NOVO PARTIDO NA ALEMANHA QUER INICIAR A REVOLUÇÃO AZUL

A Hora dos Conservadores na Europa

 

Por António Justo

Os Factos

Uma civilização à procura do sentido, um predomínio de temas de esquerda determinadores da cultura e da política, a presença social de um Islão conquistador, um globalismo avassalante, um eleitorado desconfiado de partidos e da classe política, constituem os principais ingredientes com que se tempera e determina a vontade do eleitor. A Alemanha, a Áustria e a Suiça são significativos representantes dos sintomas e dos indícios de desenvolvimento do futuro social na Europa.

 A AfD tornou-se na terceira força política no Parlamento alemão com uma quota de 12,6%, o que corresponde a 94 deputados; a CDU/CSU viu o resultado reduzido para 33%, o SPD para 20,5%, os Verdes para 8,9% e o FDP conseguiu os 10,7% e A Esquerda os 9,2%. A ascensão da AfD deve-se a muitos erros da classe política do regime vigente e por ter conseguido mover eleitores que eram abstencionistas e deslocado para si votantes da CDU (Merkel) e do SPD. Relevante é o fenómeno dos partidos mais à esquerda terem perdido substancialmente votos e os partidos populares CDU/CSU e SPD verem a popularidade a emigrar para a direita.

As lutas internas na AfD entre forças conservadoras moderadas e forças radicais levam Petry à cisão com o partido e determinam o surgir de “O Partido Azul” que quer uma política nacional liberal. A diretoria de „O Partido Azul“ „Blauen Partei“ é formada por  Michael Muster (presidente), Thomas Strobel e Hubertus von Below. Frauke Petry mantem-se ainda encoberta.

 

“O Partido Azul” – A Cor dos Conservadores!

 

Após a eleição do Parlamento alemão, em setembro, Frauke Petry anunciou a sua retirada da AfD (Alternativa para a Alemanha). 

 Frauke Petry ,  ex-presidente do partido AfD, comunicou a 13 de outubro a fundação de um novo partido com o nome de “Die Blaue Partei” (O Partido Azul”). Permanece primeiramente no Parlamento alemão como deputada, não ligada a uma fracção. O passo de Petry é compreensível dado já antes ter procurado, em vão, conduzir a AfD para um curso de “política real”. Para Petry, a AfD tinha-se deixado influenciar pela ala da direita nacionalista. Ela quer um “conservadorismo razoável”, um partido conservador liberal.

Petry, que, com os seus companheiros, fundara o partido uma semana antes das Eleições federais, quer iniciar um Fórum dos Cidadãos,”Blaue Wende” / ‘Mudança Azul (ou Rrevolução Azu)l’ no qual cada cidadão, independentemente da cor, se pode engajar com ou sem pertença ao partido “. Para Petry “Azul representa conservador, mas está também para uma política liberal na Alemanha e na Europa. Azul é a cor, que primeiramente tornou a CSU politicamente popular na Baviera. Trata-se de estabelecer isso a nível nacional”. Petry quer ganhar também conservadores decepcionados;

O seu modelo político é o CSU (União Social Cristã) da Baviera e a CDU dos anos oitenta (altura em que fazia a crítica ao espírito da geração 68); ela afirma que a „islão político” é contra os valores alemães, defende a expulsão da Alemanha de estrangeiros que cometam crimes e o fortalecimento das fronteiras alemãs.

De facto, a presença social de um Islão gueto, intransigente e hegemónico, está a determinar a atmosfera social e política na Europa. O seu caracter medieval possibilita uma conotação social crítica a um modernismo ao mesmo tempo bem-intencionado e irresponsável.

A partir de novembro, “O Partido Azul” pretende começar com eventos públicos a partir da Saxónia e depois em todo o país.

Os Polos (Esquerda-Direita) determinam o Movimento do Centro

A sociedade, tal como a pessoa ao andar, apoia-se ora na direita ora na esquerda. Assim consegue andar mais ou menos direita!

O panorama político europeu e em especial a política alemã encontram-se em convulsão depois de uma época em que a geração 68 abusou da influência da esquerda em todos os sectores da sociedade. As eleições alemãs e austríacas são os melhores indicativos da mudança dos ventos. As forças internacionalistas e de esquerda acentuaram demasiado a sua presença nos Estados europeus fortalecendo o seu polo em desfavor da ala direita social criando-se assim um desequilíbrio social e cultural na Europa. De momento assistimos a uma sociedade descontente consigo mesma e à procura de novos caminhos, mas com a pretensão de uma correcção em favor do polo da direita.

Atendendo à incontinência da política da geração 68, seguida na Europa, com o consequente enfraquecimento do polo conservador, nota-se agora uma saturação, em toda a sociedade; a ideologia de esquerda cometeu o erro de se entranhar na sociedade de forma jacobina arrogante, dogmática e polarizadora como se expressa ainda no moralismo do “pensar politicamente correcto” em voga – uma espécie de pensar de tesoura na cabeça como órgão inconsciente de autocensura. Consequentemente, o nacionalismo e o polo da direita tenderão a aumentar. O medo do islão fortificado com um certo cepticismo em relação à união europeia e ao euro ajudam a rebelião em curso.

O vácuo político actual deve-se também ao facto de os partidos conservadores, especialmente a CDU se ter desenvolvido de maneira a assumir os temas da esquerda do SPD e dos Verdes e a uma insatisfação geral da população com os partidos do regime.

O partido AfD continuará como forte força política para conservadores, patriotas, liberais do mercado e para amantes da lei e da ordem – uma constelação sem limites à direita em contraposição a uma paisagem política tolerante de partidos sem limites à esquerda.

Frauke Petry, encontra-se num horizonte ainda não definido; continua a ser uma estrela com grande carisma, mas, o problemático das estrelas é que só brilham durante a noite!

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo,

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Publicado em Arte, Cultura, Economia, Educação, Escola, Migração, Política, Religião | Deixe o seu comentário

O FUTURO DA ESPANHA SERÁ UM ESTADO FEDERAL

 
 

Um certo centralismo vigente em países latinos tornar-se-ia tolerável se tivesse como ponto mitigador o respeito pelo regionalismo.  De facto, o centralismo exacerbado transforma-se no inimigo do desenvolvimento das regiões distanciando-se, ao mesmo tempo, do povo! Em sistemas democráticos o centralismo napoleónico torna-se anacrónico.

A Suiça é o melhor exemplo de país federal que embora pequeno (oito milhões de habitantes), com alta qualidade de vida, tem grande influência mundial. Na Suiça a democracia ganha foros especiais com participação directa e as regiões afirmam-se de maneira própria, o que contribui para um maior desenvolvimento do todo, o povo suíço.

A Catalunha, a Galiza, etc. deveriam lutar pelo estatuto de estados federados ; a política espanhola cometerá um grande erro se não tomar a iniciativa de, a nível constitucional, possibilitar a organização do Estado espanhol numa federação ou confedreação.

A regionalização e a personalização são factores garantes do desenvolvimento e de sustentabilidade.

António da Cunha Duarte Justo

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Publicado em Cultura, Economia, Política | Deixe o seu comentário

DESMIOLAMENTO DO SISTEMA DEMOCRÁTICO EUROPEU – TURQUIA DESAFIA A EU!

O Presidente turco imiscui-se na Campanha eleitoral para o Parlamento alemão

António Justo

Os factos

O presidente Erdogan intrometeu-se na campanha eleitoral na Alemanha apelando aos cidadãos turcos a boicotarem as eleições. Imiscui-se, tradicionalmente, através das mesquitas e associações e, agora directamente, mediante recomendação pública à população turca na Alemanha a não votar nos partidos SPD, CDU e Verdes, porque, segundo ele, são “inimigos da Turquia”; abusa da Interpol com o mandato de captura ao escritor Dogan Akhanli. As eleições para o Parlamento Federal realizam-se a 24 de setembro.

A Alemanha federal tem uma população de 82,2 milhões de habitantes e 61,8 milhões de eleitores e um parlamento com 631 deputados.

Na Alemanha vivem 3,5 milhões de turcos (parte deles com a dupla nacionalidade); um milhão deles são eleitores na Alemanha; na actual legislatura o parlamento federal tem 32 deputados de origem turca.

Interesses da economia e de paz interior forçam a Alemanha a engolir em seco

 

A maneira como o presidente turco e seus ministros se têm comportado revela-se numa insolente ingerência, facilitada pelo facto de os imigrantes turcos terem, de facto, um estatuto privilegiado na Alemanha.

As associações e mesquitas turcas, na Alemanha, têm uma intervenção muito activa na politização da população turca e alemã. Inteligentemente, actuam de maneira a terem uma grande inserção nas administrações estatais locais e nas estruturas políticas locais e federais e de modo a poderem ter uma estratégia de poder eficiente. Enquanto imigrantes de países não muçulmanos se contentam mais com representações honorárias, eles são mais realistas e por isso com mais influência e visibilidade política.

O aparelho do Estado alemão está bem preparado para controlar o terrorismo islâmico, mas, devido ao complexo nazi e a uma certa ingenuidade popular natural, tem medo de exigir maior prontidão de integração à imigração: por isso o trabalho intercultural falhou assemelhando-se mais a um montão de cacos que funciona bem devido à riqueza económica do país e ao bom funcionamento do estado social! Mesmo assim a classe política estabelecida admira-se do surgir de grupos de protesto como Peguida etc.

 

Os imigrantes trazem com eles não só benefícios económicos e culturais, mas também problemas intraestatais e interculturais.

 

Nas passadas eleições para o referendo da remodelação da Constituição turca, no sentido de maior desdemocratização da Turquia, quase 50 por cento dos eleitores turcos residentes na Alemanha  votaram, com quase uma maioria de dois terços (63,1 %) em Recep Tayyip Erdogan. Nestas eleições tratava-se de decidir sobre uma mudança e Erdogan era o símbolo de uma alteração para um sistema autocrático.

 

Exportação de violência

 

Erdogan procura mobilizar energias criminosas contra o sistema democrático. Estados como a Turquia em vez de resolverem os problemas com decisões maioritárias aceites pelas minorias, apostam na violência. Erdogan já há muito tempo ataca as instituições, média, justiça e parlamento.

Depois do apelo de Erdogan, desconhecidos mascarados praticaram ataques incendiários à carrinha do partido SPD e do carro da deputada Michelle Müntefering (presidente do grupo parlamentar tuco-alemão, (certamente ataques de motivação política). Também Gabriel, a esposa do Ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, recebeu ameaças telefónicas depois de ter alertado para a deterioração das relações entre Berlim e Ancara. O ministro dos negócios estrangeiro culpa o presidente turco pois “a maneira como o Sr. Erdogan faz, motiva alguns” e a “minha esposa está a ser ameaçada”.

A vice-presidente do SPD, Aydan Özoguz, em campanha eleitoral, diz” Eu noto uma incerteza incrível” entre a população turca. Certamente haverá grande abstenção da parte turca nas eleições para o Bundestag.

Várias organizações turcas na Alemanha funcionam como tentáculos do Estado turco e do regime de Erdogan (casos de espionagem praticada com a exigência de entrega de imigrantes turcos à Turquia ) e já chegam às escolas alemãs através de professores de turco e da colaboração de Ministérios da educação dos estados federados com a federação de associações e mesquitas turcas na Alemanha para a colocação de professores de islão (Ditib) nas escolas.

A política de Erdogan na Turquia de esvaziamento da democracia e contra os curdos tem provocado o aumento de refugiados turcos na Alemanha; só em julho, segundo as estatísticas foram registados 620.

Erdogan é um perigo para a democracia plural no próprio país e fora dele porque cerceia os direitos individuais, a liberdade de imprensa e o poder legislativo.  A EU produz medidas de boicote económico contra a Rússia que seria o seu parceiro natural e tolera o agir do autocrata turco que quer entrar na EU e já usufrui das firmas turcas na EU para se expandir noutros países europeus!

É paradoxal, mas consequente, a democracia ter de defender também os seus inimigos!

Os partidos alemães encontram-se numa situação delicada devido à sua dependência de muitos votantes turcos.

 

António da Cunha Duarte Justo

Pegadas do Tempo

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Publicado em Migração, Política | 4 Comentários

ÂNGELA MERKEL – A MÃE DOS REFUGIADOS

Uma família de refugiados da Síria deu o nome da Ângela Merkel à sua filha nascida neste mês em Münster. Fê-lo como acto de agradecimento pela política de abertura da Chanceler alemã. A menina chama-se Ângela Merkel Muhammed. A família com 5 filhos vive desde 2015 na Alemanha.

Já em 2015 uma família de refugiados em Duisburg tinha dado o nome de Ângela Merkel a uma filha nascida em Duisburg.

 

António da Cunha Duarte Justo

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Publicado em Migração | 2 Comentários

PENÍNSULA IBÉRICA (AL ANDALUZ) DECLARADA LUGAR DE RECONQUISTA PARA O ISLÃO

O Mito da Tolerância e da Paz multicultural medieval em Al Andaluz

Por António Justo

Um dos objectivos do terrorismo internacional é desestabilizar a Península Ibérica (“Al Andaluz”). Esta é “a terra da guerra”, como anunciava já o médico Ayman Al-Sawahiri (vice-chefe da organização terrorista Al Quaida em 2006 ao declarar a guerra santa contra Al-Andaluz (Península Ibérica), especificando: “O objetivo da jihad é libertar os territórios que já foram a terra do islão, desde Al-Andalus até ao Iraque.”

Há duas semanas, antes do atentado de Barcelona (1), a milícia Estado Islâmico (EI) apelava nos seus sites à “reconquista de Al-Andalus” (HNA,19.08.2017) e anunciava um atentado nos próximos dias, chegando a usar, em 29 de julho passado, a expressão “fogo sobre Al Andaluz”; Al Andaluz era a expressão usada pelos árabes quando se referiam à Península Ibérica, dominada pelos mouros (desde 711 a 1249 a zona de Portugal e desde 711 a 1492 grandes zonas de Espanha).

A tradição islâmica (sharia) divide o planeta em fronteiras religiosas: a “terra da paz” (Dar el Islam) que são as regiões onde os muçulmanos dominam, e a “terra da guerra” (Dar al-Harb), as terras onde o islão ainda não domina. O sonho “árabe” é a reconquista de Espanha; reconquistar o que os invasores muçulmanos tinham conquistado aos cristãos da Península Ibérica.

.

O Mito de Al Andaluz: estímulo para uns e força alienadora para outros

 

A região da Catalunha (província de Barcelona) é uma terra preferida por radicais muçulmanos para aí viverem. Na Espanha há 800 mesquitas e na sua sombra há também “mesquitas de garagem” onde a pregação do ódio produz frutos. O dia 22 de agosto seria, para já, uma data propícia para mais atentados!

A lembrança da era dourada muçulmana em Espanha (Al Andaluz) é um mito para os muçulmanos no seu sonho de voltar ao fulgor da sua Idade de ouro e, para não muçulmanos, é o mito da suposta era de paz e tolerância entre o judaísmo, o cristianismo e o islamismo. O sonho árabe corresponde às suas coordenadas de religião política e ao sonho de um império a realizar; da parte europeia, o desejo mitificado de um tempo de paz e tolerância que provem de um trauma de séculos de convívio e de relações frustradas com o vizinho muçulmano – temos, sociologicamente, a experiência dolorosa de uma humilhação, ainda no inconsciente, a procurar refugiar-se na ilusão de uma sublimação.

Os muçulmanos estão na origem, de facto, de um grande desenvolvimento na Península ibérica e na Europa, através da filosofia como tradutores/comentadores das obras dos clássicos gregos (os escritos gregos da antiguidade foram traduzidos para árabe, hebraico e latim em Córdoba), das ciências da medicina (Albucasis, Averróis), das novas técnicas de agricultura, da concentração em aglomerados citadinos e da sua arquitetura própria.

Uma certa tolerância dos potentados muçulmanos do Al Andaluz, foi conseguida então pelo facto de não terem posto em prática o que a doutrina islâmica exigia (Corão, Ditos do Profeta e Sharia). Então como hoje surgiram movimentos de radicalismo (jihadistas) que pretendem pôr em prática o que a doutrina muçulmana e o exemplo de Maomé requer.

O filósofo judeu Moisés Maimonides de Córdoba, propôs uma interpretação alegórica das passagens da Tora de maneira a, nas Escrituras sagradas, termos uma verdade simbólica para os filósofos e teólogos e uma verdade física para o povo (verdade literal!)

O sistema muçulmano perseguiu o seu grande filósofo Averróis que foi um luzeiro na medicina e na filosofia, na qualidade de comentador de Aristóteles. A sua acentuação da razão e a interpretação alegórica dos textos sagrados (semelhante a Maimonides) não agradavam nem aos senhores muçulmanos nem aos senhores cristãos, tendo sido desterrado pelo soberano muçulmano.

O Medievalista Francisco Garcia Fitz, constata que  „a tolerância na Espanha muçulmana“ , em que as três culturas se respeitavam mutuamente, não passa de um „mito multicultural“ e não corresponde à verdade histórica. Cristãos e Judeus eram tidos como inferiores e eram marginalizados, embora considerados minorias protegidas (“dhimmis”). Na Espanha, como ainda hoje na Turquia, estavam impedidos de obter tarefas de liderança no exército ou na administração política.

As relações entre grupos religiosos eram caracterizadas por conflitos religiosos, políticos e de raça como conclui Darío Fernández-Morera no ensaio The Myth of the Andalusian Paradise, e que “nos melhores tempos só podia ser controlado através do poder tirânico dos governantes”.

 

A outra parte da realidade muçulmana em Espanha

 

Tanto a demonização como a divinização de uma época ou cultura estão ao serviço da guerra das corporações e da estupidificação de espíritos indiferenciados.

Nesta época, Al Andaluz era um centro de muita criatividade e de alto nível científico e intelectual. O sistema económico era favorável à formação de elites.

Os não-muçulmanos (ahl al Dhimma) eram discriminados e oprimidos. O historiador Bernard Lewis constata: «As sociedades islâmicas nunca reconheceram a igualdade nem fingiram fazê-lo […] Sempre houve discriminação, de modo permanente e naturalmente necessário, como algo inerente ao sistema e institucionalizado pela lei e pela prática

Cristãos e judeus pagavam impostos específicos – um imposto individual e um imposto sobre a terra – que eram muito mais opressivos do que os impostos aos muçulmanos. As comunidades cristã e judaica estavam proibidas de exercer a sua religião em público, não podiam construir novas igrejas nem expressar em público as suas opiniões sobre religião. Muhammad I (823–886) mandou destruir todas as igrejas construídas depois de 711. Judeus e cristãos tinham de usar vestes que os distinguiam dos muçulmanos; nos séculos XI e XII houve também conversões forçadas, deportações e emigrações maciças de refugiados para a Espanha cristã.

O historiador Francisco Garcia Fitz:  “As operações militares do governante Almanzor no século X e as expedições jihad dos Almorávidas e Almohitas no século XII, contra os territórios cristãos, eram uma correspondência às cruzadas cristãs na luta contra o Islão”. Neste pano de fundo, continua o historiador: “a ideia idílica de uma Espanha muçulmana como local de encontro para três culturas parece mais ser a resposta a uma necessidade atual. Os modelos de relações interculturais que a nossa sociedade precisa, não devem ser buscados na Idade Média. Porque o que lá se encontra é o outro lado da realidade: política de exclusão, que culminou em violência e expulsão”. “A tolerância na espanha muçulmana é um mito” .

No fim do califado em 1031, a convivência deteriora-se, chegando a haver um pogrom contra os judeus de Granada, onde milhares foram assassinados. Muitos judeus, entre eles Moisés Maimonides, refugaram-se em áreas mais tolerantes no Mediterrâneo oriental ou nos reinos cristãos emergentes no oeste da Espanha.

O domínio muçulmano terminou como começou…. Rivalidades, no século VIII, entre cristãos tinham facilitado a entrada dos muçulmanos na Península Ibérica e rivalidades, no século XIII, entre muçulmanos facilitaram a reconquista cristã. Em 1492 o último rei Abu Abdalá (Boabdil), capitulou perante os Reis Católicos, Fernando e Isabel.

Com este contributo não quero justificar preconceitos com preconceitos. Saber é luz que vai iluminado também os nossos mais obscuros recônditos!  Importante é estarmos na disposição de descobrir e servir o espírito da luz, mas sempre conscientes das próprias trevas.

© António da Cunha Duarte Justo

Teólogo e Pedagogo (Português e História)

Pegadas do Tempo,

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
Publicado em Arte, Cultura, Economia, Migração, Política, Religião | 15 Comentários