ÂNGELA MERKEL – A MÃE DOS REFUGIADOS

Uma família de refugiados da Síria deu o nome da Ângela Merkel à sua filha nascida neste mês em Münster. Fê-lo como acto de agradecimento pela política de abertura da Chanceler alemã. A menina chama-se Ângela Merkel Muhammed. A família com 5 filhos vive desde 2015 na Alemanha.

Já em 2015 uma família de refugiados em Duisburg tinha dado o nome de Ângela Merkel a uma filha nascida em Duisburg.

 

António da Cunha Duarte Justo

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Publicado em Migração | Deixe o seu comentário

PENÍNSULA IBÉRICA (AL ANDALUZ) DECLARADA LUGAR DE RECONQUISTA PARA O ISLÃO

O Mito da Tolerância e da Paz multicultural medieval em Al Andaluz

Por António Justo

Um dos objectivos do terrorismo internacional é desestabilizar a Península Ibérica (“Al Andaluz”). Esta é “a terra da guerra”, como anunciava já o médico Ayman Al-Sawahiri (vice-chefe da organização terrorista Al Quaida em 2006 ao declarar a guerra santa contra Al-Andaluz (Península Ibérica), especificando: “O objetivo da jihad é libertar os territórios que já foram a terra do islão, desde Al-Andalus até ao Iraque.”

Há duas semanas, antes do atentado de Barcelona (1), a milícia Estado Islâmico (EI) apelava nos seus sites à “reconquista de Al-Andalus” (HNA,19.08.2017) e anunciava um atentado nos próximos dias, chegando a usar, em 29 de julho passado, a expressão “fogo sobre Al Andaluz”; Al Andaluz era a expressão usada pelos árabes quando se referiam à Península Ibérica, dominada pelos mouros (desde 711 a 1249 a zona de Portugal e desde 711 a 1492 grandes zonas de Espanha).

A tradição islâmica (sharia) divide o planeta em fronteiras religiosas: a “terra da paz” (Dar el Islam) que são as regiões onde os muçulmanos dominam, e a “terra da guerra” (Dar al-Harb), as terras onde o islão ainda não domina. O sonho “árabe” é a reconquista de Espanha; reconquistar o que os invasores muçulmanos tinham conquistado aos cristãos da Península Ibérica.

.

O Mito de Al Andaluz: estímulo para uns e força alienadora para outros

 

A região da Catalunha (província de Barcelona) é uma terra preferida por radicais muçulmanos para aí viverem. Na Espanha há 800 mesquitas e na sua sombra há também “mesquitas de garagem” onde a pregação do ódio produz frutos. O dia 22 de agosto seria, para já, uma data propícia para mais atentados!

A lembrança da era dourada muçulmana em Espanha (Al Andaluz) é um mito para os muçulmanos no seu sonho de voltar ao fulgor da sua Idade de ouro e, para não muçulmanos, é o mito da suposta era de paz e tolerância entre o judaísmo, o cristianismo e o islamismo. O sonho árabe corresponde às suas coordenadas de religião política e ao sonho de um império a realizar; da parte europeia, o desejo mitificado de um tempo de paz e tolerância que provem de um trauma de séculos de convívio e de relações frustradas com o vizinho muçulmano – temos, sociologicamente, a experiência dolorosa de uma humilhação, ainda no inconsciente, a procurar refugiar-se na ilusão de uma sublimação.

Os muçulmanos estão na origem, de facto, de um grande desenvolvimento na Península ibérica e na Europa, através da filosofia como tradutores/comentadores das obras dos clássicos gregos (os escritos gregos da antiguidade foram traduzidos para árabe, hebraico e latim em Córdoba), das ciências da medicina (Albucasis, Averróis), das novas técnicas de agricultura, da concentração em aglomerados citadinos e da sua arquitetura própria.

Uma certa tolerância dos potentados muçulmanos do Al Andaluz, foi conseguida então pelo facto de não terem posto em prática o que a doutrina islâmica exigia (Corão, Ditos do Profeta e Sharia). Então como hoje surgiram movimentos de radicalismo (jihadistas) que pretendem pôr em prática o que a doutrina muçulmana e o exemplo de Maomé requer.

O filósofo judeu Moisés Maimonides de Córdoba, propôs uma interpretação alegórica das passagens da Tora de maneira a, nas Escrituras sagradas, termos uma verdade simbólica para os filósofos e teólogos e uma verdade física para o povo (verdade literal!)

O sistema muçulmano perseguiu o seu grande filósofo Averróis que foi um luzeiro na medicina e na filosofia, na qualidade de comentador de Aristóteles. A sua acentuação da razão e a interpretação alegórica dos textos sagrados (semelhante a Maimonides) não agradavam nem aos senhores muçulmanos nem aos senhores cristãos, tendo sido desterrado pelo soberano muçulmano.

O Medievalista Francisco Garcia Fitz, constata que  „a tolerância na Espanha muçulmana“ , em que as três culturas se respeitavam mutuamente, não passa de um „mito multicultural“ e não corresponde à verdade histórica. Cristãos e Judeus eram tidos como inferiores e eram marginalizados, embora considerados minorias protegidas (“dhimmis”). Na Espanha, como ainda hoje na Turquia, estavam impedidos de obter tarefas de liderança no exército ou na administração política.

As relações entre grupos religiosos eram caracterizadas por conflitos religiosos, políticos e de raça como conclui Darío Fernández-Morera no ensaio The Myth of the Andalusian Paradise, e que “nos melhores tempos só podia ser controlado através do poder tirânico dos governantes”.

 

A outra parte da realidade muçulmana em Espanha

 

Tanto a demonização como a divinização de uma época ou cultura estão ao serviço da guerra das corporações e da estupidificação de espíritos indiferenciados.

Nesta época, Al Andaluz era um centro de muita criatividade e de alto nível científico e intelectual. O sistema económico era favorável à formação de elites.

Os não-muçulmanos (ahl al Dhimma) eram discriminados e oprimidos. O historiador Bernard Lewis constata: «As sociedades islâmicas nunca reconheceram a igualdade nem fingiram fazê-lo […] Sempre houve discriminação, de modo permanente e naturalmente necessário, como algo inerente ao sistema e institucionalizado pela lei e pela prática

Cristãos e judeus pagavam impostos específicos – um imposto individual e um imposto sobre a terra – que eram muito mais opressivos do que os impostos aos muçulmanos. As comunidades cristã e judaica estavam proibidas de exercer a sua religião em público, não podiam construir novas igrejas nem expressar em público as suas opiniões sobre religião. Muhammad I (823–886) mandou destruir todas as igrejas construídas depois de 711. Judeus e cristãos tinham de usar vestes que os distinguiam dos muçulmanos; nos séculos XI e XII houve também conversões forçadas, deportações e emigrações maciças de refugiados para a Espanha cristã.

O historiador Francisco Garcia Fitz:  “As operações militares do governante Almanzor no século X e as expedições jihad dos Almorávidas e Almohitas no século XII, contra os territórios cristãos, eram uma correspondência às cruzadas cristãs na luta contra o Islão”. Neste pano de fundo, continua o historiador: “a ideia idílica de uma Espanha muçulmana como local de encontro para três culturas parece mais ser a resposta a uma necessidade atual. Os modelos de relações interculturais que a nossa sociedade precisa, não devem ser buscados na Idade Média. Porque o que lá se encontra é o outro lado da realidade: política de exclusão, que culminou em violência e expulsão”. “A tolerância na espanha muçulmana é um mito” .

No fim do califado em 1031, a convivência deteriora-se, chegando a haver um pogrom contra os judeus de Granada, onde milhares foram assassinados. Muitos judeus, entre eles Moisés Maimonides, refugaram-se em áreas mais tolerantes no Mediterrâneo oriental ou nos reinos cristãos emergentes no oeste da Espanha.

O domínio muçulmano terminou como começou…. Rivalidades, no século VIII, entre cristãos tinham facilitado a entrada dos muçulmanos na Península Ibérica e rivalidades, no século XIII, entre muçulmanos facilitaram a reconquista cristã. Em 1492 o último rei Abu Abdalá (Boabdil), capitulou perante os Reis Católicos, Fernando e Isabel.

Com este contributo não quero justificar preconceitos com preconceitos. Saber é luz que vai iluminado também os nossos mais obscuros recônditos!  Importante é estarmos na disposição de descobrir e servir o espírito da luz, mas sempre conscientes das próprias trevas.

© António da Cunha Duarte Justo

Teólogo e Pedagogo (Português e História)

Pegadas do Tempo,

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Publicado em Arte, Cultura, Economia, Migração, Política, Religião | 15 Comentários

“PÁRTENON DOS LIVROS“ DA DOCUMENTA 14 EM KASSEL – UMA CENSURA DA CENSURA

 

António Justo

O Pártenon dos livros proibidos, no âmbito da Documenta 14, é uma obra de arte de protesto contra a censura praticada ontem e hoje em todo o mundo. Nele encontram-se, como que em mosaico, 50.000 livros proibidos, envolvidos por plástico a fazer de fachada do Pártenon, entre outros: “A Bíblia”, “Ulisses”, “Os Versos Satânicos”, O Principezinho, ” Os Sofrimentos do Jovem Werther “,” Alice no País das Maravilhas “, etc…

O Pártenon dos livros proibidos, encontra-se por 100 dias – o tempo da Documenta 14 – na praça Friedrichsplatz ao lado do Fridrericianum (antiga biblioteca), onde foram destruídos 350.000 livros num incêndio provocado pelo bombardeamento dos Aliados em 1941. No mesmo largo tinham sido queimados 2.ooo livros a 19.05.1933 no âmbito da “Acção contra o Espírito não-alemão “.

O Fridericianum foi concluído pelo Conde de Hesse-Kassel, Frederico II, em 1779; o edifício foi um dos primeiros museus públicos da Europa e também usado como biblioteca pública.

Muito do dinheiro, que Frederico recebia do aluguer dos seus soldados ao rei da Grã-Bretanha, para combater do lado britânico, na Guerra da Independência Americana, foi aplicado na criação de parques públicos e investido nas artes. Ainda hoje impressionam os parques e os muitos carvalhos com mais de 200 anos nos parques da cidade de Kassel.

O Pártenon dos livros proibidos, é uma réplica do formato do Pártenon de Atenas, o berço da democracia.

O objectivo da artista Marta Minujín, com o Pártenon dos livros proibidos,  era conseguir 100.000 livros proibidos oferecidos por pessoas privadas e por livrarias para o Pártenon .

Esta é certamente a melhor peça da Documenta 14.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Publicado em Arte, Cultura, Educação, Política | Deixe o seu comentário

UM JOGO PERIGOSO ENTRE A COREIA DO NORTE E OS EUA

O contra-ataque verbal de Trump, tal como as acções do ditador Kim Jong Un, têm mais em vista distrair o povo dos USA e o povo da Coreia do Norte; a deslocação dos problemas do interior para o exterior facilita-lhes a governação.

O que de momento se observa tem também o objectivo de iniciar a legitimação de uma maior corrida ao armamento. Em tempos modernos a violência militar deve ser evitada pelo Conselho de Segurança da ONU. Juridicamente a Nato não estaria implicada numa guerra entre A Coreia do Norte e os USA. A União Europeia poderia assumir um papel de intermediário e convencer a China a moderar o perigo em via na Coreia do Norte. A tecnologia da Coreia do Norte depende da China.


Um anúncio de neutralidade por parte da China no caso de a Coreia do Norte lançar a primeira raquete revelar-se-ia como acto de oportunismo e renúncia a assumir responsabilidade global. Os actores que poderiam contribuir para uma solução pacífica do conflito são a Coreia do Sul, a China, a Rússia, o Japão e os USA.

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Publicado em Política | Deixe o seu comentário

UMA MUÇULMANA EXEMPLAR – SEYRAN ATES

A Fundadora da primeira Mesquita inovadora: “Mesquita Averróis-Goethe”

 

António Justo

Seyran Ates, nasceu em Istanbul (1963); aos seis anos emigrou para a Alemanha; frequentou os estudos de direito em Berlim, especializando-se em direito penal e em direito de família. Já, durante os estudos, apoiava mulheres vítimas de violência caseira.

Como advogada defende vítimas de “crimes da honra”, mulheres casadas à força ou maltratadas pela família. Em 1984 um marido matou uma sua cliente no seu consultório; Ates ficou gravemente ferida e teve uma experiência de quase-morte. Apesar disso, Seyran Ates continuou a empenhar-se na defesa de mulheres oprimidas, conseguindo trazer para a opinião pública alemã um aspecto escuro de muitas mulheres que sofrem em silêncio devido à pressão patriarcalista.

Em 2006 abandonou a sua carreira de advogada, por algum tempo, devido a ameaças.

Depois de ter publicado o livro “O Islão precisa de uma revolução sexual” recebe contínuas ameaças de morte e e-mails transbordantes de ódio e ideias de abuso sexual, o que a levou novamente a abandonar a carreira de advogada em 2009.

A ativista de direitos humanos “vive em constante perigo de vida” porque se dedica à defesa da liberdade de outros. A muçulmana encontra-se sob proteção policial, dia e noite, com vários polícias.

 

Na luta por um rosto feminino para o Islão

 

A 16 de Junho de 2017, Seyran Ateş abriu a “Mesquita Ibn Ruschd-Goethe” em Berlin (um projecto de ligação da cultura árabe à cultura ocidental, daí o nome “Mesquita Averróis-Goethe”). É a primeira mesquita progressista na Alemanha; está aberta às correntes islâmicas sunita, xiita, alevita e sufi. O uso do nicab e do xador são proibidos por serem expressão de submissão ao homem e símbolo de um islão anacrónico (1).

Seyran Ates, quer uma mesquita onde o Corão não seja interpretado à letra e, assim, tornar possível uma interpretação moderna que  possibilitae uma educação para a liberdade, para a responsabilidade individual e para a paz universal.

As mesquitas na Alemanha não perdoam a Seyran Ates, ser a cofundadora da mesquita liberal Ibn-Rushd-Goethe-Mesquita onde rezam mulheres e homens uns ao lado dos outros e onde às vezes uma imã orienta a oração ritual.

Na imprensa da Turquia, Ates é apostrofada de “traidora da pátria e de terrorista”. “A repartição turca para os Assuntos Religiosos (Diyanet) incita a plebe mafiosa turca na Alemanha” (HNA) e  acusa Ates de querer modificar e reconstruir a religião.

Ates chama a atenção para a hipocrisia que, muitas vezes, se apresenta com duas caras:” Eles sorriem para ti e mentem-te na cara”.  É contra o uso do lenço islâmico (Hijab), contra os casamentos forçados e contra os crimes de honra. Também, devido à sua experiência amarga, desabafa: “Onde a Religião só serve a demarcação/separação, revela-se contra a democracia”.

A atitude de Seyran Ates torna-se numa ousadia promissora para o Islão (e para a paz na Europa) na medida em que lhe possibilita, por um lado,  a saída do gueto, o abandono do acorrentamento aos costumes da Arábia do século VII e, por outro, a abertura à pessoa, à feminidade,  à História e a outras culturas. No seu projecto, “Mesquita Averróis-Goethe, é apoiada por muçulmanos liberais de todo o mundo (2).

Entre outros louvores foi-lhe atribuída a condecoração Cruz Federal de Mérito, pelo Estado alemão.

 

Conclusão

 

A “Mesquita Averróis-Goethe é uma iniciativa válida e digna de imitação para tornar o islão compatível com a Europa e com outras culturas. O Islão só será reformado pela acção das mulheres. Nelas há que apostar para que não continuem a fomentar um estilo de cultura arcaica aliciante de instintos de homens árabes e doutras culturas! Só elas poderão trazer ao Islão um rosto feminino e recuperar a feminilidade que ele reprime e assim dar-lhe um rosto mais equilibrado e mais humano!

Também no surgir da Europa houve tempos em que a autoridade do grupo ou da instituição atafegava a personalidade individual e em especial a mulher (hoje isso acontece de maneira mais subtil e suave). Embora o ocidente tenha defendido sempre a dignidade de toda a pessoa humana, independentemente de ela ser mulher ou homem, os costumes e tradições reprimiam a mulher em relação ao homem. É importante que mulheres de cultura árabe, em contacto com a cultura ocidental, ganhem força e sejam motivadas a provocarem um desenvolvimento antropológico do islão de maneira a criar mais justiça, solidariedade e igualdade de trato entre homens e mulheres de modo a possibilitar, a cada qual, redefinir a sua ipseidade para agir a partir de uma liberdade responsável e humana porque individualizada.

Encontramo-nos todos no mesmo barco e se o islão não se muda toda a humanidade será retardada e se a sociedade ocidental não se mudar também, a personalização do indivíduo passará a ser abusada no sentido de o desumanizar, transformando-o novamente em mero objecto ou instrumento da instituição e da ideologia ad hoc. Cabe ao Cristianismo e à sociedade ocidental, que deram origem aos direitos humanos, à democracia e à tolerância do Homem como tal, tornar-se consciente do processo em via num momento em que as constelações de poder mundial se redefinem. Cada povo, cada cultura tem o seu valor específico a integrar na construção de sociedade mais justa e pacífica. Por isso todos devemos estar gratos quando uma mulher como a muçulmana Ates procura fazer com que o islão reconheça a feminidade como um vector do desenvolvimento, tal como o vector da masculinidade que se tem afirmado desequilibradamente! Não só a sociedade religiosa, mas também as sociedades seculares são responsáveis pelo que acontece: na Europa tem-se afirmado o islão do lenço e as estruturas governamentais colaboram com instituições muçulmanas duvidosas  interessadas apenas no poder e na hegemonia das mesquitas turcas na Alemanha (na colocação de professores de religião islâmica em escolas do Estado os Ministérios da Educação da Alemanha colaboram com a federação das mesquitas turcas (Ditib) que é apoiante de Erdogan e não apoia iniciativas que fomentem a integração ou impliquem renovação do islão; de maneira geral, apoiam o islão do lenço, e não dão  apoio aos defensores de um “protestantismo muçulmano”.

De facto, o ser humano, antes de ser membro de uma sociedade religiosa, étnica, política ou cultural, é Homem e como tal traz em si a ferocidade selvagem mais ou menos escondida, tal como a gene divina. O problema é que todos cheiramos a Homem e não queremos reconhecer a maldade latente que em nós trazemos e depois procuramos justificá-la ou desculpá-la para passar o assunto ad acta! A discussão é importante e mais importante é ainda o testemunho que Ates mostra.

 © António da Cunha Duarte Justo

Teólogo e Pedagogo

Pegadas do Tempo

  • (1) Há dias , no fim de uma aula, um simpático muçulmano trintanão, dirigiu-se a uma colega professora de alemão, dos seus 50 anos, e disse-lhe: porque é que pinta os lábios e se veste assim, se já é casada? Na sua mentalidade genuína até tinha lógica a sua pergunta! Porque precisa uma mulher casada de se arranjar de maneira atractiva se já tem um homem a quem pertence?! Porque traja assim, se isso é uma manifestação de liberdade e como tal uma provocação aos homens que, por natureza, andam à caça e mais à solta?!
  • (2) As mentalidades relativas a matrizes religioso-culturais formadoras de identidade (individual e cultural) não se mudam em poucas gerações. Durante a Idade Média a sociedade e cada indivíduo (de uma maneira geral) vivia, em grande parte, de maneira inconsciente no ventre da comunidade pois a individualidade ainda se encontrava em gestação. Houve, naturalmente, muitas excepções que tinham a ver com a posição e papel social de elites, que possibilitaram uma burguisação da consciência da pessoa. A Idade Média no renascimento (processo de emancipação) deu à luz o indivíduo como personalidade com autoridade própria (autonomia que só a sociedade industrializada concretizou a nível político com a democratização). Como se vê a pessoa “autónoma” é parida no século XV-XVI e demorou cinco séculos a produzir a pessoa autónoma de extremismos egoístas que hoje exagera em relação à comunidade tal como antes a comunidade (instituição) exagerava em relação ao indivíduo. O Islão ainda se mantem hoje nos princípios da sua Idade Média, quanto ao seu ser antropológico. O contacto íntimo dos muçulmanos imigrados com a Europa leva as pessoas mais sensíveis a descobrir-se como pessoas: a iniciar um processo que não poderá ser de renascimento porque a filosofia muçulmana não possui nela o factores que provocariam um renascimento, mas a capacidade de se abrir a outras mundivisões sociológicas e antropológicas; foi isto o que aconteceu a Ates. Ela estaria com alguns poucos no princípio do “protestantismo” muçulmano – a época propícia para produzir hereges e protestantes! Por isso, a nossa missão é dupla: apoiar as pessoas ousadas que, ao descobrirem-se como pessoas, descobrem os direitos humanos e apresentar uma análise crítica à doutrina muçulmana. Esta teima em oprimir a mulher e em afirmar-se e definir-se pelo contra em relação a outras culturas. Esta matriz fundamental, que parte do princípio que só uma sociedade do homo religiosus é legítima, terá de ser reestruturada num modelo de mundivisão que permita uma nova concepção de Homem e de sociedade, o que pressuporá uma opção pela inclusão e o distanciamento de uma mundivisão baseada nas estruturas mentais e sociais “árabes” do século VII. É triste ver como uma sociedade ocidental se comporta em relação ao Islão dos imigrantes: hipocritamente fecha os olhos e não quer saber porque saber (e não só levianamente opinar) tornar-nos-ia mais responsáveis e levar-nos-ia a ajudar mais as mulheres a libertarem-se da sua situação de escravizadas e de transmissoras dos padrões patriarcalistas islâmicos;  também não deixaríamos os imigrantes muçulmanos abandonados a si mesmos e tomaríamos medidas para que a colonização interna entre os muçulmanos, que se processa no ocidente, não ficasse entregue a mesquitas e grupos radicais apoiados pela Arábia Saudita, Qatar ou um islão de lenço turco. Infelizmente a esclarecida Europa continua interessada em cobrir a ignorância porque dela vive melhor a “boa” gente.
Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Publicado em Cultura, Educação, Migração, Política, Religião | 6 Comentários