ELEIÇÕES NA BAVIERA CONFIRMAM A QUESTIONAÇÃO DOS PARTIDOS GOVERNANTAIS

 

O povo quer governar e não apenas ver-se governado

António Justo

O Estado da Baviera, com 9,5 milhões de eleitores e uma participação de 72,5% de votantes, foram no Domingo às urnas e 37,3% votaram na CSU (União Social Cristã), 17,7% nos Verdes, 11,5% nos FW (Votantes Livres), 10,3%, na AfD (Alternativa para a Alemanha), 9,6% no SPD (Partido Social Democrata), 5,0% no FDP (Liberais) e 3,0% na Esquerda (Socialistas).

Em relação às últimas eleições os perdedores de votos foram a CSU -10,4%, e o SPD -11,0,0%; partidos que viram a sua percentagem engrossada foram os Verdes com + 9,1%, a AfD com +10,3% (candidata pela primeira vez), FW +2,5%. FDP +1,7% e Esquerda +0,9%.

Dos 200 lugares a ocupar o parlamento Bávaro temos assim a CSU com 83 deputados, Vedes 38, FW 25, AfD 22, SPD 21 e FDP 11.

Feitas as contas os 21,4% perdidos nuns partidos correspondem ao aumento dos 24,5%. nos outros. Resumindo: a Baviera continua um povo conservador com 141 assentos no parlamento que é contrabalançado pela esquerda com 59 assentos.

O Partido Verde tem-se vindo a adaptar aos tempos e por isso está a ser honorado numa sociedade em que, devido à crise dos partidos tradicionais, o eleitorado se fragmenta cada vez mais. O estado do tempo e catástrofes ecológicas vieram, também elas, favorecer o crescimento do partido Verde. O SPD está a ser castigado pelo seu relativismo cultural que leva muitos dos seus votantes para os Verdes e para a AfD.

A CSU foi castigada devido ao seu contributo para a desestabilização da Coligação governamental em Berlim, pelo fogo cruzado entre personalidades do partido e pela falta de maleabilidade no estilo de governar.

Andrea Nahles, ao culpabilizar o próprio governo pela derrocada da CSU e do SPD na Baviera, está a serrar no próprio galho, a não ser que nas próximas eleições em Hesse (28.10) o seu SPD contrarie a derrocada em que se encontra. Certamente, a exigência, colocada pela AfD, da dissolução do governo de Merkel será então reforçada.

As penas perdidas pelos partidos do centro CDU e SPD foram enfeitar os Verdes e a AfD.

AfD passa a estar presente em 15 das 16 Assembleias dos Estados da Alemanha. A próxima onde entrará será em Hessen.

Ângela Merkel será o bode expiatório do terremoto político em via nos partidos estabelecidos.

O povo quer governar e não apenas ver-se governado, quer mudança.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

 

Publicado em Cultura, Economia, Migração, Política, Religião | 12 Comentários

JUDEUS NO PARTIDO AfD (ALTERNATIVA PARA A ALEMANHA)

Uma Sociedade em Transformação

 

António Justo

No passado Domingo, 7.10.2018, judeus, membros do partido AfD (‘Alternativa para a Alemanha), fundaram em Erbenheim, Wiesbaden, a  “Associação Nacional dos judeus no AFD” (JAfD). Esta fracção interna do partido não se entende como organização religiosa mas como organização política. “Judeus no AfD” é uma associação independente, inicialmente com 24 membros. Para ser membro do JAfD é condição ser membro do partido AFD e ter pertença étnica ou religiosa judaica.

Como presidente foi eleita a médica Vera Kosova e como vice-presidente Wolfgang Fuhl, que foi membro do Conselho de Diretores do Conselho Central de Judeus na Alemanha. A JAfD pretende representar os interesses políticos, sociais e culturais dos judeus no partido e na sociedade.

Na conferência de imprensa a presidente Kosova declarou que se distanciam de qualquer racismo ou extremismo, acrescentando: “Nós não procuramos o confronto, mas o diálogo.” O vice-presidente Fuhl acrescentou que “o AFD é um partido extremamente pró-Israel” e que nenhum outro partido apresentou tantos candidatos judeus para as eleições do Bundestag como o AfD. Lamentou, por outro lado, a rejeição do abate ritual (matança do animal com uma faca em rituais judeus e muçulmanos) e da circuncisão, no programa do AfD. O abate ritual de animais é proibido na Suiça e obstaculizado na Alemanha. Na Alemanha vivem mais de 100.000 judeus.

Muitos opinam que isto pode ter sido uma jogada do AFD. Com esta iniciativa dentro do partido o AfD não poderá ser acusado de antissemitismo nem de racismo, descartando-se ao mesmo tempo das acusações de nazismo.

Em Frankfurt 250 judeus protestaram contra a nova fracção do AfD. O movimento causou reação negativa dentro da comunidade judaica dentro e fora da Alemanha.

Apesar da oposição frontal das organizações de interesse partidário  e de organizações sociais contra o AfD, este vai ganhando terreno na sociedade procurando afirmar-se como o “único partido conservador”. O AfD defende a ideia  que o islamismo é incompatível com a constituição alemã.

O partido quer expulsar membros conotados com ideias de extrema direita como Andreas Kühn, Peter Hoppe e Lars Steinke.

O AfD conseguiu arrebanhar para si muitos adeptos dos partidos da esquerda e da direita, devido à política das portas abertas de Ângela Merkel em relação aos refugiados.

Na Alemanha, o AfD tornou-se no “menino terrível” dos partidos e no bombo da festa da opinião pública. Com excepção dos Verdes, todos sofrem bastante desfalque no seu eleitorado.  Isto tem provocado um terremoto em todas as instituições políticas e sociais que até agora se sentiam à vontade no seu agir. Agora que o sentimento popular se organiza no AfD  e é apoiado por muitos intelectuais, a conversa tornou-se outra. O poder instituído tem reagido aos factos porque com povo organizado não se brinca porque o bolo do poder terá de ser mais distribuído; isto independentemente da maior ou menor valia da força política em marcha.

Os temas críticos em relação à União Europeia que deram origem ao AfD, nunca teriam provocado uma tal implantação do partido, como a sua posição crítica em relação à política com refugiados e muçulmanos na Alemanha.

Nos últimos inquéritos para as eleições parlamentares gerais na Alemanha, o AfD pode contar com 16,6% de votantes.

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Publicado em Cultura, Migração, Política, Religião, sociedade | Deixe o seu comentário

A HISTÓRIA REPETE-SE E O HOMEM DIVERTE-SE

A História não se repete, o Homem é que continua a ser igual a si mesmo! O Homem é simultaneamente lobo e cordeiro e, conforme os interesses e as circunstâncias, assume um ou outro papel, provocando fases e comportamentos mais ou menos pacíficos.

 

Enquanto a pessoa não reconhecer a coexistência das duas energias (o bem e o mal) em si própria, será tentada a assumir apenas o papel de cordeiro para se justificar como lobo do outro (considerado adversário). Como, muitas vezes, não reconhece a realidade, em nome da bondade e da inocência, torna-se em lobo lutador contra o que define ser mau.

 

O que não reconhecemos e não aceitamos dentro de nós mesmos combatemo-lo fora, nos outros. Assim, o cordeiro em nós propaga a guerra contra o lobo que não reconhece em si!

 

Este jogo fatídico será projectado na tela da História enquanto a espécie humana se afirmar pela exclusão, extinção ou desrespeito do outro.

 

A guerra fará parte dominante da vida e da História enquanto não reconhecermos a lei da complementaridade (da realidade, dos actos e das coisas). Uma tal consciência levar-nos-ia a aproximar uns dos outros e não a comportarmo-nos como inimigos. A guerra e a paz têm a sua casa em nós e na natureza.

 

Uma medida prática e eficiente no convívio e nas relações é a ética filosófica do meio-termo de Aristóteles: “a virtude está no meio”. A coragem é o meio-termo entre covardia e temeridade.

 

Como seres chamados à felicidade, a virtude pressupõe naturalmente a educação da vontade pela razão e pela intuição, dado não sermos bichos isolados. O amor ao próximo é um ideal a tornar-se universal que não se deixa circundar à família, ao país, à cultura nem à religião.

António da Cunha Duarte Justo

“Pegadas do Tempo”

Publicado em Arte, Cultura, Educação, Escola, Política, Religião, sociedade | Deixe o seu comentário

O ÓDIO DESTROI A ETIÓPIA – CRSTÃOS ASSASSINADOS EM NOME DE ALLAH

 

O ódio e a brutalidade fascinam a sociedade

 

Na Etiópia, no dia 4 de agosto de 2018, hordas de muçulmanos atacaram cristãos matando 15 padres ortodoxos (quatro deles queimados vivos) e 50 fiéis. Nesse dia foram queimadas ou destruídas 10 igrejas, assim como 20 mil pessoas deslocadas.

Foram assassinados e perseguidos por ódio fundamentado pelo seu Deus (Allah). Os assassinos vítimas da ideologia religiosa e os cristãos vítimas da brutalidade religiosa.

Há notícias que os responsáveis pelos Média e da sociedade não querem que se espalhem tais notícias: políticos por razões óbvias; pessoas bem-intencionadas e a esquerda porque tais notícias dariam argumentos à extrema direita e também a Igreja porque isso deixaria mal o Islão, o que o colocaria numa posição má e isso não é o caminho.

Será que a chamada extrema direita só poderá ser contida através da manipulação da informação? Não será que com esta atitude se fomenta o fascismo islâmico, o oportunismo, a banalização da verdade e a abdicação do espírito crítico?

 

Enquanto a covardia e o oportunismo enfraquecem a Europa outros desesperam.

 

O Arcebispo iraquiano de Mossul (Iraque), Emil Shimoun, disse em dezembro de 2014:

“O nosso sofrimento é um prelúdio do qual vocês, cristãos europeus e ocidentais, sofrereis num futuro imediato… Por favor, tendes que nos entender. Os vossos princípios liberais e democráticos não têm valor aqui. Deveis reconsiderar a realidade do Oriente Médio, pois estais recebendo um número crescente de muçulmanos. Também vós estais em perigo. Deveis tomar decisões corajosas e difíceis, mesmo à custa de contradizer os vossos princípios. Acreditais que todos os homens são iguais, mas isso não é verdade: o Islão não diz que todos os homens são iguais. Os vossos valores não são os seus valores. Se não entenderdes isto em breve, sereis vítimas de um inimigo ao qual destes as boas-vindas em vossa casa “.

O Corão promete o paraíso aos crentes que morrem matando os infiéis. Porque será que quem fala das atrocidades muçulmanas que flagelam o mundo é considerado persona non grata. Que interesses levam a querer esconder a realidade do que é o Islão no mundo?

Também muitos muçulmanos são vítimas das suas doutrinas e ensinamentos.

Muçulmanos e não muçulmanos têm que se dar as mãos e comprometer-se na reforma do islão. Só a defesa consequente da dignidade humana e dos direitos humanos poderá levar as instituições a deixar de abusar das pessoas e de as instrumentalizar para os seus interesses culturais, políticos e económicos. Doutro modo o Homem continuará a ser o lobo do Homem e a Europa tornar-se-á mais injusta e insalubre.

O ódio e a brutalidade fascinam a sociedade e chega a ser legitimado em nome de uma tolerância traidora.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do tempo,

Publicado em Cultura, Educação, Escola, Migração, Política, Religião, sociedade | Deixe o seu comentário

O BRASIL VOTOU MAS NÃO ENCONTRA O SEU CENTRO

A democracia manqueja da perna esquerda e da perna direita

 

A 7.10.2018 o povo brasileiro votou. 46,21% dos votos foram para Jair Bolsonaro (extrema direita- PSL),  28,97%  para Fernando Haddad (substituto de Lula no partido da esquerda PT) , 12,50 %,  para Ciro Gomes (Esquerda PDT)), 4,78% para Geraldo Alckmin (centro direita PSDB – ) e 1,21% para Henrique Meirelles (apoiada por Tremer).

 

Nas mesas de voto esteve presente a Indignação contra a corrupção, a violência e a má gestão.

 

Se 46,21% votam em Bolsonaro será de redefinir o que se entende por extrema e por direita. Segundo imprensa alemã, mais de 60.000 pessoas foram mortas no ano passado no Brasil; lutas nas favelas entre a mafia da droga e a polícia tornam patente a insegurança do direito no Brasil.

 

Em 28 de outubro haverá a eleição do segundo turno. A bolsa reagiu positivamente ao resultado de Bolsonaro: isto significa que conta que ele vença na segunda volta.

 

A sociedade encontra-se dividida, o seu futuro não promete. Uma sociedade manca das duas pernas não pode caminhar, vai rastejando.

 

“Na casa onde não há pão todos ralham e ninguém tem razão”, conclui a sabedoria popular. Num ambiente assim afirmam-se os mais oportunistas e mais fortes quer da esquerda, quer da direita; o povo, esse, vai vivendo na sombra de uns e de outros e no desconsolo da sua defesa ou ataque.

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do tempo

Publicado em Cultura, Educação, Política, sociedade | 5 Comentários