estão-nos subjacentes os ecossistemas sociais do grande biossistema cultural que é a Lusofonia. O Brasil poderia assumir hoje, a nível de Lusofonia, a missão que Portugal assumira em relação à Europa nos tempos da sua juventude. Outrora as cidades organizaram-se em torno das catedrais; hoje em torno das grandes culturas.

Sem esquecermos a lei orgânica e o valor dos diferentes ecossistemas sociais, é de assinalar que já não nos encontramos na fase das consolidações nacionais mas na fase dos agrupamentos regionais/culturais. À superfície a crise mostra que nos encontramos não só na fase de especulação e de desregulação dos mercados financeiros, mas sobretudo num processo de desregulação das cabeças e das nações, numa intenção de tornar civilizações e povos subservientes a interesses anónimos. Estamos em plena mudança.

Este fenómeno será difícil de ser sentido por países que, através da colonização externa, foram impedidos de realizar a colonização interna e se encontram hoje, debruçados sobre si, num estado de independências e sociedades frágeis. Este processo prolongou-se na na Europa durante 1.500 anos.

Naturalmente que hoje como ontem os países fortes impedem uma formação natural de ecossistemas sociais/nacionais, opondo-se à colonização interna em nome de interesses económicos e a pretexto hipócrita do humanismo (intervenções) como se fez directamente na Líbia e se faz de maneira discreta em todo o norte de África. O que acontece nestes países a nível político/militar realiza-se nos países surgentes a nível económico contra a ecologia e ecossistemas cada vez mais violados. Começa-se por violar a natureza, depois o pensamento e finalmente as consciências.

Também as sociedades não europeias seguirão a evolução natural de formações nacionais para “constelações postnacionais”, reunindo-se em grupos de interesses à semelhança da EU, NATO, Liga Árabe, etc. Na fase de desenvolvimento em que nos encontramos, o lugar do futuro já não se deixará circunscrever a territórios nacionais; passará das cercas nacionais para as cercas culturais de diferentes territórios. Para isso, à semelhança do que acontece no direito internacional em que direito internacional quebra direito nacional, também no caso do espaço lusófono serão necessários acordos que possibilitem a imposição dos interesses dum valor maior (o espaço lusófono) sobre o interesse privado nacional. Esta visão não parece ainda ser aceite socialmente mas corresponderá a um organigrama ideal que se imporá com o desenvolvimento do tempo e da consciência social. A sua realização pressuporá uma ideia aberta de Estado de Direito, subjugada por uma política pragmatista de factos consumados que se imporá, tal como tem acontecido com a União Europeia, através do esvaziamento imperceptível das soberanias nacionais em favor dum bem maior que é a formação, a longo prazo, duma confederação europeia. Esta missão tem sido assumida pelos tecnocratas e regentes das diferentes nações.

No caso da organização da supra-estrutura “Espaço lusófono” pressupõe-se convenções intergovernamentais altruístas e iniciativas de base com organizações e programas supranacionais. Precisa-se duma ideia a longo prazo e duma estratégia comum. Não seria inteligente, que os políticos portugueses, demasiadamente fixados em Bruxelas, perdessem de vista, aquilo que lhe deveria ser mais sagrado: o espaço lusófono e a defesa dos seus interesses mesmo à custa de interesses regionais europeus. (Seguir o exemplo duma Alemanha mais interessada em integrar no espaco da EU os seus vizinhos próximos enquanto que os mediterrânicos se preocupam pouco com os vizinhos do norte de África). Desperdiçar a força populacional e estratégica dos países da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) com 8 países e com cerca de 250 milhões de cidadãos e constitui um espaço linguístico-cultural extremamente rico e que ocupa o 5° lugar no mundo, seria miopia e um grande erro histórico, mesmo em termos comerciais. (Em vez de se defender, o espaço lusófono encontra-se à pilhagem do turbo-capitalismo internacional e de nacionalismos estrangeiros fortes. ) Depois das tribos vieram as nações e agora estamos na hora das culturas/civilizações. O meu amigo, Dr. Jorge Rodrigues, escreve no seu blog http://comunidade.sol.pt/blogs/jorgepaz/archive/2011/09/28/CPLP_3A00_-o-futuro-contr_F300_i_2D00_se-hoje_2100_.aspx :“ Se a CPLP fosse um Estado (federal ou confederal?) seria em área o 2º maior do mundo, a seguir à Rússia e com a China logo a seguir”. A lei da evolução aponta nesta direcção.

O espaço lusófono, para assumir uma missão civilizacional importante na História, à imagem do Portugal de outrora, terá de tomar consciência de si e formular um ideal comum. Só assim poderá assumir a bandeirância espiritual da civilização do século XXI, tal como Portugal fez do século XIV ao XVI.

Outrora os países europeus encontravam-se numa crise cultural achando-se divididos por guerras militares e religiosas; hoje, a União Europeia, numa crise cultural também, encontra-se de cabeça amarrada pela crise económico-financeira e demasiadamente preocupada consigo mesma, esgotando-se, desorientada, em guerras financeiras.

Por outro lado paira no ar um desejo de mudança, sente-se a ânsia duma nova maneira de ser e de estar no mundo: no sentido duma vivência mais intuitiva e integral, no sentido duma ortopraxia mística. O espaço lusófono muito rico em ecossistemas biológicos e culturais reúne os melhores pressupostos para dar expressão ao novo sentir e “dar novos mundos ao mundo”. Para isso urge o cultivo duma visão, duma vontade e dum ideário comum, embalados no berço da lusofonia que é o conjunto de identidades culturais, ligadas pela língua que vai de Portugal ao Brasil, do Brasil a Angola, a Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Macau, São Tomé e Príncipe, Timor e às diversas comunidades de língua portuguesa espalhadas pelo mundo.

Portugal, se quer ganhar rosto na Europa, terá de se redescobrir luso com o seu típico espírito humanista e universalista aprendido nos bancos godos e católicos da nação nascente e depois alargado no contacto com os diversos povos do mundo. Não se trata de sermos portugueses, religiosos ou ateus, trata-se de nos encontrarmos com a nossa alma universal em todo o lugar presente num processo metamórfico sob as cores do biótopo natural. A nação, e depois o espaço postnacional lusófono, além dum ideal, precisa duma missão histórica a cumprir, uma metafísica que lhe dê projecção e sentido. No espaço lusófono tornar-se-á óbvio conhecer e espalhar nas escolas e nos meios de comunicação o saber sobre escritores e pessoas que reúnem em si a consciência e a memória do seu povo, numa dinâmica de intercâmbio e de fomento da consciência do nós, do saber-nos “irmãos” brasileiros, irmãos moçambicanos, etc.

(continua)

António da Cunha Duarte Justo

Teólogo, Pedagogo e Jornalista

antoniocunhajusto@googlemail.com

copyright in

www.antonio-justo.eu

 

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Arte, Economia, Educação, Escola, Migração, Política, Religião. ligação permanente.

3 respostas a Repensar Portugal / o Ocidente – Activar a Lusofonia

  1. Jorge da Paz Rodrigues diz:

    Meu caro Prof. António Justo:

    O seu artigo merece a classificação de “cinco estrelas”, tal como o antecedente.

    Repensar a Lusofonia é uma obrigação de todos os Lusófonos e o seu contributo, muito válido, merece a mais ampla divulgação.

    Na minha modesta opinião, concordando com o seu sapiente pensamento, urge “abanar” e dar “vitaminas” à CPLP (Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa), arrancando-a do seu marasmo,pois é a única estrutura que para já dispomos, tal como já fiz quando escrevi “CPLP: o futuro constroi-se hoje!”.

    Para isso, todos os Lusófonosse devem empenhar e dar o seu contributo cívico, tal como o meu ilustre amigo vem fazendo e nisso conta desde já com a minha companhia.

    Um grande abraço.

    Jorge da Paz Rodrigues

  2. Ernestina Matos diz:

    portugal terá que voltar às suas origens, regressar á oceografia, ser profeta levar a Palavra, na Paz, através da cultura ancestral, na doutina, na filosofia, na ciência e matemática. Voltando a recordar que fomos os construtores de um mundo novo, mas que ficámos a ver navios, ou melhor a nau e caravela foi um êxito,mas que hoje devemos ir mais além, o sonho marítimo, a vida de marinheiro, não será o 1º, mas teremos que construír novos horizontes, para que a cultura, fé e ciência seja sempre mãos unidas, ao encontro daquele que está mais além, através dos diferentes continentes

  3. Coloco aqui, como alerta, este excelente artigo de Jacques Amaury,
    sociólogo e filósofo francês, professor na Universidade de Estrasburgo, acerca de Portugal
    “Portugal atravessa um dos momentos mais difíceis da sua história que terá que resolver com urgência, sob o perigo de deflagrar crescentes tensões e consequentes convulsões sociais.
    Importa em primeiro lugar averiguar as causas. Devem-se sobretudo à má aplicação dos dinheiros emprestados pela CE para o esforço de adesão e adaptação às exigências da união.
    Foi o país onde mais a CE investiu “per capita” e o que menos proveito retirou. Não se actualizou, não melhorou as classes laborais, regrediu na qualidade da educação, vendeu ou privatizou mesmo actividades primordiais e património que poderiam hoje ser um sustentáculo.
    Os dinheiros foram encaminhados para auto-estradas, estádios de futebol, constituição de centenas de instituições público-privadas, fundações e institutos, de duvidosa utilidade, auxílios financeiros a empresas que os reverteram em seu exclusivo benefício, pagamento a agricultores para deixarem os campos e aos pescadores para venderem as embarcações, apoios estrategicamente endereçados a elementos ou a próximos deles, nos principais partidos, elevados vencimentos nas classes superiores da administração pública, o tácito desinteresse da Justiça, frente à corrupção galopante e um desinteresse quase total das Finanças no que respeita à cobrança na riqueza, na Banca, na especulação, nos grandes negócios, desenvolvendo, em contrário, uma atenção especialmente persecutória junto dos pequenos comerciantes e população mais pobre.
    A política lusa é um campo escorregadio onde os mais hábeis e corajosos penetram, já que os partidos cada vez mais desacreditados, funcionam essencialmente como agências de emprego que admitem os mais corruptos e incapazes, permitindo que com as alterações governativas permaneçam, transformando-se num enorme peso bruto e parasitário. Assim, a monstruosa Função Publica, ao lado da classe dos professores, assessoradas por sindicatos aguerridos, de umas Forças Armadas dispendiosas e caducas, tornaram-se não uma solução, mas um factor de peso nos problemas do país.
    Não existe partido de centro já que as diferenças são apenas de retórica, entre o PS (Partido Socialista) e o PPD/PSD (Partido Popular /Social Democrata), de direita, agora mais conservador ainda, com a inclusão de um novo líder, que tem um suporte estratégico no PR e no tecido empresarial abastado. Mais à direita, o CDS (Partido Popular), com uma actividade assinalável, mas com telhados de vidro e linguagem publica, diametralmente oposta ao que os seus princípios recomendam e praticarão na primeira oportunidade. À esquerda, o BE (Bloco de Esquerda), com tantos adeptos como o anterior, mas igualmente com uma linguagem difícil de se encaixar nas recomendações ao Governo, que manifesta um horror atávico à esquerda, tal como a população em geral, laboriosamente formatada para o mesmo receio. Mais à esquerda, o PC (Partido comunista) menosprezado pela comunicação social, que o coloca sempre como um perigo latente e uma extensão inspirada na União Soviética, oportunamente extinta, e portanto longe das realidades actuais.
    Assim, não se encontrando forças capazes de alterar o status, parece que a democracia pré-fabricada não encontra novos instrumentos.
    Contudo, na génese deste beco sem aparente saída, está a impreparação, ou melhor, a ignorância de uma população deixada ao abandono, nesse fulcral e determinante aspecto. Mal preparada nos bancos das escolas, no secundário e nas faculdades, não tem capacidade de decisão, a não ser a que lhe é oferecida pelos órgãos de Comunicação. Ora é aqui está o grande problema deste pequeno país; as TVs as Rádios e os Jornais, são na sua totalidade, pertença de privados ligados à alta finança, à industria e comercio, à banca e com infiltrações accionistas de vários países.
    Ora, é bem de ver que com este caldo, não se pode cozinhar uma alimentação saudável, mas apenas os pratos que o “chefe” recomenda. Daí a estagnação que tem sido cómoda para a crescente distância entre ricos e pobres.
    A RTP, a estação que agora engloba a Rádio e TV oficiais, está dominada por elementos dos dois partidos principais, com notório assento dos sociais-democratas e populares, especialistas em silenciar posições esclarecedoras e calar quem levanta o mínimo problema ou dúvida. A selecção dos gestores, dos directores e dos principais jornalistas é feita exclusivamente por via partidária. Os jovens jornalistas, são condicionados pelos problemas já descritos e ainda pelos contratos a prazo determinantes para o posto de trabalho enquanto, o afastamento dos jornalistas seniores, a quem é mais difícil formatar o processo a pôr em prática, está a chegar ao fim. A deserção destes, foi notória.
    Não há um único meio ao alcance das pessoas mais esclarecidas e por isso, “non gratas” pelo establishment, onde possam dar luz a novas ideias e à realidade do seu país, envolto no conveniente manto diáfano que apenas deixa ver os vendedores de ideias já feitas e as cenas recomendáveis para a manutenção da sensação de liberdade e da prática da apregoada democracia.
    Só uma comunicação não vendida e alienante, pode ajudar a população, a fugir da banca, o cancro endémico de que padece, a exigir uma justiça mais célere e justa, umas finanças atentas e cumpridoras, enfim, a ganhar consciência e lucidez sobre os seus desígnios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *