AMAR É DIVINIZAR

AMAR É DIVINIZAR
António Justo
A. e A. escolheram para lema da sua união a frase de Dostojewski: “Amar uma pessoa significa vê-la como Deus a quis ver”.

Neste sentido quero meditar um pouco convosco sobre tão belo lema!

A união matrimonial consciente é uma bênção, um passo grande na realização do amor e na sua aprendizagem. Cada um se reconhece como processo, consciente de ser incompleto, projecto inacabado em contínua realização. Parabéns! No exercício do amor consciente exercitareis a própria transcendência.

O amor acenou-vos e vós aqui estais para lhe dar resposta. Ele faz-se sentir como a brisa fresca a passar em tarde de Verão. Na vossa presença e no brilho de vossos rostos sente-se o enlevo do seu ciciar. No amor renasceis juntos para em cada um de vós descobrirdes o Eu e o Outro na realização do nós.

A união matrimonial não é absorvente, ela pressupõe o espaço do próprio horizonte entre vós. (Die eheliche Verbindung ist nicht vereinnahmend, sie setzt einen Raum des Horizontes zwischen beiden voraus). A saudade da vida acenou-vos, para no amor vos tornardes vós, vos tornardes a vida. A vida do amor compreensivo abre perspectivas mesmo para aquilo que poderia tornar-se desilusão. O conhecimento adquirido no amor torna-se salvador tendo como consequência a entrega à medida de Cristo. Na união, o homem ajuda a mulher na realização da encarnação – ressurreição e a mulher ajuda o homem através da comunidade a realizar a encarnação – ressurreição. Então, a relação realiza-se não só na necessidade biológica mas também na realização existencial. O ser humano pressupõe o outro (ein Gegenüber) para se realizar. A dualidade, através do amor, desagua na trindade, na transcendência. Naturalmente, o espírito desenvolve-se da consciência dos contrastes entrando então num processo dinâmico frutífero. No outro vislumbramos também o que em nós se encontra subtérreo.

Deus é comunhão, por isso criou a pessoa como homem e mulher; os dois juntos formam a sua imagem plural e una. Na descoberta da mulher o homem descobre-se outro, na descoberta do homem a mulher descobre-se outra. Esse outro é tudo o que parece estar fora de nós mas que nos forma e gera para uma nova realidade. O eu é sempre incompleto, atendendo à sua conexão processual no “eu sou tu, tu és eu”. Do reconhecimento do Tu no Eu surge a dimensão trialógica (trinitária) do nós. Cada um torna-se ele mesmo na entrega ao outro. Nesta vivência não surgirá a tentação estática de mudar o outro. O amor vos mudará. Doutro modo, as cadeias do desejo prolongarão o sofrimento, dado o desejo provir da dor.
Como é belo receber da mão do outro o pão que se precisa. Homem e mulher encontram no outro, a outra parte respectiva de si mesmo. (Mann und Frau finden im anderen die jeweils andere Seite von sich selbst: das eigene Selbst) O homem encontra na mulher o outro (das andere, das Gegenüber) de si mesmo, e a mulher encontra no homem o outro de si mesma. Assim se recriam, começando assim a antecipar o futuro. No tu está a perspectiva do acto criador, que implica a exuberância de si mesmo que transborda e se comunica. Na entrega mútua se reconhece a vida como parceria, como ser com, numa relação dinâmica de pergunta – resposta. Aqui se prova a relação trinitária onde não há ordem superior nem inferior, independentemente dos próprios papéis.

Ao reconhecer o outro, eu reconheço também que sou mais do que eu mesmo e dou-me conta da profundidade do mistério da vida. Sem o outro estamos sós neste mundo. E não há maior solidão do que a de viver só na companhia de alguém. Sem uma relação autêntica com o outro estamos sós neste mundo. A vida só é possível em parceria, em relação. A relação é que é a vida! Cada um de nós encontra-se no outro. A tenção do feminino com o masculino, e vice-versa, são o pressuposto para o caminho da unidade interior. Assim descobrimos o estranho como parte essencial do eu.

A relação perfeita não se limita ao eu e ao tu: Ela precisa dum terceiro na companhia, que é o nós, o espírito, o amor, tal como na relação do Pai com o Filho surge o Espírito. Tal como na Trindade: o amor do Pai revela-se no filho gerando-o e o filho reconhece o pai amando-o, sendo o Espírito o fruto daquelas relações amorosas, o nós. A realização do Eu está no Tu e do Tu no nós. Nesta dimensão o Eu e o Tu encontram-se numa relação de salvação mútua e universal. No Tu está a componente salvadora do Eu e a vocação universal de salvação, tal como a vivemos no nosso protótipo Jesus Cristo.

A chama acordada no primeiro momento do amor, aponta para a perspectiva duma realidade aberta manifestando nele a realidade divina no que tem de mistério e possibilidade. Já Paulo dizia: “Aos olhos de Deus, nem a mulher se compreende sem o homem, nem o homem sem a mulher!” (1 Cor 11,11).

O matrimónio é uma forma ideal de antecipação do processo da união do natural com o espiritual, tal como é vivida na relação trinitária. Na entrega mútua de um ao outro dá-se a concepção e realização de cada um, já não apenas como um eu ou como um tu mas também como um nós. A relação e a contínua descoberta do tu conduz à dimensão do nós.
Também na união sexual se torna mais visível a realidade do sacramento da nossa união com Deus. Aí se antecipa já o carinho e a ternura divina. Na união se inicia a realidade do sacramento eucarístico. Aí começa já o futuro.

A aprendizagem e o exercício paciente do amor implicarão finalmente uma relação já não só de diálogo mas de triálogo. Então se compreenderá melhor a expressão de Agostinho quando diz: “Ama e faz o que quiseres” (Augustinus sagte: Liebe und mache was du willst).

António da Cunha Duarte Justo
Stadtkirche Bad Wildungen
22.08.2008

Social:

Sobre António da Cunha Duarte Justo

Actividades jornalísticas em foque: análise social, ética, política e religiosa
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

2 respostas a AMAR É DIVINIZAR

  1. Jorge da Paz diz:

    Prezado prof. António Justo:

    Tentando ser sintético, direi simplesmente que também gostaria um dia de conseguir escrever um texto como este…

    Se para tanto lograr reunir o “engenho e arte” e um mínimo de inspiração Divina, evidentemente.

    Forte abarço,
    Jorge da Paz.

  2. António da Cunha Duarte Justo diz:

    Estimado Dr. Paz,
    como tenho constatado no seu blog, a musa lá canta bem alto! Naturalmente que o melhor para a inspiração falar será preciso deitar-se com ela na cama!… Depois poderá ser ela a falar e não nós!
    Um abraço justo
    Justo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *