Capitalismo de Estado contra Turbo-capitalismo


ECONOMIA CHINESA FERE O CORAÇÃO DO OCIDENTE

António Justo

O regime chinês reúne numa só mão o poder político e económico, tornando-se agora, com o seu capitalismo de estado, numa ameaça para o capitalismo ocidental não regulado. Este passe de rasteira ao capitalismo internacional leva, por seu lado, os estados livres a produzir leis proteccionistas das suas economias para impedirem a fuga do capital, produzido pelos operários, para nações concorrentes. A política de expansão chinesa, permite-se transgredir leis internacionais de mercado e mesmo o roubo de tecnologias.


À maneira capitalista, compra companhias, técnica, know-how (europeu e americano) e as riquezas do solo (África, Austrália e América Latina). Por outro lado, em nome da paz social na China, mantém a sua moeda (Yuan) subvalorizada, beneficiando assim a sua exportação. Pior ainda, o Estado subvenciona as firmas nacionais com créditos baratos e discrimina os investidores estrangeiros no acesso às matérias-primas e na concessão de empreitadas públicas. Por outro lado os mesmos países vêem-se obrigados a comprar produtos chineses por serem mais baratos. Deste modo vão iludindo a contínua baixa do poder de compra do povo ocidental.


A EU já pensa, como fez a USA, em tomar medidas proteccionistas também: discriminação contra discriminação.


Os chineses fazem o que os japoneses fizeram: com os seus estudantes, copiaram as tecnologias nas universidades ocidentais e depois puseram os seus produtos a preços concorrentes no ocidente. Ao contrário dos chineses consideravam os concorrentes como parceiros, respeitando as regras do jogo para os grandes.


Provocaram a Crise têxtil europeia como provocarão a crise automóvel


A revista alemã de finanças “Manegermagazin” de 12/10, já teme o futuro da economia ocidental, descreve a agressão chinesa no sector financeiro internacional. Refere a aquisição ou participação de empresas chinesas no estrangeiro (num valor que vai de um bilião – cem mil milhões- a 14,3 biliões de dólares por firma) das seguintes empresas: Rio Tinto na Argentina, Addax (Inglaterra),Bridas Corp (Argentina), Itaminas (Brasil), Plena Transmissoras (Btasil), Peregrino Ölfeld (Brasil), Penn West (Canadá), Syncrude (Canadá), Volvo (Suécia), Arrow Energy (Austrália), Bauxit Mine (Gana), Reps Brazil (Brasil), Ölfeld Texas (USA), Nigerien Telecom (Nigéria), Fortis-Sparte (USA). Destas firmas 11 são do ramo das matérias-primas, uma da energia, uma automóvel, uma Telecom e uma de Bancos. Todos estes sectores determinantes para o futuro.


Por estes andares, a Europa encontra-se a caminho de se tornar museu enquanto a China se tornará o centro da produção.

A economia dirigida do mercado causa dores de cabeça não só à grandes multinacionais como aos Estados do Ocidente. A China concorre hoje com produtos de terceira categoria com as pequenas e médias empresas ocidentais, amanhã concorrerá com os produtos de primeira classe das multinacionais europeias e americanas.


O monopolista estado aprendeu as regras do turbo-capitalismo seguindo uma estratégia desleal. Mas o que é mal dum lugar pode ser bem do outro.


Será que o capitalismo liberal, para reagir, terá de voltar aos nacionalismos de ontem ou preparáramo-nos para o conflito de civilizações? Este será o caso, segundo a ordem das coisas na História: primeiro deu-se o conflito entre tribos, depois entre nações e o último será entre regiões ou civilizações. O maior conflito que se avizinha, com graves consequências para a escalada dos preços e conflitos dar-se-á no sector das matérias-primas.


Uma economia nacionalista dirigista criará grandes problemas ao capitalismo liberalista internacional e ao globalismo. Avizinham-se tempos altos para as ideologias. À revolução política chinesa segue-se a expansão económica e ao bem-estar europeu o incómodo social.


Na história dos imperialismos aflora-se um novo imperialismo. O critério da sua avaliação orientar-se-á pela participação do povo na produção e no consumo. O certo é que o socialismo primeiro luta pela libertação e quando se encontra no poder luta pela ideologia que reprime a liberdade. Uma perspectiva a partir da precariedade não se preocupa com direitos humanos, com participação popular nem com a corrupção. Todas as nomenclaturas terão o indivíduo como concorrente e corrector.


Semelhante ao Islão, entra nos estados pela porta traseira, para depois, do alto do seu mirante, exigir e ditar condições. Servem-se da fraqueza de sistemas, Estados e firmas para se afirmarem, com as suas companhias estatais, nas partes fracas do Ocidente. Aprenderam depressa a estratégia ocidental, o que irá emperrar a realidade democrática ocidental. Não fosse a História um palco de colonialismos e imperialismos sucessivos e a sua plataforma o sempre povo.


Na sua estratégia de invadir os países do euro, os bancos nacionais chineses concedem créditos mais baratos aos estados em dificuldade, investindo, sobretudo, na construção de estradas, caminhos-de-ferro e aeroportos. Entram em Estados pobres com um mínimo de capital procurando tirar o maior lucro económico e ganhar o máximo de influência política como se viu no último apelo chinês ao boicote da celebração Nobel.


Já aplicou esta estratégia de apoio na Grécia e agora faz o mesmo em Portugal. Esta é uma novidade que poderá ser, numa primeira fase, interessante para economias fracas. Será, mais que isso, um contributo para disciplinar um liberalismo capitalista feroz. De resto ficará a velha praxe: Da luta dos grandes sempre restam algumas migalhas para os pequenos!


A Alemanha é o país da EU que está mais preparado para resistir à concorrência barata chinesa. Apesar disso, os grandes empresários alemães queixam-se e já vêem nuvens no horizonte.


António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@googlemail.com

Social:

Esta entrada foi publicada em Economia, Política. ligação permanente.

5 respostas a Capitalismo de Estado contra Turbo-capitalismo

  1. Fernanda diz:

    isse…

    Apreciei a sua análise mas embora eu seja aprendiz em questões económicas penso que o capitalismo apenas está a colher aquilo que semeou e, de resto por enquanto não vai sair prejudicado, até porque, para sobreviver e garantir os lucros chorudos do costume, está a tentar impor o turbo capitalismo na europa, só não sei se o tiro não lhes vai sair pela culatra.

  2. Tem razão!
    Por agora pode espalhar-se por áreas de crescimento.
    O problema maior será o do Capitalismo Turbo Estatal. O Capitalismo de Estado chinês provocará desequilíbrios maiores, embora neste momento possa aparecer como um bem pelo facto de domar um pouco o Turbo Capitalismo ocidental!

  3. Fernanda diz:

    Não sei se o turbo capitalismo estatal vai domar o turbo capitalismo ocidental, penso até que o vai estimular pois que para competir com ele vai ter que ter: mão de obra mais barata, despreocupação com o ambiente, menor intervenção estatal, etc, será que estou a pensar mal e me está a escapr alguma coisa? não está na lógica do sistema as coisas acontecerem da maneira que estou a descrever?
    desculpe estar a abusar do seu tempo, mas gostaria que me explicasse como é que o capitalismo chines vai domar, como diz, o trubo capitalismo ocidental?

  4. Penso que o turbo capiotalismo estatal só existe na China e que esta, naturalmente, como diz, irá estimular o turbo capitalismo privado. As nações que até agora viviam do capitalismo liberal reagirão ao capitalismo nacional chinês com medidas proteccionistas nacionalistas, vejo-me obrigado a pensar!
    Na Europa, os trabalhadores já são obrigados a vergar-se às condições chunesas.
    As empresas europeias, para fazerem negócios chorudos, despedem os próprios empregados e importam os produtos directamente da china.
    Por enquanto o negócio ainda vai iludindo o povo porque compra mais barato. A situaç1bo dops trabalhadores, cada vezé mais precária!
    Opróprio Brasil virtá a ter problemas atendendo aos ordenados que paga serem muito superiores aos da China.
    O maior problema ainda está no facto da China exportar os seus pobres quando cria uma empresa no estrangeiro. Traz os seus trabalhadores, não criando propriamente lugares de emprego para os da nação onde se insdtala! Uma política refinada!
    “Um determinado produto que o Brasil fabrica em um milhão de unidades, uma só fábrica chinesa produz quarenta milhões”.
    Naturalmente que para países com economias pobres, num primeiro moneto é favorável atendendo aos preços de concorrência no mercado internacional. Estes países não deveriam deixar as empresas chinesas trazer os seus trabalhadores, doutro modo contribuem para um imperialismo mais desumano ainda do que o que tínhamos.
    Como elemento disciplinador do turbo-capitalismo, num primeiro moment, a estratégia chinesa não parece má.
    O problema é que se procura expulsar o diabo com o Belzebu!
    Um abraço justo
    António Justo

    22 de Janeiro de 2011 11:45

  5. Fernanda diz:

    Grata pela explicação que teve a bondade de dar.
    Abraço, Fernanda

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *