MACRON QUER A REFORMA DA UNIÃO EUROPEIA QUE OS PAÍSES NÓRDICOS NÃO QUEREM

Criação de FME (Fundo Monetário Europeu para a área do euro)

António Justo

O presidente francês, defendeu, no Parlamento Europeu e no encontro com Merkel, a necessidade de reformar a EU, repetindo, para tal, as exigências que a EU já se colocava em 2012, mas que a constelação mais poderosa da EU ignorou até agora. Agora sem o Reino Unido na balança tentam-se novos centros com um pouco de mais poder para o Sul e que se nota na presença acentuada da França no palco europeu.

Macron diz “não quero pertencer a uma geração de sonâmbulos”. Quer a criação de um orçamento da EU para toda a zona do euro, quer a união dos bancos e uma “capacidade orçamentária que exige estabilidade e convergência na zona do euro”.

A criação de um fundo monetário (FME) para a área do euro pressuporia muita solidariedade.

Ângela Merkel só verá a possibilidade de se transformar o MEE (Mecanismo Europeu de Estabilidade – “guarda-chuva do euro”, atualmente com 500 bilhões de euros e que evita que devedores paguem juros elevados) num fundo monetário europeu (FME), se houver mudanças nos acordos da EU. (Isto, em texto claro, significa que as economias mais ricas do Norte terão de ficar com poder assegurado nas decisões sobre o destino dos dinheiros que disponibiliza).

Para Merkel “O FME (Fundo Monetário Europeu) deve ser uma instituição dos Estados parceiros e, ao contrário de Macron, não quer que se torne numa outra instituição da UE sobre a qual a Comissão da UE (Bruxelas) poderia ter uma influência decisiva”(cf. HNA 18.04). À imagem do FMI, o FME teria dinheiro para países em crise e poderia desenvolver activamente países atrasados com recursos financeiros e trazê-los para o nível da EU mais cotada.

Com a criação do FME seria o começo de uma união de transferência mais fluente de dinheiros do Norte para o Sul. O MEE depende atualmente dos ministros das finanças dos países da zona euro e os países do Norte receiam que com o FME quem disporia sobre os bilhões de euros seria a Comissão da EU e neste caso os estados doadores pouco ou nada teriam a dizer.

A Alemanha quer que os parlamentos dos países que alimentam o FME possam decidir sobre o destino das finanças. A Alemanha e outros países têm medo que a Comissão disponibilize então dinheiros sem os ligar a condições de reformas políticas e democráticas (Doutrina do antigo ministro das finanças Wolfgang Schäuble que não queria ver o poder de distribuição de dinheiro fora das mãos dos ministros das finanças). Os poupadores alemães têm medo de terem de pagar para bancos com dificuldades noutros países da EU. A Alemanha quer que os bancos e os estados sejam primeiramente reabilitados para não se entrar numa situação de alimentação permanente de uns bancos pelos outros. Por isso o governo alemão evita falar de um ministro do Euro e de uma Zona orçamental para o Euro. Em questões de finanças os países do Norte querem manter o leme na mão para que não se passe a uma comunitarização das dívidas.

A europa na deve voltar ao nacionalismo, mas também não pode tornar-se num clube de ricos e com os seus pobres; seria mais óbvio acentuar o regionalismo, com uma democracia a partir da base, das regiões e dos povos. Só assim se poderiam ganhar os povos da Europa para a União Europeia, doutro modo continuará a ser imposta. O incremento das regiões seria também uma maneira inteligente de não alimentar tensões nacionalistas.

António Da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo,

 

Publicado em Cultura, Economia, Migração, Política | 6 Comentários

Os Países que mais contribuem para a Guerra no Mundo com Armas

António Justo

Segundo um relatório do Instituto de Investigação da Paz Sipri, os países que mais contribuem para as guerras com o comércio de armas são: USA (com 34% do comércio mundial), Rússia (22%), França (6%), Alemanha 5,8%), China (5,7%)

Os maiores importadores de armas são a Índia (12% do comércio mundial), Arábia Saudita (10%), Egipto (4,5%), Emirados Árabes Unidos (4,4%) e China (4%).

A Alemanha, com o exporte de armas para a Arábia Saudita apoia a guerra na Síria e no Iémen.

Com o exporte para a Turquia apoia a sua invasão na Síria contra os curdos.

Desde há milhares de anos não se conseguiu a paz com armas. Com elas só se conseguiu uma guerra atrás da outra.

Isto promete continuidade eterna porque as elites ganham com a guerra e o povo que sofre com ela interessa-se mais pelo jardim à frente de sua casa do que com a informação/formação que os que vivem melhor na sociedade lhes transmitem.

António da Cunha Duarte Justo
Pegadas do Tempo

 

Publicado em Cultura, Economia, Educação, Política | Deixe o seu comentário

EM QUE MENTIRA ACREDITAR?

Por uma Paz de Terceira classe para a Síria já que outra é impossível

Por António Justo

No jogo de interesses de conflitos internacionais e nacionais e na consequente expressão mediática, a formação de uma opinião pública objectiva em questões complexas, torna-se irrelevante. Mais que a realidade factual ou apresentada como tal, interessa a discussão opiniosa coxa do “a favor” ou do “contra”, dando-se prevalência à emoção, sem interesse pela fundamentação do discutido. Assim passa-se a ter a verdade/mentira de Washington, a verdade/mentira de Moscovo, a verdade/mentira de Londres Paris, a verdade mentirosa da esquerda e da direita.  Passamos a ter perspectivas dos factos sem chegarmos ao conhecimento de uma realidade factual; mas, o que se torna estranho é que cada parte se satisfaz e vive da convicção emocional de possuir a verdade toda. Poderíamos chamar a este fenómeno, a realidade da opinião certa num Estado de verdade democrática. Este tipo de opinião é fraco, porque prescinde de argumentação e provas para se satisfazer com imagens, que pelo seu caracter visual real, dão a impressão de serem verdade, porque ordenadas num certo contexto.

No caso da Síria, terão sido usados gases venenosos: pelos rebeldes ou pelos do regime de Assad? A força da verdade-mentira dependerá dos interesses mais fortes e do lado geográfico em que se encontra o opinante, até que de indícios de culpabilidade se tornem provas. Neste caso será conveniente para as partes nunca se vir a ter a certeza; a dúvida ajuda os mais espertos.

Um acusado, num estado de direito, deve ser considerado inocente até que seja provada a acusação feita. Só depois vem o castigo. O Ministério Público (o queixoso) tem de provar a culpa do acusado. No caso da Síria optou-se pelo ataque e só depois deve vir a hora da diplomacia!

Na Síria não se esperou pelo resultado dos inspectores das NU. Primeiro veio o bombardeio e depois segue-se a inspecção. Torna-se enganador o facto de os acusadores exigirem da Síria que contribua para o esclarecimento.

A imprensa mais séria não fala do ataque de gás venenoso, fala sim do “suposto ataque de gás venenoso”.

A paz mundial é posta em causa com base em suposições, em vez de se investigarem os casos cabalmente; em guerra, os partidos conflituosos estão interessados em criar impressões que os beneficiem. O ministro de defesa dos USA dizia, há pouco, que crê num ataque de gás venenoso, mas não há nenhuma prova. O povo deixa-se levar por conjecturas e a política não tem sentido de responsabilidade política para com os cidadãos.

Duma é uma fortaleza do fundamentalismo islâmico que é confundido com rebeldes; a reconquista do Leste de Ghuta, tal como de Monsul e Alepo foram festejadas pela população como libertação.

Uma política bem-intencionada e realista pressuporia uma solução conjunta em que a EU, os EUA, a Rússia e Assad colaborassem à mesma mesa para se possibilitar uma paz que não seria possível no apoio aos rebeldes. Nesse sentido seria preciso mais política real e menos ideologia. A paz total é impossível devido aos interesses rivais também dos grupos muçulmanos no país e da luta dos sunitas e dos xiitas pela hegemonia na região.

Será preciso apostar numa paz de terceira classe já que o óptimo é inimigo do bom. Porque não deixar Assad no poder com o povo que o apoia e possibilitar mais bem-estar para a Síria, embora com alguns sobressaltos para os rebeldes em vez de fomentar a guerra civil, de fora.

Doutro modo só nos resta continuar a dançar entre a verdade da mentira e a mentira da verdade!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

 

Publicado em Cultura, Economia, Educação, Migração, Política, Religião | 7 Comentários

ATAQUES DOS USA, FRANÇA E REINO UNIDO CONTRA A SÍRIA SEM MANDATO DA ONU

Engano e Propaganda é uma Tática eficaz

António Justo

No teatro das máscaras do mundo político quem pensa em justiça, parece não ver bem!

A encenação dos Média e da Política como preparação do povo para legitimar o ataque feito, a noite passada, à Síria foram vergonhosas e humilhantes para cidadãos adultos e para uma política acreditável.

Isto é indigno de um continente que se quer apresentar como o cavaleiro dos valores e do Direito. A “Europa dos Valores” agride hoje, sem provas do emprego de gás pelo Regime de Assad, tal como fez em 2003 para atacar o Iraque.

Os EUA com a França e o Reino Unido bombardearam vários alvos na Síria, com base numa suspeita de o Regime de Assad ter usado contra os rebeldes, gás venenoso no fim de semana passada. Ao atacarem um aliado da Rússia complica-se a questão. Mas não matando soldados russos nem centros operacionais russos, o problema passa, como é comum nestas questões a não o ser!

O presidente francês Macron disse que havia evidências do emprego de gás venenoso, (por quem?) mas não as apresenta. Embaraçoso é o facto de horas antes, especialistas da Organização das Nações Unidas para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) terem pretendido visitar Duma (arrabalde de Damasco), no sábado, para verificar se tinham sido usadas armas químicas.

Segundo a imprensa alemã, Merkel, que se tinha negado a participar numa intervenção na Síria, defendeu a ação militar, classificando-a de “necessária e apropriada”, apesar de ter sido feita sem mandato da ONU; os partidos AFD, Verdes e Esquerda criticaram-na como prematura e, além disso, torna-se destruidora de provas.

Assim a discussão perde-se numa questão de opinião. O estratega Putin está a sair-se bem desta tristeza.

Segundo o Ministério da Defesa da Rússia, eles conseguiram interceptar 71 dos 103 mísseis.

Os interesses inatos para uma paz sustentável na Europa constarão em fomentar e manter boas relações com a Rússia! A longo prazo, o destino europeu dependerá em grande parte da Rússia que é um país “intercontinental”.

Com esta intervenção militar, Trump desvia as atenções da sua pessoa na América e prepara o caminho para melhores relações entre as nações aliadas.

Engano e propaganda é uma tática que sempre funciona. Os motivos para a guerra do Iraque e da Líbia foram mentiras e agora para atacar a Síria baseiam-se em suspeitas.

Se a guerra continuar, mais refugiados haverá a quererem entrar na Europa e, muito do povo europeu, em vez de chamar os seus políticos à razão, encontra o seu alibi na crítica aos refugiados.

A razão dos potentados não conhece limites!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Publicado em Cultura, Economia, Política | 38 Comentários

Apresentação do livro de Poemas “Nas pegadas da poesia”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Link para a documentação:

https://www.facebook.com/events/353579898480986/permalink/360233524482290/

Publicado em Sem categoria | Deixe o seu comentário